«Legislação já permite comercialização de medicamentos contendo componentes ativos da canábis», diz CNECV

por Teresa Mendes | 06.06.2018

Conselho questiona «necessidade de legislação adicional»
O Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida (CNECV) desvaloriza toda a polémica em torno do uso terapêutico da canábis.
Para aquele organismo «é questionável a necessidade de legislação adicional nesta matéria», uma vez que «a legislação portuguesa já permite a comercialização de medicamentos contendo componentes ativos da canábis e o consequente acesso dos doentes a esses medicamentos».

Esta é uma das considerações que constam num parecer que é desfavorável aos projetos do PAN e BE, manifestando-se o CNECV contra o auto-cultivo da planta.

«Os projetos de lei, ao autorizarem o auto-cultivo da Cannabis sativa L., não têm em atenção que essa atividade está necessariamente desinserida dos procedimentos de regulação técnica e científica por parte da agência nacional (Infarmed), não ficando, por conseguinte, certificada a sua utilização terapêutica, o que é eticamente inaceitável», salienta o documento.

O CNECV desvaloriza toda a polémica em torno do uso terapêutico da canábis. Para aquele organismo «é questionável a necessidade de legislação adicional nesta matéria», uma vez que «a legislação portuguesa já permite a comercialização de medicamentos contendo componentes ativos da canábis e o consequente acesso dos doentes»

De qualquer forma, o CNECV sublinha que a legislação portuguesa já permite a comercialização de fármacos contendo canábis e o consequente acesso dos doentes aos mesmos, não vendo, por isso, justificação para a criação de uma nova lei só para estes produtos.

O parecer está disponível na íntegra para consulta aqui
 
18tm23K
06 de Junho de 2018
1823Pub4f18tm23K

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 24.06.2019

ANEM acusa Marta Temido de «enorme distanciamento da realidade»

A Associação Nacional dos Estudantes de Medicina (ANEM) «condena veementemente», numa carta aberta,...

por Teresa Mendes | 24.06.2019

Apifarma contra novas orientações para estudos de avaliação económica

A Apifarma está «veementemente» contra a proposta do Infarmed para alteração das Orientações Metodol...

por Teresa Mendes | 24.06.2019

 Taxas moderadoras nos centros de saúde vão acabar, mas de forma faseada

O fim das taxas moderadoras nos centros de saúde vai ser realizado de uma forma faseada, não entrand...

por Teresa Mendes | 24.06.2019

 «OSTEOGLUTIS» vence 3.ª Edição da Bolsa de Investigação em Mieloma Múltipl...

  «Tackling multiple myeloma by osteoblast cross regulation – OSTEOGLUTIS» é o nome do projeto vence...

por Teresa Mendes | 21.06.2019

14 recomendações dos doentes para o SNS

A Convenção Nacional da Saúde (CNS), que juntou mais de 160 instituições do setor, nesta terça-feira...

por Teresa Mendes | 21.06.2019

Campanha da DGS e IPDJ quer inspirar portugueses a praticar exercício físic...

 A Direção-Geral da Saúde (DGS) e o Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ), com o apoio...

por Teresa Mendes | 21.06.2019

USF modelo B passam a ter de fundamentar a aprovação da carga horária

O Ministério da Saúde quer combater as diferentes práticas e interpretações, em termos de horários d...

19.06.2019

Texto da nova Lei de Bases da Saúde fica sem referências às PPP

O grupo de trabalho que discute a nova Lei de Bases da Saúde no Parlamento chumbou esta terça-feira...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pinto conta com mais de 100 candi...

São mais de 100 as candidaturas recebidas pelo comité da 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pi...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.