«Coração Capaz»

03.05.2018

Sociedade Portuguesa de Cardiologia lança campanha
 
A propósito de «Maio, Mês do Coração», a Sociedade Portuguesa de Cardiologia (SPC) lança a campanha «Coração Capaz». O principal objetivo é alertar para o facto de as doenças cardiovasculares serem ainda responsáveis por 30% das mortes no nosso país.

«Um coração capaz é um coração que arrisca pela vida, mas não arrisca a vida!», lê-se na informação veiculada pela SPC, que salienta que a campanha pretende que seja cada vez maior a «consciencialização das pessoas para os riscos que correm ao tomar determinadas decisões no quotidiano que podem pôr em causa o bem-estar e a saúde cardiovascular».

Segundo a SPC, em Portugal, 55% das pessoas entre os 18 e os 79 anos têm pelo menos dois fatores de risco associados ao desenvolvimento de doenças do foro cardiovascular, «o que é verdadeiramente preocupante».

«Numa sociedade em que metade da população tem excesso de peso e o sedentarismo atinge níveis alarmantes é imperativo cultivar hábitos alimentares saudáveis, ao mesmo tempo que se incute uma cultura de exercício físico como parte integrante da rotina diária.

É igualmente fundamental que as pessoas entendam o perigo que o tabaco representa para a saúde, não só dos próprios fumadores, mas também de todos aqueles que diariamente inalam passivamente o fumo», observa a informação.

A prevalência da insuficiência cardíaca, que afeta 13% da população em Portugal com idade compreendida entre os 70 e os 79 anos, é também uma das prioridades da Cardiologia nacional. «Se nada for feito no sentido de contrariar a tendência para o aumento da patologia, em 2030 terá atingido mais 33% dos portugueses», diz o comunicado.

«Um coração capaz é um coração que arrisca pela vida, mas não arrisca a vida!» diz a campanha pretende que seja cada vez maior a «consciencialização das pessoas para os riscos que correm ao tomar determinadas decisões que podem pôr em causa o bem-estar e a saúde cardiovascular» 

A SPC adverte ainda que é fundamental que as pessoas saibam os riscos que correm e que reconheçam que «existem fatores de risco que lhes cabem evitar e controlar», nomeadamente o colesterol, a hipertensão arterial, o excesso de peso/obesidade, diabetes mellitus, alimentação, sedentarismo, tabagismo, consumo excessivo de álcool, consumo de drogas ou stress.
Segundo o organismo, «estes pequenos passos estão ao alcance de todos e podem fazer a diferença!».

O vídeo promocional da campanha pode ser visto aqui

Informações adicionais

18tm18K
03 de Maio de 2018
1818Pub5f18tm18K

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 24.05.2019

 Número de pessoas que morre sem cuidados paliativos pode duplicar em 2060

 O número de pessoas que morre sem acesso a cuidados paliativos pode duplicar em 2060.<br /> Segund...

por Teresa Mendes | 24.05.2019

Unidades de saúde mental forense não prisionais vão ter equipa clínica mult...

As unidades de saúde mental forense não prisionais vão passar a ter formalmente uma equipa clínica m...

por Teresa Mendes | 24.05.2019

Ordem cria Gabinete Nacional de Apoio ao Médico

Os médicos em burnout podem recorrer, a partir de hoje, dia 24 de maio, a um gabinete de apoio criad...

por Teresa Mendes | 24.05.2019

Palco será dado a quem vive a realidade da dor crónica de perto

O próximo dia 31 de maio será um dia de reflexão, onde o palco será dado a quem vive a realidade da...

por Teresa Mendes | 24.05.2019

O  ciclo de vida do medicamento explicado aos jovens

O Infarmed produziu um vídeo dirigido aos jovens, onde explica as etapas do ciclo de vida do medicam...

por Teresa Mendes | 24.05.2019

 Governo vai impulsionar criação de USF em contextos complexos 

O Governo está determinado a apoiar e impulsionar a criação de Unidades de Saúde Familiar (USF) em c...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.