Todos os profissionais da saúde fazem greve em maio

13.04.2018

Médicos param de 8 a 10 e restantes trabalhadores de 2 a 3
Depois dos médicos, que convocaram uma greve nacional de 8 a 10 de maio, também os trabalhadores do setor público da Saúde vão paralisar nos próximos dias 2 e 3 de maio, segundo um pré-aviso entregue esta quinta-feira pelo Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública (Sintap).

Segundo o documento, estão abrangidos os trabalhadores que trabalham nos serviços tutelados pelo Ministério da Saúde, nomeadamente nos hospitais, que sentem «forte indignação pela degradação crescente das suas condições de trabalho».

Os trabalhadores, segundo o documento, reivindicam a aplicação do horário de trabalho de 35 horas semanais, progressão de carreira, dignificação das carreiras da área da saúde, reforço de recursos humanos, pagamento de horas de trabalho extraordinário, e a aplicação do subsistema de saúde ADSE (para funcionários públicos) a todos os trabalhadores.

«A celebração de acordo coletivo de trabalho para os trabalhadores do contrato individual de trabalho, de forma a conferir-lhes um regime de carreira, em condições de igualdade com os colegas», é outra das reivindicações.

José Joaquim Abraão, secretário-geral do Sintap, explicou à Lusa que são cerca de 40 mil os trabalhadores abrangidos, «sem carreiras e sem promoções», que «não podem ser o parente pobre do setor da Saúde».

Depois dos médicos, que convocaram uma greve nacional de 8 a 10 de maio, também os trabalhadores do setor público da Saúde vão paralisar nos próximos dias 2 e 3 de maio, segundo um pré-aviso entregue pelo Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública 

O responsável explicou que o sindicato tenta há mais de um ano negociar um contrato coletivo de trabalho, mas, até hoje, o Governo não se predispôs a iniciar as negociações nesse sentido. Enquanto isso os «trabalhadores estão desesperados», havendo muitos assistentes operacionais e técnicos que «têm centenas de horas a crédito e que não lhes são pagas».

18tm15T
13 de Abril de 2018
1815Pub6f18tm15T

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

20.07.2018

Médicos sem especialidade podem vir a reforçar INEM

Os médicos que não conseguiram a especialidade por falta de vaga podem vir a reforçar o Instituto Na...

20.07.2018

Trinta e cinco recém-especialistas da região Centro denunciam contexto insu...

Um grupo de 35 recém-especialistas de Medicina Geral e Familiar (MGF) da região Centro alerta para a...

por Teresa Mendes | 19.07.2018

Secretária de Estado da Saúde «lança» projeto Exames Sem Papel

A partir de agosto será feita a massificação da desmaterialização do processo de requisição de meios...

19.07.2018

  Pacotes vão ter menos açúcar em 2020

A partir janeiro de 2020 vão deixar de ser produzidas doses individuais de açúcar que excedam os qua...

por Teresa Mendes | 19.07.2018

Doentes com acesso a canábis medicinal nas farmácias a partir de agosto

A Assembleia da República (AR) publicou esta quarta-feira, a Lei que regula a utilização de medicame...

por Teresa Mendes | 18.07.2018

Doentes paliativos passam a ter direitos consagrados na Lei

As pessoas em contexto de doença avançada e em fim de vida passam a ter direitos consagrados na legi...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.