PARADIGM quer envolver cidadão no circuito da investigação biomédica

foto de "DR" | 13.04.2018

Plataforma liderada pela EFPIA e pelo Fórum Europeu dos Doentes
Com o objetivo de facilitar e promover a participação do paciente no ciclo de vida dos medicamentos, 34 parceiros públicos e privados juntaram-se e lançaram a plataforma PARADIGM (Patients Active in Research and Dialogues for an Improved Generation of Medicines), financiada pela Iniciativa de Medicamentos Inovadores.

A iniciativa, que vai ter a duração de 30 meses, é liderada pela EFPIA (European Federation of Pharmaceutical Industries and Associations) e pelo Fórum Europeu dos Doentes e integra associações de doentes, órgãos reguladores, universidades, organizações sem fins lucrativos, PME’s, associações comerciais e empresas farmacêuticas.

«O envolvimento do paciente na investigação biomédica é fundamental para melhores resultados de saúde», consideram os autores, num comunicado à Imprensa, esclarecendo que projeto pretende «preencher lacunas de conhecimento, definir como disponibilizar todas as ferramentas para aqueles que precisam delas, aumentar a consciencialização entre aqueles que pensam que não precisam delas e criar um roteiro sustentável para o envolvimento do paciente».

No final dos 30 meses de duração do projeto, os pacientes e investigadores terão acesso a uma estrutura que permite «o envolvimento estruturado, significativo, sustentável e ético do paciente ao longo dos três principais pontos de decisão do desenvolvimento de medicamentos: a definição das prioridades de investigação, o desenho de ensaios clínicos e o diálogo com os organismos reguladores».

Com o objetivo de facilitar e promover a participação do paciente no ciclo de vida dos medicamentos, 34 parceiros públicos e privados juntaram-se e lançaram a plataforma PARADIGM, financiada pela Iniciativa de Medicamentos Inovadores 

Para atingir esses objetivos ambiciosos, a PARADIGM está a unir forças com outros movimentos já existentes e vai organiza o Primeiro Fórum Aberto de Envolvimento do Paciente com a European Patient Academy on Therapeutic Innovation (EUPATI) e Patient Focussed Medicines Development (PFMD).

«O envolvimento do doente está a torna-se uma realidade e uma prática padrão que poderá ter um efeito realmente inovador na investigação biomédica, tornando-a mais focada nas necessidades das pessoas», diz Madga Chlebus, diretora executiva de Política Científica e Assuntos Regulatórios da EFPIA, na nota à Imprensa.

Mais informações

18tm15Q
13 de Abril de 2018
1815Pub6f18tm15Q

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

26.04.2018

Governo quer alargar as 35 horas a todos os trabalhadores do setor da saúde...

O Governo quer alargar o regime das 35 horas a todos os trabalhadores do setor da saúde já a partir...

26.04.2018

ORL do CHLN mantém idoneidade formativa, mas não abre vagas para internato...

O Conselho Regional do Sul (CRS) da Ordem dos Médicos (OM) esclarece que, ao contrário do divulgado...

26.04.2018

«Terão os hospitais de passar a entidades bancárias?»

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) acusa Mário Centeno de «troçar dos portugueses» quando di...

24.04.2018

Mais de 50% da população pediátrica não tem a asma controlada

A Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica (SPAIC) alerta que 43% dos portugueses as...

23.04.2018

«As vacinas funcionam»

A Direção-Geral da Saúde (DGS) associa-se à Organização Mundial da Saúde (OMS) para promover a Seman...

por Teresa Mendes | 23.04.2018

CNECV volta a chumbar estatuto do «maior acompanhado»

O Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida (CNECV) voltou a reprovar a proposta de lei do...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.