Todos os profissionais da saúde fazem greve em maio

13.04.2018

Médicos param de 8 a 10 e restantes trabalhadores de 2 a 3
Depois dos médicos, que convocaram uma greve nacional de 8 a 10 de maio, também os trabalhadores do setor público da Saúde vão paralisar nos próximos dias 2 e 3 de maio, segundo um pré-aviso entregue esta quinta-feira pelo Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública (Sintap).

Segundo o documento, estão abrangidos os trabalhadores que trabalham nos serviços tutelados pelo Ministério da Saúde, nomeadamente nos hospitais, que sentem «forte indignação pela degradação crescente das suas condições de trabalho».

Os trabalhadores, segundo o documento, reivindicam a aplicação do horário de trabalho de 35 horas semanais, progressão de carreira, dignificação das carreiras da área da saúde, reforço de recursos humanos, pagamento de horas de trabalho extraordinário, e a aplicação do subsistema de saúde ADSE (para funcionários públicos) a todos os trabalhadores.

«A celebração de acordo coletivo de trabalho para os trabalhadores do contrato individual de trabalho, de forma a conferir-lhes um regime de carreira, em condições de igualdade com os colegas», é outra das reivindicações.

José Joaquim Abraão, secretário-geral do Sintap, explicou à Lusa que são cerca de 40 mil os trabalhadores abrangidos, «sem carreiras e sem promoções», que «não podem ser o parente pobre do setor da Saúde».

Depois dos médicos, que convocaram uma greve nacional de 8 a 10 de maio, também os trabalhadores do setor público da Saúde vão paralisar nos próximos dias 2 e 3 de maio, segundo um pré-aviso entregue pelo Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública 

O responsável explicou que o sindicato tenta há mais de um ano negociar um contrato coletivo de trabalho, mas, até hoje, o Governo não se predispôs a iniciar as negociações nesse sentido. Enquanto isso os «trabalhadores estão desesperados», havendo muitos assistentes operacionais e técnicos que «têm centenas de horas a crédito e que não lhes são pagas».

18tm15T
13 de Abril de 2018
1815Pub6f18tm15T

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 22.01.2019

Mortalidade infantil subiu 26% em 2018

A mortalidade infantil sofreu uma inversão de tendência e aumentou 26% em 2018, segundo dados provis...

por Teresa Mendes | 22.01.2019

Serviços de Urgência já estão a recusar doentes

Nas últimas semanas, alguns Serviços de Urgência (SU) tiveram que recusar doentes devido à sobrelota...

por Teresa Mendes | 22.01.2019

Alergia da expressão cutânea em debate

Vai decorrer, no próximo dia 23 de fevereiro, no Palácio da Lousã Boutique Hotel, a 6.ª Reunião Temá...

por Teresa Mendes | 22.01.2019

Internamentos por bronquiolites em crianças está a aumentar

A bronquiolite é responsável por dois em cada dez internamentos de crianças com menos de dois anos,...

21.01.2019

Resistência à vacinação entre as 10 maiores ameaças à saúde em 2019

A Organização Mundial da Saúde (OMS) elaborou um Top 10 dos assuntos mais preocupantes em 2019 e que...

por Teresa Mendes | 21.01.2019

 Candidaturas abertas ao Prémio Nacional de Diabetologia

Estão abertas as candidaturas, até ao próximo dia 1 de fevereiro, ao Prémio Nacional de Diabetologia...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.