Falta de enfermeiros obriga HSM a fechar camas

23.05.2018

Ordem e sindicato dizem que situação acontece na maior parte dos hospitais
A saída de mais de 100 enfermeiros desde o início do ano obrigou agora o Hospital de Santa Maria (HSM), em Lisboa, a fechar camas e um setor de cirurgia.

O presidente do conselho de administração garante que não há risco para os doentes, mas o sindicato e a Ordem dos Enfermeiros estão preocupados com a situação, que dizem acontecer por todo o país.

«São atos normais de gestão», disse Carlos Martins à TSF, alegando que «não foi possível ter autorizações para os 100 enfermeiros» que pediram. «Tivemos metade, e isso obrigou-nos a ter algumas medidas para manter a segurança dos doentes à nossa responsabilidade, não aumentar nenhum risco e, também, para salvaguardar o exercício [de funções] dos nossos profissionais», argumentou.

O presidente do conselho de administração do HSM disse ainda ter a expectativa de, em breve, receber autorização, por parte dos recursos humanos, para contratar mais enfermeiros. «Assim que nos chegarem as autorizações, iremos fazer a reposição da organização tal qual ela estava antes da saída destes enfermeiros», assegurou o responsável.

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco, já tinha alertado para a falta crónica de profissionais, lembrando que a situação não se limita ao Hospital de Santa Maria. Segundo a dirigente, «há uma rutura completa, que já levou a Ordem dos Enfermeiros a enviar ofícios ao Presidente da República e ao primeiro-ministro».

Também o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) advertiu esta terça-feira que há vários hospitais que poderão vir a encerrar serviços porque o Governo não autoriza a contratação de enfermeiros.

A saída de mais de 100 enfermeiros obrigou o Hospital de Santa Maria, em Lisboa, a fechar camas e um setor de cirurgia. Carlos Martins garante que não há risco para os doentes, mas o sindicato e a Ordem dos Enfermeiros estão preocupados com a situação, que dizem acontecer por todo o país

Em declarações à agência Lusa, Guadalupe Simões, do SEP, disse que o que se está a acontecer no HSM está a passar-se na maior parte dos hospitais portugueses, como por exemplo no Hospital da Cova da Beira, no Centro Hospitalar do Porto e na Unidade Local de Matosinhos.

«O Santa Maria já encerrou um serviço de cirurgia, mas prevê-se que noutros hospitais possam vir a ser encerrados serviços resultado daquilo que é a não autorização do Ministério da Saúde e Ministério das Finanças de contratar enfermeiros», avançou a sindicalista.

18tm21K
23 de Maio de 2018
1821Pub4f18tm21K

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 22.05.2019

Apenas um quarto dos médicos consegue conciliar carreira com vida familiar

A grande maioria dos médicos que trabalha no Serviço Nacional de Saúde (73%) não consegue conciliar...

22.05.2019

 Infarmed conclui processos de financiamento para 22 novos fármacos

 A conclusão de processos de financiamento relativos a novos medicamentos (novas substâncias ativas...

22.05.2019

Fundadores do Observatório de Saúde António Arnaut  defendem transparência

O coordenador do Observatório de Saúde António Arnaut (OSAA) defendeu esta terça-feira, em Coimbra,...

por Teresa Mendes | 22.05.2019

 Encargos com as PPP da saúde aumentaram quase 30%

Os encargos líquidos com parcerias público-privadas (PPP) subiram 5% nos primeiros seis meses de 201...

por Teresa Mendes | 21.05.2019

Taxas de cesariana e de mortalidade materna e perinatal são os temas mais p...

Diogo Ayres de Campos, diretor do Serviço de Obstetrícia do Hospital de Santa Maria (Centro Hospital...

21.05.2019

Porto quer ser «Cidade Sem Sida» até 2020

 A Câmara Municipal do Porto e 22 instituições assinaram esta segunda-feira, dia 20 de maio, o proto...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.