Médicos dão «grito de revolta» contra a atual política de saúde

foto de "DR" ordemdosmedicos.pt | 15.05.2018

Bastonário lança apelo «à união de todos»
A Assembleia de Representantes da Ordem dos Médicos (OM), que congrega os representantes de todos os distritos médicos de Portugal, aprovou esta segunda-feira um documento que pretende ser «um grito de revolta» contra a atual política de Saúde, alegando que esta «não serve aos portugueses nem profissionais».

«É um grito de revolta dos médicos que sentem ser sua obrigação contribuir, de novo, para resgatar o Serviço Nacional de Saúde e recuperar as suas características genéticas», salienta o bastonário da Ordem dos Médicos.

O comunicado «Ser médico: As pessoas em primeiro – Defesa da equidade, dignidade e solidariedade» explica que os médicos se sentem-se «frustrados e revoltados por nem sempre conseguirem dar a resposta adequada e desejada às necessidades das pessoas, preservando a dignidade do ato médico e a segurança clínica, dado existirem falhas graves nas condições de trabalho».

«Há falhas que afetam o exercício da medicina e para as quais a Ordem dos Médicos tem vindo a alertar sucessivos governos e, em particular, o atual ministro da Saúde», refere José Santos, presidente da Assembleia de Representantes, numa informação à Imprensa divulgada no site da OM.

A falta de capital humano, a ausência de estruturas físicas minimamente adequadas ao exercício da profissão, a existência de equipamentos fora de prazo e sem a devida manutenção e a falta de dispositivos médicos e de materiais clínicos adequados são algumas das principais falhas apontadas.

Miguel Guimarães destaca no comunicado que «todos os médicos do País, trabalhem eles no setor público, privado ou social, através dos seus representantes, responsabilizam o ministro da Saúde por todos os atrasos e constrangimentos que afetaram os nossos doentes durante os dias de greve» e que «perante um ministro que já não se interessa pela Saúde dos portugueses, os médicos sentem-se totalmente legitimados para continuar a defender as pessoas e a sua dignidade.
Em todas as unidades de saúde, em todas as reuniões científicas, em todas as oportunidades».

«A partir deste momento justificam-se plenamente todas as formas de protesto e de intervenção construtiva que os médicos entendam levar a cabo», assevera por sua vez o presidente da Assembleia de Representantes, sublinhando a garantia de que «os médicos não vão ficar de braços cruzados perante uma injustiça sem precedentes que está a afetar de forma insidiosa os portugueses e os profissionais de saúde».

«Perante um ministro que já não se interessa pela Saúde dos portugueses, os médicos sentem-se totalmente legitimados para continuar a defender as pessoas e a sua dignidade. Em todas as unidades de saúde, em todas as reuniões científicas, em todas as oportunidades», salienta Miguel Guimarães 

«É nossa obrigação contribuir mais uma vez para resgatar o SNS e recuperar as suas características genéticas. Não vamos permitir que o Governo continue a desvalorizar a Saúde colocando-a num plano secundário e deixando-a entregue à gestão burocrática e economicista do Ministério das Finanças», conclui Miguel Guimarães, que lança um apelo «à união de todos os médicos e a uma participação robusta nos vários desafios que vamos ter pela frente».

O comunicado pode ser lido na íntegra aqui

18tm20E
15 de Maio de 2018
1820Pub3f18tm20E

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 15.10.2018

Ordens dos Médicos e dos enfermeiros apreensivas com mudança de ministro

Numa reação à substituição de Adalberto Campos Fernandes por Marta Temido na pasta da Saúde, o basto...

por Teresa Mendes | 15.10.2018

 Abertas as candidatura aos «Prémios Maratona da Saúde em Investigação Biom...

Estão abertas as candidaturas aos «Prémios Maratona da Saúde em Investigação Biomédica», uma iniciat...

por Teresa Mendes | 15.10.2018

Doentes críticos em risco no Hospital Fernando Fonseca 

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) alerta para a «situação de carência extrema de médicos no...

13.10.2018

Mais de metade dos portugueses sem acesso à Reumatologia nos hospitais públ...

Mais de metade dos portugueses (51,8%) não tem acesso a reumatologista nos hospitais públicos, exist...

por Teresa Mendes | 13.10.2018

Dívida dos hospitais às farmacêuticas atinge o valor mais alto de 2018

A dívida total dos hospitais públicos aos laboratórios farmacêuticos atingiu em agosto o valor mais...

11.10.2018

Primeiros testes rápidos são «marco histórico no combate à epidemia» do VIH

«Continuamos em Portugal a diagnosticar os doentes muito tardiamente», alertou o secretário de Estad...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.