CHUC rejeita falta de capacidade de resposta da Cirurgia dos Covões

foto de "DR" | 15.05.2018

Administração responde à Ordem dos Médicos
A administração do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) rejeita que a urgência do Hospital Geral (Covões) esteja sem capacidade de resposta da Cirurgia em alguns turnos, como denunciou este domingo a Ordem dos Médicos do Norte.

Em resposta à agência Lusa, a administração do CHUC garante que a segurança dos doentes não está em risco, «como se pode comprovar pelo total de cirurgiões incluídos nas escalas de urgência do CHUC, de que o polo Hospital Geral (Covões) faz parte».
«Também não está ameaçada face ao modo integrado como a Urgência do CHUC funciona», diz o comunicado.

Fernando Regateiro, presidente do conselho de administração do CHUC, alega que «as escalas das diversas especialidades são escalas da urgência polivalente do CHUC, independentemente da distribuição de tarefas ou locais de exercício». Ou seja, «os médicos de um polo hospitalar dão apoio a outros polos, pois este atendimento é integrado, e não visto em separado, independentemente da estrutura local de cada polo».

Segundo a administração do CHUC, o polo de urgência geral de adultos situado no Hospital Geral, aberto diariamente das 09h00 às 22h00, «é complementar ao polo central situado nos Hospitais da Universidade de Coimbra».

O comunicado salienta ainda que a urgência polivalente do CHUC se encontra dispersa fisicamente, integrando uma urgência geral de adultos com dois polos - Hospitais da Universidade de Coimbra e Hospital Geral (Covões) - uma urgência geral pediátrica e uma urgência obstétrica também com dois polos - Maternidade Bissaya Barreto e Maternidade Daniel de Matos.

«É este o enquadramento do serviço de urgência do CHUC e não outro, prévio à criação desta instituição», sublinha a nota à Imprensa.

Ainda segundo o conselho de administração, não se pode falar em rutura «quando na urgência do CHUC, globalmente considerada, existe um número de elementos acima do indicado, mesmo que haja uma falta pontual de um elemento em qualquer dos polos».

«No serviço à urgência de adultos do CHUC, podemos informar que a escala tipo na urgência externa é de nove médicos durante o dia (cinco especialistas e quatro internos) e de oito médicos (cinco especialistas e três internos) durante a noite, sem contabilizar os médicos de urgência interna», diz Fernando Regateiro, acrescentando que «este número, ainda que referente a dois polos, é muito relevante, mesmo para uma urgência polivalente de um hospital central».

Segundo Fernando Regateiro, não se pode falar em rutura «quando na urgência do CHUC, globalmente considerada, existe um número de elementos acima do indicado, mesmo que haja uma falta pontual de um elemento em qualquer dos polos»

Recorde-se que o Conselho Regional do Centro da Ordem dos Médicos (CRCOM), em nota de Imprensa enviada à agência Lusa, denunciou este domingo que o Serviço de Urgência do Hospital dos Covões estava sem capacidade de resposta em alguns turnos de cirurgia, alertando igualmente para o risco de a equipa «não conseguir sequer cumprir os requisitos mínimos» definidos pelo colégio de especialidade a partir de junho.


18tm20F
15 de Maio de 2018
1820Pub3f18tm20F

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 15.10.2018

Ordens dos Médicos e dos enfermeiros apreensivas com mudança de ministro

Numa reação à substituição de Adalberto Campos Fernandes por Marta Temido na pasta da Saúde, o basto...

por Teresa Mendes | 15.10.2018

 Abertas as candidatura aos «Prémios Maratona da Saúde em Investigação Biom...

Estão abertas as candidaturas aos «Prémios Maratona da Saúde em Investigação Biomédica», uma iniciat...

por Teresa Mendes | 15.10.2018

Programa ajuda médicos e população a tomar decisões criteriosas em saúde

 Os profissionais de saúde e a população portuguesa já podem contar com o programa «Choosing Wisely...

por Teresa Mendes | 15.10.2018

Doentes críticos em risco no Hospital Fernando Fonseca 

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) alerta para a «situação de carência extrema de médicos no...

13.10.2018

Mais de metade dos portugueses sem acesso à Reumatologia nos hospitais públ...

Mais de metade dos portugueses (51,8%) não tem acesso a reumatologista nos hospitais públicos, exist...

por Teresa Mendes | 13.10.2018

Dívida dos hospitais às farmacêuticas atinge o valor mais alto de 2018

A dívida total dos hospitais públicos aos laboratórios farmacêuticos atingiu em agosto o valor mais...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.