DGS quer hospitais com programa de gestão de sangue do doente

13.06.2018

Norma enviada a todas as ARS, unidades hospitalares e profissionais de saúde
A Direção-Geral da Saúde determina que as instituições hospitalares devem constituir uma estrutura organizacional – Comissão Transfusional ou Grupo de Patient Blood Management (PBM) – que implemente, na cirurgia eletiva, um programa de gestão do sangue do doente.

Numa norma publicada esta segunda-feira, e dirigida aos conselhos diretivos das Administrações Regionais de Saúde, conselhos de administração das unidades hospitalares e profissionais de saúde, o organismo salienta que «a implementação de um programa de PBM deve ser planeado e coordenado a nível institucional adaptado às necessidades individuais de cada doente e deve incluir, preferencialmente, os seguintes profissionais de saúde: médicos imunohemoterapeutas, cirurgiões, anestesiologistas e intensivista».

Segundo o documento, esta estrutura organizacional, nomeada pelo conselho de administração, deve promover a formação do corpo clínico, de enfermagem e administrativo com recurso a material pedagógico e informativo sobre gestão do sangue do doente (PBM) e a sensibilização dos doentes com material informativo sobre a PBM. 

A equipa deve ainda promover as boas práticas no âmbito da gestão do sangue do doente (PBM) através da otimização da hematopoiese, da minimização da hemorragia e da gestão da tolerância à anemia no pré, intra e pós-operarório, bem como monitorizar todos os parâmetros de avaliação da gestão do sangue do doente na cirurgia eletiva e ainda auditar internamente os processos de gestão do sangue.

A Direção-Geral da Saúde determina que as instituições hospitalares devem constituir uma estrutura organizacional – Comissão Transfusional ou Grupo de Patient Blood Management (PBM) – que implemente, na cirurgia eletiva, um programa de gestão do sangue do doente 

«Embora Portugal não seja um dos países Europeus com maior consumo de sangue per capita, um programa de PBM é uma oportunidade para otimizar o consumo de sangue, melhorando o desempenho das unidades hospitalares», considera a DGS, lembrando que a implementação de um programa de PBM «poderá ter grande impacto ao nível do consumo de recursos, nomeadamente a redução da duração do internamento e da taxa de reinternamento, tornando os hospitais mais eficientes na gestão destes recursos».

A norma está disponível para consulta aqui

18tm24K
13 de Junho de 2018
1824Pub4f18tm24K

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 14.12.2018

USF Ilumina dá médico de família a 7200 utentes de S. Domingos de Rana

Foi hoje inaugurada a USF Ilumina, em São Domingos de Rana, numa cerimónia em que participaram o pre...

por Teresa Mendes | 14.12.2018

 Nova Lei de Bases da Saúde abre a porta à exclusividade no SNS

A proposta da Lei de Bases da Saúde, aprovada esta quinta-feira no Conselho de Ministros, abre a por...

por Teresa Mendes | 14.12.2018

 Enfermeiros pagos para continuar a fazer greve

O movimento de enfermeiros que recolhe fundos para a greve prolongada em blocos operatórios angariou...

por Teresa Mendes | 14.12.2018

Doenças respiratórias: Madeira tem maior taxa de mortalidade da Europa

O 13.º relatório do Observatório Nacional de Doenças Respiratórias (ONDR) mostra que as doenças resp...

13.12.2018

Marta Temido diz que «não abundam pediatras no país»

 O bastonário da Ordem dos médicos (OM) apelou esta quarta-feira à ministra da Saúde para que resolv...

13.12.2018

 “Grupo dos 44” quer voltar a ser ouvido sobre Lei de Bases da Saúde

Os 44 subscritores dos «Princípios Orientadores da Saúde para uma Lei de Bases da Saúde» querem ser...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.