Fracionamento do plasma português obtém visto do TC

por Teresa Mendes | 11.06.2018

Primeiros medicamentos derivados do plasma nacional serão entregues ao IPST em dezembro
O Tribunal de Contas (TC) concedeu o visto ao contrato resultante do concurso centralizado para aquisição de serviços de fracionamento do plasma português, tramitado pela Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, através do procedimento de Diálogo Concorrencial.

Este procedimento de contratação, inovador e complexo, permitiu que se fizesse uma aquisição pública mais vantajosa e, «pela primeira vez, Portugal terá plasma humano exclusivamente nacional, contribuindo para assegurar a autossuficiência do país, no que respeita aos produtos derivados do plasma humano e reduzindo, de forma significativa, os custos do Serviço Nacional de Saúde», salienta a SPMS num comunicado

Recorde-se que o Instituto Português do Sangue e Transplantação (IPST), entidade responsável por aproximadamente 60% da colheita de sangue nacional, atribuiu à SPMS o processo de contratação de serviços para fracionamento do plasma humano exclusivamente português, «tendo em conta a necessidade e a complexidade técnica dos bens e serviços a adquirir», diz ainda a nota à Imprensa.

Anteriormente, a aquisição desagregada e desarticulada de plasma humano, pelas diferentes instituições hospitalares utilizadoras do mesmo, incorria em custos elevados. 

A SPMS estima que o Ministério da Saúde obtenha uma «poupança na ordem dos 40% dos gastos com estes produtos, que se poderá traduzir no valor de 1 milhão de euros», embora o principal objetivo seja maximizar o plasma recolhido e, dessa forma, respeitar as dádivas voluntárias e não remuneradas

Através do procedimento de Diálogo Concorrencial (com os operadores interessados) a SPMS estima que o Ministério da Saúde obtenha uma «poupança na ordem dos 40 % dos gastos com estes produtos, que se poderá traduzir no valor de um milhão de euros», embora o principal objetivo seja maximizar o plasma recolhido e, dessa forma, respeitar as dádivas voluntárias e não remuneradas.

Ainda segundo a SPMS, «os primeiros medicamentos derivados do plasma nacional - albumina, imunoglobulina e fator VIII - serão entregues ao IPST em dezembro próximo», seguindo-se a distribuição aos serviços hospitalares utilizadores, a partir dessa data.

18tm24D
11 de Junho de 2018
1824Pub2f18tm24D

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 18.01.2019

Economista Márcia Roque é a nova presidente da ACSS

O Conselho de Ministros (CM) desta quinta-feira nomeou a economista Márcia Roque para presidente do...

por Teresa Mendes | 18.01.2019

 Portugal tem o maior rácio de médicos de MGF por habitante da UE

Portugal é o país da União Europeia (UE) com a maior taxa de especialistas de Medicina Geral e Famil...

18.01.2019

CHUC lança projeto «H2 – Humanizar o Hospital»

O Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) lança, no próximo dia 24, o projeto «H2 - Huma...

por Teresa Mendes | 18.01.2019

Daniel Ferro substitui Carlos Martins à frente do CHULN

Daniel Ferro, atual presidente do conselho de administração do Hospital Garcia de Orta, vai substitu...

por Teresa Mendes | 17.01.2019

Centro Hospitalar do Oeste está «refém de prestadores de serviço»

O Centro Hospitalar do Oeste (CHO) é a terceira unidade de saúde do país com maior volume de horas c...

por Teresa Mendes | 17.01.2019

Cancro digestivo mata uma pessoa a cada hora em Portugal

O cancro digestivo mata uma pessoa por hora em Portugal, uma doença que tem vindo a aumentar nos últ...

por Teresa Mendes | 16.01.2019

Governo quer melhorar os Serviços de Urgência

O Governo criou um grupo de trabalho para estudar os diferentes modelos organizativos no funcionamen...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.