PARADIGM quer envolver cidadão no circuito da investigação biomédica

foto de "DR" | 13.04.2018

Plataforma liderada pela EFPIA e pelo Fórum Europeu dos Doentes
Com o objetivo de facilitar e promover a participação do paciente no ciclo de vida dos medicamentos, 34 parceiros públicos e privados juntaram-se e lançaram a plataforma PARADIGM (Patients Active in Research and Dialogues for an Improved Generation of Medicines), financiada pela Iniciativa de Medicamentos Inovadores.

A iniciativa, que vai ter a duração de 30 meses, é liderada pela EFPIA (European Federation of Pharmaceutical Industries and Associations) e pelo Fórum Europeu dos Doentes e integra associações de doentes, órgãos reguladores, universidades, organizações sem fins lucrativos, PME’s, associações comerciais e empresas farmacêuticas.

«O envolvimento do paciente na investigação biomédica é fundamental para melhores resultados de saúde», consideram os autores, num comunicado à Imprensa, esclarecendo que projeto pretende «preencher lacunas de conhecimento, definir como disponibilizar todas as ferramentas para aqueles que precisam delas, aumentar a consciencialização entre aqueles que pensam que não precisam delas e criar um roteiro sustentável para o envolvimento do paciente».

No final dos 30 meses de duração do projeto, os pacientes e investigadores terão acesso a uma estrutura que permite «o envolvimento estruturado, significativo, sustentável e ético do paciente ao longo dos três principais pontos de decisão do desenvolvimento de medicamentos: a definição das prioridades de investigação, o desenho de ensaios clínicos e o diálogo com os organismos reguladores».

Com o objetivo de facilitar e promover a participação do paciente no ciclo de vida dos medicamentos, 34 parceiros públicos e privados juntaram-se e lançaram a plataforma PARADIGM, financiada pela Iniciativa de Medicamentos Inovadores 

Para atingir esses objetivos ambiciosos, a PARADIGM está a unir forças com outros movimentos já existentes e vai organiza o Primeiro Fórum Aberto de Envolvimento do Paciente com a European Patient Academy on Therapeutic Innovation (EUPATI) e Patient Focussed Medicines Development (PFMD).

«O envolvimento do doente está a torna-se uma realidade e uma prática padrão que poderá ter um efeito realmente inovador na investigação biomédica, tornando-a mais focada nas necessidades das pessoas», diz Madga Chlebus, diretora executiva de Política Científica e Assuntos Regulatórios da EFPIA, na nota à Imprensa.

Mais informações

18tm15Q
13 de Abril de 2018
1815Pub6f18tm15Q

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 20.07.2018

Maioria dos médicos manifesta apoio aos chefes demissionários do Hospital d...

São já 157 os médicos da Urgência do Hospital de São José, em Lisboa, que assinaram uma carta em apo...

20.07.2018

Médicos sem especialidade podem vir a reforçar INEM

Os médicos que não conseguiram a especialidade por falta de vaga podem vir a reforçar o Instituto Na...

por Teresa Mendes | 19.07.2018

Secretária de Estado da Saúde «lança» projeto Exames Sem Papel

A partir de agosto será feita a massificação da desmaterialização do processo de requisição de meios...

19.07.2018

  Pacotes vão ter menos açúcar em 2020

A partir janeiro de 2020 vão deixar de ser produzidas doses individuais de açúcar que excedam os qua...

por Teresa Mendes | 19.07.2018

Doentes com acesso a canábis medicinal nas farmácias a partir de agosto

A Assembleia da República (AR) publicou esta quarta-feira, a Lei que regula a utilização de medicame...

por Teresa Mendes | 18.07.2018

Doentes paliativos passam a ter direitos consagrados na Lei

As pessoas em contexto de doença avançada e em fim de vida passam a ter direitos consagrados na legi...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.