Forma mais comum de cancro da mama não beneficia com quimioterapia

por Teresa Mendes | 04.06.2018

Estudo divulgado na reunião anual da Sociedade Americana de Oncologia Clínica
Afinal, a forma mais comum do cancro da mama não precisa de ser tratada com quimioterapia, uma vez que esse tratamento não afeta o prognóstico da doença.

Esta é a principal conclusão do maior estudo alguma vez realizado sobre o assunto, divulgado este fim-de-semana na reunião anual da Sociedade Americana de Oncologia Clínica, em Chicago.

A investigação, da Harvard Medical School, nos EUA, denominada TAILORx, concluiu que a maioria das mulheres vítimas do tipo mais comum de cancro da mama poderão não ter de se sujeitar a um tratamento com quimioterapia. 

Em termos práticos, refere Harold Burstein, professor associado de Universidade de Harvard, «isto significa que milhares de mulheres poderão evitar a quimioterapia, com todos os efeitos secundários que ela acarreta, conseguindo, ainda assim, excelentes resultados a longo prazo».

Já Arnie Purushotham, conselheiro clínico do Centro de Investigação Oncológica do Reino Unido, refere ao jornal britânico The Guardian que, «ao estratificar estas doentes com cancro da mama e ao perceber que apenas aquelas com os riscos mais elevados de reincidência precisam de receber quimioterapia, com base na genética do seu tumor, o TAILORx revela um grande potencial para garantir um tratamento mais suave sem comprometer a sua eficácia».

«O estudo mostra que a quimioterapia pode ser evitada em cerca de 70% destas mulheres, limitando a quimioterapia aos 30% que sabemos que podem beneficiar com ela», refere Joseph Sparano, diretor de investigação clínica do Centro de Cancro Albert Einstein 

O estudo avaliou os benefícios da quimioterapia em cerca de 10 mil mulheres, entre os 18 e os 75 anos, sendo cada um delas classificada com um valor entre 0 e 100 em função do risco de reincidência da doença nos 10 anos seguintes.
A esmagadora maioria ficou fora do intervalo em que a aplicação do tratamento provava ser uma mais-valia.

«O nosso estudo mostra que a quimioterapia pode ser evitada em cerca de 70% destas mulheres, limitando a quimioterapia aos 30% que sabemos que podem beneficiar com ela», refere ao mesmo jornal Joseph Sparano, diretor de investigação clínica do Centro de Cancro Albert Einstein, em Nova Iorque.

O estudo pode ser consultado aqui

18tm23B
04 de Junho de 2018
1823Pub2f18tm23B

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 22.08.2019

3.ª edição do workshop «O doente no centro da imunoterapia»

 A MSD realiza, no próximo dia 12 de outubro, na Sala Tejo do Altice Arena, em Lisboa, a 3.ª edição...

por Teresa Mendes | 22.08.2019

«A Idade do Amanhã – Desafios Éticos da Longevidade»

«A Idade do Amanhã – Desafios Éticos da Longevidade» O Conselho Nacional de Ética para as Ciências d...

por Teresa Mendes | 22.08.2019

 USF Extramuros inaugurada

Foi inaugurada, esta quinta-feira, a Unidade de Saúde Familiar (USF) Extramuros, em S. João da Talha...

por Teresa Mendes | 22.08.2019

Criação da Ordem dos Fisioterapeutas promulgada pelo Presidente da Repúblic...

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, promulgou a criação da Ordem dos Fisioterapeutas...

21.08.2019

Ministra da Saúde defende reorganização das maternidades no país

 A ministra da Saúde defendeu, esta terça-feira, uma reorganização das maternidades do País, reconhe...

por Carlos Mesquita | 10.07.2019

 20 anos do ATLS em Portugal

Artigo de Carlos Mesquita<br /> <br /> Os evidentes progressos das quatro últimas décadas em Portu...

por Teresa Mendes | 20.08.2019

Governo autoriza 22,5 milhões para a nova ala pediátrica

Uma Portaria publicada esta segunda-feira no Diário da República autoriza o Hospital de São João a «...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.