Médicos católicos alertam para «pressão» da eutanásia sobre doentes pobres e frágeis

por Teresa Mendes | foto de "DR" | 16.05.2018

Reunião com o bastonário da Ordem dos Médicos
A Associação dos Médicos Católicos Portugueses (AMCP) reiterou esta terça-feira, a oposição à legalização da eutanásia, matéria cuja discussão está agendada para o próximo dia 29 de maio na Assembleia da República (AR), considerando que «criaria uma enorme pressão sobre os doentes mais frágeis».

Num comunicado divulgado após uma reunião com o bastonário da Ordem dos Médicos (OM), a AMCP diz ter transmitido a Miguel Guimarães «preocupação» por esta lei colocar «doentes com doenças graves e incuráveis numa situação de enorme coação para pedirem a eutanásia».

«Seguramente, muitos doentes, de modo particular os mais pobres e frágeis, sentir-se-iam socialmente pressionados a requerer a eutanásia, porque se sentem a mais ou um fardo para a família e para a sociedade. Há um enorme risco de se criar um efeito de desmoralização nestes doentes, levando-os a desistir de viver», salienta a nota à Imprensa.

A associação afirma recear também que, com a legalização da eutanásia, se «desincentive o investimento nos serviços de saúde para a assistência aos doentes graves e terminais» e se «assista ao fenómeno de rampa deslizante».

A AMCP diz ter transmitido a Miguel Guimarães «preocupação» por esta lei colocar «doentes com doenças graves e incuráveis numa situação de enorme coação para pedirem a eutanásia»

«A experiência dos Estados que legalizaram a eutanásia revela que não é possível restringir essa legalização a situações raras e excecionais; o seu campo de aplicação passa gradualmente da doença terminal à doença crónica e à deficiência, da doença física incurável à doença psíquica dificilmente curável, da eutanásia consentida pela própria vítima à eutanásia consentida por familiares de recém-nascidos, crianças e adultos com deficiência ou com alterações profundas do estado de consciência», considera o presidente da associação e médico psiquiatra, Pedro Afonso.

A AMCP volta ainda a reforçar que a «prática médica é inconciliável com a prática da eutanásia», afirmando esperar que «a legalização da eutanásia seja rejeitada no próximo dia 29 de maio na Assembleia da República».

18tm20J
16 de Maio de 2018
1820Pub4f18tm20J

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 18.01.2019

Economista Márcia Roque é a nova presidente da ACSS

O Conselho de Ministros (CM) desta quinta-feira nomeou a economista Márcia Roque para presidente do...

por Teresa Mendes | 18.01.2019

 Portugal tem o maior rácio de médicos de MGF por habitante da UE

Portugal é o país da União Europeia (UE) com a maior taxa de especialistas de Medicina Geral e Famil...

18.01.2019

CHUC lança projeto «H2 – Humanizar o Hospital»

O Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) lança, no próximo dia 24, o projeto «H2 - Huma...

por Teresa Mendes | 18.01.2019

Daniel Ferro substitui Carlos Martins à frente do CHULN

Daniel Ferro, atual presidente do conselho de administração do Hospital Garcia de Orta, vai substitu...

por Teresa Mendes | 17.01.2019

Centro Hospitalar do Oeste está «refém de prestadores de serviço»

O Centro Hospitalar do Oeste (CHO) é a terceira unidade de saúde do país com maior volume de horas c...

por Teresa Mendes | 17.01.2019

Cancro digestivo mata uma pessoa a cada hora em Portugal

O cancro digestivo mata uma pessoa por hora em Portugal, uma doença que tem vindo a aumentar nos últ...

por Teresa Mendes | 16.01.2019

Governo quer melhorar os Serviços de Urgência

O Governo criou um grupo de trabalho para estudar os diferentes modelos organizativos no funcionamen...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.