CNECV volta a chumbar estatuto do «maior acompanhado»

por Teresa Mendes | 23.04.2018

Parecer diz que as reservas apontadas se mantêm
O Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida (CNECV) voltou a reprovar a proposta de lei do estatuto do «maior acompanhado».
O primeiro parecer ditava, no final de janeiro «reservas de natureza ética» que impediam a sua aprovação. Agora, num segundo parecer, o Conselho diz que «as reservas apontadas se mantêm».

Apesar de terem sido tomadas em conta algumas sugestões do CNECV ao texto anterior, «persistem as principais e muito relevantes reservas de natureza ética anteriormente apontadas», diz o novo parecer.

Entre as reservas apontadas estão a «caracterização insuficiente das situações de incapacidade diminuída»; a «ausência da definição de critérios» que permitam estabelecer a correspondência entre as diferentes situações em que se verificam limitações ao exercício pessoal e autónomo dos direitos e as concretas medidas a aplicar; ou a «distinção pouco nítida» quanto ao domínio de atuação autónoma no âmbito dos atos de natureza pessoal e das diferentes situações de índole patrimonial.

O CNECV aponta igualmente a «existência de ambiguidades que retiram coerência ao estatuto na perspetiva adotada, suscitadas pela terminologia “poderes do acompanhante”, quando o regime deveria focar-se na determinação do âmbito da limitação da autonomia do acompanhado e a melhor forma de assegurar a sua proteção».

O CNECV voltou a reprovar a proposta de lei do estatuto do «maior acompanhado». O primeiro parecer ditava, no final de janeiro «reservas de natureza ética» que impediam a sua aprovação. Agora, num segundo parecer, o Conselho diz que «as reservas apontadas se mantêm» 

Entre outros aspetos, o Conselho alerta também para a «indefinição» relativamente à situação de pessoa afetada por uma incapacidade antes de atingir a maioridade, «sendo conveniente prever-se uma avaliação pericial no momento em que a pessoa atinge a maioridade».

O parecer está disponível na íntegra aqui

18tm17C
23 de Abril de 2018
1817Pub2f18tm17C

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

29.07.2020

Quer o Senhor Ministro formar mais médicos sem as condições adequadas que g...

A plataforma para a formação médica em Portugal  manifesta o seu desagrado e discordância com as dec...

por Zózimo Zorrinho | 16.07.2020

COVID-19: Testes revelam presença de anticorpos em apenas 1,5% dos membros...

«A testagem de 2571 membros da comunidade académica da Universidade de Lisboa (ULisboa), mostrou a p...

14.07.2020

«Cardiologia»,  uma colecção para profissionais de saúde

«Cardiologia»,  é o título genérico de uma colecção para profissionais de saúde, lançada na próxima...

por Zózimo Zorrinho | 13.07.2020

Recomendação da vacinação antipneumocócica pela SPEDM

«Foi com enorme satisfação que o Movimento Doentes Pela Vacinação (MOVA) recebeu a notícia da recome...

por Zózimo Zorrinho | 13.07.2020

SPMI cria «Prémio Pedro Marques da Silva» 

20zz29a – TM – 2603 c.<br /> <br /> SPMI cria «Prémio Pedro Marques da Silva em Risco Cardiovascul...

por Zózimo Zorrinho | 02.07.2020

Filme «Saúde Digestiva by SPG»

A Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia (SPG) está a divulgar o filme «Saúde Digestiva by SPG».<b...

por Teresa Mendes | 30.06.2020

Miguel Pavão é o novo bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas 

 Miguel Pavão é novo bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas (OMD), sucedendo a Orlando Monteiro d...

por Teresa Mendes | 29.06.2020

Fnam teme colapso dos serviços de saúde durante previsível nova vaga de SAR...

A Federação Nacional dos Médicos (Fnam) está preocupada com a ausência de medidas concretas e urgent...

por Teresa Mendes | 26.06.2020

Portugal adquire dois milhões de vacinas contra a gripe

Portugal já garantiu a aquisição de dois milhões de vacinas contra a gripe, revelou esta quarta-feir...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.