Acordo «inédito e histórico no setor da saúde», diz ministro da Saúde

07.05.2018

Alargamento das 35 horas a todos os trabalhadores da saúde 
Sindicatos e Governo chegaram a acordo quanto ao alargamento das 35 horas de trabalho semanais a todos os trabalhadores a partir de janeiro e também quanto à possibilidade de progredir na carreira.
Serão mais de 20 mil os funcionários a ser abrangidos por estas medidas. 

O anúncio foi feito pelo ministro da Saúde à Lusa na passada sexta-feira, um dia depois de estes trabalhadores, com exceção dos médicos e dos enfermeiros, terem realizado uma greve de dois dias para reivindicar a aplicação do regime de 35 horas de trabalho semanais para todos, progressões na carreira e o pagamento de horas extraordinárias vencidas e não liquidadas.

«É um dos acordos mais relevantes, inédito e histórico no setor da saúde», disse Adalberto Campos Fernandes.

Contactado pela Lusa, o secretário-geral do Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública (Sintap), José Abraão, explicou que o acordo implica o estabelecimento, a partir de janeiro, de um horário de 35 horas semanais para todos os trabalhadores e a possibilidade de progredir na carreira.

«Chegamos a um acordo importante ao fim de sete anos de negociação que contempla as 35 horas de trabalho semanais para todos os trabalhadores a partir de janeiro e o direito à carreira e nela progredir», uma vez que «estes trabalhadores que não tinham carreira», adiantou José Abraão.

O dirigente sindical salientou igualmente que foi aberta pelo Governo uma «janela de oportunidade» para negociar que permitiu chegar a «este entendimento que vai beneficiar cerca de 20 mil trabalhadores» e «põe termo» a muitos anos de «discriminação e injustiças».

Sindicatos e Governo chegaram a acordo quanto ao alargamento das 35 horas de trabalho semanais a todos os trabalhadores a partir de janeiro e também quanto à possibilidade de progredir na carreira. Serão mais de 20 mil os funcionários a ser abrangidos por estas medidas 

O acordo alcançado, numa reunião entre os sindicatos e a secretária de Estado da Saúde, Rosa Valente de Matos, afasta a possibilidade de os trabalhadores da saúde voltarem a fazer greve ainda este mês como tinham anunciado na quinta-feira os sindicalistas.  

18tm19A
07 de Maio de 2018
1819Pub2f18tm19A

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 14.12.2018

USF Ilumina dá médico de família a 7200 utentes de S. Domingos de Rana

Foi hoje inaugurada a USF Ilumina, em São Domingos de Rana, numa cerimónia em que participaram o pre...

por Teresa Mendes | 14.12.2018

 Nova Lei de Bases da Saúde abre a porta à exclusividade no SNS

A proposta da Lei de Bases da Saúde, aprovada esta quinta-feira no Conselho de Ministros, abre a por...

por Teresa Mendes | 14.12.2018

 Enfermeiros pagos para continuar a fazer greve

O movimento de enfermeiros que recolhe fundos para a greve prolongada em blocos operatórios angariou...

por Teresa Mendes | 14.12.2018

Doenças respiratórias: Madeira tem maior taxa de mortalidade da Europa

O 13.º relatório do Observatório Nacional de Doenças Respiratórias (ONDR) mostra que as doenças resp...

13.12.2018

Marta Temido diz que «não abundam pediatras no país»

 O bastonário da Ordem dos médicos (OM) apelou esta quarta-feira à ministra da Saúde para que resolv...

13.12.2018

 “Grupo dos 44” quer voltar a ser ouvido sobre Lei de Bases da Saúde

Os 44 subscritores dos «Princípios Orientadores da Saúde para uma Lei de Bases da Saúde» querem ser...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.