Fnam acusa atual tutela de «agravar más práticas» na gestão dos concursos médicos

06.06.2018

Publicação de mapa de vagas, vagas carenciadas e concurso para recém-especialistas atrasados
 «O atual Ministério da Saúde tem vindo a agravar as más práticas no que toca à gestão dos concursos para colocação de médicos nas várias fases da carreira, no Serviço Nacional de Saúde (SNS)», acusa a comissão executiva da Federação Nacional dos Médicos (Fnam), num comunicado que denuncia três «graves situações».

A primeira delas é o atraso na publicação do mapa de vagas para a escolha da especialidade (Concurso Internato Médico 2018), alertando o sindicato que «ao contrário dos últimos dois anos, em que os prazos estipulados foram cumpridos, observa-se agora o incumprimento do prazo definido no Regulamento do Internato Médico», que deveria ter sido até ao dia 31 de maio.

Por outro lado, também está atrasado o processo de identificação das vagas carenciadas para 2018. Este procedimento é realizado anualmente, no primeiro trimestre de cada ano, por despacho dos membros do Governo responsáveis pelas áreas das finanças e da saúde, contudo, salienta a Fnam, «até ao momento, a definição das vagas carenciadas encontra-se omissa».

«O atual Ministério da Saúde tem vindo a agravar as más práticas no que toca à gestão dos concursos para colocação de médicos nas várias fases da carreira, no Serviço Nacional de Saúde», acusa a comissão executiva da Federação Nacional dos Médicos 

Por fim, também a abertura de procedimento concursal para os recém-especialistas de 2018-A está «congelada».
Segundo o sindicato, é pública e assumida a necessidade de especialistas em determinadas áreas e, além disso, «os recém-especialistas já viram homologado o seu título de especialista e estão aptos para contratação».

A Fnam avisa que «a incerteza sobre o calendário de concursos constitui, lamentavelmente, um forte motivo de saída de jovens médicos do SNS», exigindo que «sejam apuradas responsabilidades pelo atraso na abertura de concursos».

18tm23J
06 de Junho de 2018
1823Pub4f18tm23J

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 13.12.2019

 «Assistimos hoje ao assassinato premeditado do modelo USF»

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) decidiu abandonar as reuniões da Comissão Técnica Naciona...

por Teresa Mendes | 13.12.2019

 «Premium Cataract Surgery 2020» debate técnicas cirúrgicas inovadoras

A Universidade do Minho organiza, no próximo dia 18 de janeiro de 2020, a conferência «Premium Catar...

13.12.2019

 Tecnologia criada no Porto ajuda médicos a identificar nódulos pulmonares

Investigadores do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TE...

por Teresa Mendes | 13.12.2019

 Marta Temido anuncia reforço de 800 milhões de euros para a Saúde em 2020

Foram várias as entidades que se congratularam publicamente pelo reforço de verbas para o Serviço Na...

por Teresa Mendes | 13.12.2019

55% dos doentes com doença crónica tem baixos níveis de literacia em saúde

«55% da população com doença crónica tem níveis inadequados de literacia em saúde», uma situação que...

por Teresa Mendes | 13.12.2019

Lançado Instituto Virtual de Fibromialgia

Foi lançado o Instituto Virtual de Fibromialgia, MyFibromyalgia®, uma ferramenta de intervenção clín...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.