OMS publica o top 10 das causas de morte

por Teresa Mendes | 25.05.2018

A doença isquémica do coração e o AVC continuam a ser os dois «maiores assassinos»
Das 56,9 milhões de mortes no mundo em 2016, mais de metade (54%) foram devidas a 10 principais causas. A doença isquémica do coração e o AVC continuam a ser os dois «maiores assassinos» dos últimos 15 anos, responsáveis por 15,2 milhões de óbitos, revela a Organização Mundial de Saúde.

Segundo um relatório, publicado esta quinta-feira, e que atualiza os dados de 2000, a doença pulmonar obstrutiva crónica atingiu 3 milhões de vidas, enquanto o cancro do pulmão (juntamente com o cancro da traqueia e brônquios) provocou 1,7 milhão de mortes.
A diabetes matou 1,6 milhão de pessoas em 2016 (menos de 1 milhão do que em 2000). Já as mortes por demências mais do que duplicaram entre 2000 e 2016, tornando-se a quinta causa mundial de morte, em comparação com a 14.ª em 2000.

As infeções respiratórias inferiores continuaram a ser a doença transmissível mais letal, causando 3 milhões de mortes em todo o mundo.
Quanto à taxa de mortalidade por doenças diarreicas, esta diminuiu em quase 1 milhão entre 2000 e 2016, mas ainda assim causou 1,4 milhões de óbitos. Da mesma forma, o número de mortes por tuberculose diminuiu durante o mesmo período, estando ainda entre as 10 principais causas com 1,3 milhões de mortes.

Por fim, as lesões na estrada mataram 1,4 milhão de pessoas em 2016, cerca de três quartos (74%) dos quais eram homens e crianças do sexo masculino.

A infeção por VIH/sida não está neste top 10, tendo provocado a morte a 1 milhão de pessoas em 2016, menos meio milhão do que em 2000.

As mortes por demências mais do que duplicaram entre 2000 e 2016, tornando-se a quinta causa mundial de morte, em comparação com a 14.ª em 2000 

Ainda de acordo com a OMS, «mais da metade de todas as mortes em países pouco desenvolvidos foram causadas por doenças transmissíveis, causas maternas, condições que surgem durante a gravidez e o parto e deficiências nutricionais». Em contraste, «menos de 7% das mortes nos países desenvolvidos foram devidas a essas causas». As infeções respiratórias inferiores foram uma das principais causas de morte em todos os países.

O relatório pode ser consultado aqui

18tm21R
25 de Maio de 2018
1821Pub6f18tm21R

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 13.09.2019

Pela primeira vez em seis meses, a dívida à Indústria Farmacêutica diminuiu

Pela primeira vez em seis meses, o valor da dívida dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS)...

por Teresa Mendes | 13.09.2019

Ordem celebra 80 anos com coleção de fac-similadas de autores médicos

 A Ordem dos Médicos (OM) convida todos os profissionais a vir conhecer, na próxima segunda-feira, d...

por Teresa Mendes | 13.09.2019

 Literacia em Saúde: DGS lança Manual para capacitação dos profissionais

No âmbito do Plano de Ação para a Literacia em Saúde 2019/2012, a Direção-Geral da Saúde (DGS) lanço...

por Teresa Mendes | 13.09.2019

 Demitem-se dez chefes de equipa de urgência do Hospital Garcia de Orta

Demitiram-se dez chefes de equipa de urgência do Hospital Garcia de Orta, em Almada, segundo a Socie...

por Teresa Mendes | 12.09.2019

 Porto recebe 1.º Encontro Nacional de Jovens Investigadores em Oncologia

<br />  No próximo dia 24 de setembro, Dia Mundial da Investigação em Cancro, decorre, no Porto, o...

por Teresa Mendes | 12.09.2019

 SPP recomenda aos médicos que reportem os casos suspeitos em Portugal

A Sociedade Portuguesa de Pneumologia (SPP) recomenda aos médicos que passem a comunicar os casos de...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.