Assinado acordo coletivo com técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica

foto de "DR" sns.gov.pt | 22.05.2018

Cerca de 4500 técnicos abrangidos
A secretária de Estado da Saúde, Rosa Valente de Matos, assinou esta segunda-feira, com as estruturas sindicais representativas dos técnicos superiores das áreas de diagnóstico e terapêutica (TSDT) um acordo coletivo de trabalho que se aplica a todos os trabalhadores destas carreiras que tenham vínculo de emprego público. No total, serão cerca de 4500 os técnicos abrangidos.

O acordo coletivo foi assinado com o Sindicato Nacional dos Técnicos Superiores de Saúde das Áreas de Diagnóstico e Terapêutica, o Sindicato dos Técnicos Superiores de Diagnóstico e Terapêutica, o Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública e de Entidades com Fins Públicos e o Sindicato dos Fisioterapeutas Portugueses, salienta uma nota à Imprensa.

O documento define as normas de organização do tempo de trabalho, os limites para o trabalho suplementar, o regime de prevenção a que estes técnicos estão sujeitos, assim como os chamados serviços mínimos.
O acordo estipula ainda os princípios gerais para formação profissional, segurança e saúde no trabalho.

Recorde-se que Rosa Valente de Matos já tinha assinado com estes sindicatos, no passado dia 2 de maio, um acordo coletivo de trabalho que procedeu à harmonização dos contratos individuais de trabalho e dos contratos em funções públicas, permitindo que, após 15 anos sobre a criação dos estabelecimentos SA, os TSDT tenham as mesmas condições, nomeadamente quanto ao horário de trabalho e regime remuneratório.

Em setembro de 2017 já tinham entrado em vigor dois decretos-leis que estabeleceram os regimes das carreiras aplicáveis aos técnicos superiores das áreas de diagnóstico e terapêutica, em regime de contrato individual de trabalho.

A secretária de Estado da Saúde assinou com as estruturas sindicais representativas dos técnicos superiores das áreas de diagnóstico e terapêutica (TSDT) um acordo coletivo de trabalho que se aplica a todos os trabalhadores destas carreiras que tenham vínculo de emprego público

«Com estes dois diplomas o Governo permitiu que estes técnicos dispusessem de um percurso comum de progressão profissional e de diferenciação técnico-científica, o que possibilita também a mobilidade interinstitucional, com harmonização de direitos e deveres», destaca o comunicado


18tm21H
22 de Maio de 2018
1821Pub3f18tm21H

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 24.09.2018

Abertas as candidaturas ao Prémio Artur Santos Silva da LPCC

Estão abertas, até ao próximo dia 19 de outubro, as candidaturas ao Prémio Nacional de Oncologia da...

por Teresa Mendes | 21.09.2018

7.ª Reunião da Vigilância Epidemiológica da Gripe em Portugal

O Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (Insa), em colaboração com a Direção-Geral da Saú...

por Teresa Mendes | 21.09.2018

 «Acesso à saúde é caro e tem de ser pago», alerta Teodora Cardoso

A presidente do Conselho das Finanças Públicas (CFP) alertou esta quinta-feira para a necessidade do...

por Teresa Mendes | 20.09.2018

 Portugueses têm «importantes lacunas no conhecimento sobre a doença cardio...

Um estudo publicado na mais recente edição da Revista Portuguesa de Cardiologia conclui que existem...

20.09.2018

 CE aprova Keytruda® em combinação com pemetrexedo e quimioterapia como 1.ª...

A MSD anunciou que a Comissão Europeia (CE) aprovou pembrolizumab (Keytruda®) em combinação com peme...

por Teresa Mendes | 20.09.2018

Governo autoriza concurso para o Centro Pediátrico do Hospital de São João

O conselho de administração do Centro Hospitalar Universitário de São João (CHUSJ) foi autorizado pe...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.