Hospital dos Covões sem cirurgiões para o Serviço de Urgência

14.05.2018

Denúncia do Conselho Regional do Centro da Ordem dos Médicos
O Serviço de Urgência do Hospital dos Covões, que integra o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), «está sem capacidade de resposta em alguns turnos de Cirurgia», denunciou este domingo o Conselho Regional do Centro da Ordem dos Médicos (CRCOM). 

Numa nota à Imprensa o responsável alerta também para o risco de a equipa de Cirurgia do serviço «não conseguir sequer cumprir os requisitos mínimos» definidos pelo colégio de especialidade, a partir de junho.
«Já há dias em que a escala é constituída apenas por um especialista e um interno.

E, durante a noite, apenas está escalado um cirurgião», diz o presidente do CRCOM, Carlos Cortes, citado na nota, lembrando que o Colégio de Cirurgia da Ordem dos Médicos estabelece um número mínimo de três especialistas na equipa de cirurgia geral na urgência.

Para Carlos Cortes, o que se está a passar no Hospital dos Covões é «a destruição de um polo importante da saúde em Coimbra, que merecia ser valorizado».

No comunicado, o Conselho Regional adverte para «as graves irregularidades» no serviço de Cirurgia, pedindo ao Ministério da Saúde que «ponha cobro a esta situação alarmante».

«Esta é uma situação gravosa para os doentes. A inexistência de uma escala completa de cirurgiões na urgência deste hospital constitui uma ameaça para a população. Deixar de ter médicos para operar em situações urgentes ou emergentes não é digno de um serviço de urgência de um país civilizado», sublinha ainda Carlos Cortes, considerando que, pouco a pouco, «o Hospital dos Covões está a ser esvaziado das suas valências».

«Deixar de ter médicos para operar em situações urgentes ou emergentes não é digno de um serviço de urgência de um país civilizado», sublinha Carlos Cortes 

Segundo o responsável, a situação na urgência agravou-se agora «com a ausência de concurso para os dois cirurgiões recém-especialistas», o que poderá ter como resultado o não cumprimento dos requisitos mínimos já a partir de junho para o serviço de urgência daquele hospital.

18tm20D
14 de Maio de 2018
1820Pub2f18tm20D

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 15.10.2018

Ordens dos Médicos e dos enfermeiros apreensivas com mudança de ministro

Numa reação à substituição de Adalberto Campos Fernandes por Marta Temido na pasta da Saúde, o basto...

por Teresa Mendes | 15.10.2018

 Abertas as candidatura aos «Prémios Maratona da Saúde em Investigação Biom...

Estão abertas as candidaturas aos «Prémios Maratona da Saúde em Investigação Biomédica», uma iniciat...

por Teresa Mendes | 15.10.2018

Doentes críticos em risco no Hospital Fernando Fonseca 

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) alerta para a «situação de carência extrema de médicos no...

13.10.2018

Mais de metade dos portugueses sem acesso à Reumatologia nos hospitais públ...

Mais de metade dos portugueses (51,8%) não tem acesso a reumatologista nos hospitais públicos, exist...

por Teresa Mendes | 13.10.2018

Dívida dos hospitais às farmacêuticas atinge o valor mais alto de 2018

A dívida total dos hospitais públicos aos laboratórios farmacêuticos atingiu em agosto o valor mais...

11.10.2018

Primeiros testes rápidos são «marco histórico no combate à epidemia» do VIH

«Continuamos em Portugal a diagnosticar os doentes muito tardiamente», alertou o secretário de Estad...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.