DGS quer hospitais com programa de gestão de sangue do doente

13.06.2018

Norma enviada a todas as ARS, unidades hospitalares e profissionais de saúde
A Direção-Geral da Saúde determina que as instituições hospitalares devem constituir uma estrutura organizacional – Comissão Transfusional ou Grupo de Patient Blood Management (PBM) – que implemente, na cirurgia eletiva, um programa de gestão do sangue do doente.

Numa norma publicada esta segunda-feira, e dirigida aos conselhos diretivos das Administrações Regionais de Saúde, conselhos de administração das unidades hospitalares e profissionais de saúde, o organismo salienta que «a implementação de um programa de PBM deve ser planeado e coordenado a nível institucional adaptado às necessidades individuais de cada doente e deve incluir, preferencialmente, os seguintes profissionais de saúde: médicos imunohemoterapeutas, cirurgiões, anestesiologistas e intensivista».

Segundo o documento, esta estrutura organizacional, nomeada pelo conselho de administração, deve promover a formação do corpo clínico, de enfermagem e administrativo com recurso a material pedagógico e informativo sobre gestão do sangue do doente (PBM) e a sensibilização dos doentes com material informativo sobre a PBM. 

A equipa deve ainda promover as boas práticas no âmbito da gestão do sangue do doente (PBM) através da otimização da hematopoiese, da minimização da hemorragia e da gestão da tolerância à anemia no pré, intra e pós-operarório, bem como monitorizar todos os parâmetros de avaliação da gestão do sangue do doente na cirurgia eletiva e ainda auditar internamente os processos de gestão do sangue.

A Direção-Geral da Saúde determina que as instituições hospitalares devem constituir uma estrutura organizacional – Comissão Transfusional ou Grupo de Patient Blood Management (PBM) – que implemente, na cirurgia eletiva, um programa de gestão do sangue do doente 

«Embora Portugal não seja um dos países Europeus com maior consumo de sangue per capita, um programa de PBM é uma oportunidade para otimizar o consumo de sangue, melhorando o desempenho das unidades hospitalares», considera a DGS, lembrando que a implementação de um programa de PBM «poderá ter grande impacto ao nível do consumo de recursos, nomeadamente a redução da duração do internamento e da taxa de reinternamento, tornando os hospitais mais eficientes na gestão destes recursos».

A norma está disponível para consulta aqui

18tm24K
13 de Junho de 2018
1824Pub4f18tm24K

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 15.10.2018

Ordens dos Médicos e dos enfermeiros apreensivas com mudança de ministro

Numa reação à substituição de Adalberto Campos Fernandes por Marta Temido na pasta da Saúde, o basto...

por Teresa Mendes | 15.10.2018

 Abertas as candidatura aos «Prémios Maratona da Saúde em Investigação Biom...

Estão abertas as candidaturas aos «Prémios Maratona da Saúde em Investigação Biomédica», uma iniciat...

por Teresa Mendes | 15.10.2018

Programa ajuda médicos e população a tomar decisões criteriosas em saúde

 Os profissionais de saúde e a população portuguesa já podem contar com o programa «Choosing Wisely...

por Teresa Mendes | 15.10.2018

Doentes críticos em risco no Hospital Fernando Fonseca 

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) alerta para a «situação de carência extrema de médicos no...

13.10.2018

Mais de metade dos portugueses sem acesso à Reumatologia nos hospitais públ...

Mais de metade dos portugueses (51,8%) não tem acesso a reumatologista nos hospitais públicos, exist...

por Teresa Mendes | 13.10.2018

Dívida dos hospitais às farmacêuticas atinge o valor mais alto de 2018

A dívida total dos hospitais públicos aos laboratórios farmacêuticos atingiu em agosto o valor mais...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.