Crianças portuguesas pesam menos

por Teresa Mendes | foto de "DR" | 25.05.2018

Estudo COSI confirma diminuição de excesso de peso e obesidade infantil em Portugal
Os mais recentes dados do estudo Childhood Obesity Surveillance Initiative (COSI), da Organização Mundial da Saúde-Europa, trazem boas notícias para Portugal: As prevalências de excesso de peso e obesidade infantil diminuíram no nosso país.

«Desde 2007, registou-se uma significativa diminuição na prevalência de excesso de peso e obesidade na Grécia, Itália, Portugal e Eslovénia», sublinha a investigação, cujos resultados foram apresentados na 11.ª reunião internacional do COSI, nos passados dias 22 e 23 de maio, em Viena.

Segundo a investigadora Ana Rita, que apresentou aos participantes da reunião o progresso positivo em Portugal entre 2008 e 2016, nos últimos anos, o nosso país «tem vindo a mostrar uma tendência invertida nas prevalências de excesso de peso e obesidade infantil, verificando-se uma redução de 7,2% (37,9% para 30,7%) e 3,6% (15,3% para 11,7%) nas respetivas prevalências». Esse decréscimo na prevalência de excesso de peso (incluindo obesidade) acontece em todas as regiões portuguesas, sendo mais acentuado na Região dos Açores (-15,6%), Lisboa e Vale do Tejo (-9,0%) e Centro (-8,1%).

Ainda de acordo com este documento da OMS-Europa, confirma-se que os países do sul da Europa continuam a ser aqueles em que se verificam as maiores prevalências de obesidade infantil, nomeadamente no Chipre, Espanha, Itália, Grécia e Malta. 

O estudo COSI tem como objetivo criar uma rede sistemática de recolha, análise, interpretação e divulgação de informação descritiva sobre as características do estado nutricional infantil de crianças dos 6 aos 8 anos, que se traduz num sistema de vigilância que produz dados comparáveis entre países da Europa e que permite a monitorização da obesidade infantil a cada 2-3 anos. Participam atualmente neste estudo 37 países da Região Europeia da OMS, constituindo-se este como maior estudo europeu da OMS com cerca de 300 mil crianças participantes.

Os mais recentes dados do estudo Childhood Obesity Surveillance Initiative (COSI), da Organização Mundial da Saúde-Europa, trazem boas notícias para Portugal: As prevalências de excesso de peso e obesidade infantil diminuíram no nosso país 

Em Portugal, o COSI é coordenado cientificamente pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, através do seu Departamento de Alimentação e Nutrição e em articulação com a Direção-Geral da Saúde, contando com a colaboração, a nível regional, de todas as Administrações Regionais de Saúde e ainda com as Direções Regionais de Saúde dos Açores e da Madeira, designadamente o Instituto de Administração da Saúde e Assuntos Sociais da Madeira. Portugal participa nesta iniciativa da OMS-Europa desde o seu início.

O estudo pode ser acedido aqui

18tm21S
25 de Maio de 2018
1821Pub6f18tm21S

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 06.12.2019

 EPE estavam em falência técnica no ano passado

Em 2018, metade dos hospitais EPE do país encontrava-se em falência técnica, segundo uma análise do...

06.12.2019

Chefes de cirurgia de Faro recusam fazer urgências a partir de 1 de janeiro

A partir de 1 de janeiro de 2020, os chefes de equipa de Cirurgia do Hospital de Faro vão deixar de...

por Teresa Mendes | 06.12.2019

 Sarampo matou mais de 140 mil pessoas no mundo em 2018

Em 2018, o sarampo foi responsável pela morte de mais de 140.000 pessoas, segundo novas estimativas...

por Teresa Mendes | 06.12.2019

«Não existem cigarros eletrónicos nem produtos de tabaco seguros»

«Não existem cigarros eletrónicos nem produtos de tabaco seguros, nomeadamente tabaco aquecido. Apre...

por Teresa Mendes | 05.12.2019

ADSE passa a ser tutelada pelo Ministério da Administração Pública

A ADSE já não é da tutela do Ministério da Saúde. Segundo o regime da organização e funcionamento do...

por Teresa Mendes | 05.12.2019

 Reduzir o colesterol mais cedo pode diminuir risco cardiovascular mais tar...

Reduzir os níveis de colesterol com medicamentos em pessoas com menos de 45 anos pode reduzir o risc...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.