«Queremos taxas moderadoras inteligentes»

por Teresa Mendes | 20.06.2018

Maria de Belém apresenta texto de suporte à nova Lei de Bases da Saúde
«Queremos taxas moderadores inteligentes, que sejam capazes de acompanhar e de constituir um instrumento de política de saúde e que não contribuam para o empobrecimento da população e, por isso, prevemos a estipulação de um teto na regulamentação do regime que venha a acontecer», disse Maria de Belém Roseira na apresentação da pré-proposta da nova Lei de Bases da Saúde.

Apesentado esta terça-feira pela Comissão de Revisão da Lei de Bases da Saúde, o documento prevê um limite ao valor máximo das taxas moderadoras a pagar por cada prestação de cuidados de saúde e por ano, «para proteger os beneficiários de pagamentos excessivos», sublinhou a ex-ministra da Saúde e presidente da Comissão.

A dois dias do debate de um projeto do Bloco de Esquerda sobre o mesmo assunto, o ministro da Saúde disse hoje, na Comissão Parlamentar de Saúde, estar aberto ao diálogo e a eventuais mudanças no texto apresentado ontem por Maria de Belém. 

«Estamos abertos ao diálogo franco entre todas as entidades, o governo tem margem para discutir com os partidos», garantiu o Adalberto Campos Fernandes, demonstrando vontade de debater propostas polémicas do Bloco de Esquerda, como a indexação do financiamento na área a um valor fixo, independente do PIB, e o impedimento da existência de parcerias público-privadas na Saúde. «Temos que ter profissionais motivados» O texto elaborado pela Comissão prevê também o funcionamento das instituições em rede e que as carreiras dos profissionais de saúde assentem no mérito e na progressão através de provas públicas, com incentivos à produtividade.

Relativamente ao financiamento dos estabelecimentos e serviços de saúde, a proposta defende que seja feito através da contratualização, com vista à obtenção de «ganhos em saúde e mais qualidade na prestação» de cuidados.

Maria de Belém Roseira defendeu igualmente «uma gestão competente e qualificada», frisando que «o setor da saúde é extraordinariamente exigente, complexo, sofisticado e tem que ter os melhores profissionais».

«Temos que ter profissionais motivados, aos quais é reconhecido o mérito, e aos quais o Estado também proporciona formação adequada, não apenas colaborando numa formação pré-graduada, que os habilite com novas competências, com novas capacidades de comunicação e relação e também uma formação ao longo da vida», adiantou a antiga ministra da saúde, num encontro com jornalistas.

Relativamente ao financiamento do SNS, o texto diz que o mesmo deverá ser plurianual no planeamento dos recursos humanos, das infraestruturas e equipamentos e também deve visar uma aproximação relativamente ao financiamento médio per capita existente na União Europeia.

A nova Lei de Bases da Saúde prevê um limite ao valor máximo das taxas moderadoras a pagar por cada prestação de cuidados de saúde e por ano, «para proteger os beneficiários de pagamentos excessivos», sublinhou Maria de Belém Roseira 

«Este financiamento adicional deve ser canalizado para fazer acontecer aquilo para que a lei de bases aponta: integração de cuidados, reconhecimento do mérito, modernização dos sistemas de informação ao serviço dos modelos de funcionamento em rede», disse a responsável.

A proposta vai entrar agora em discussão pública até «meados de julho» e o documento final será entregue ao Governo na primeira quinzena de setembro, no aniversário do Serviço Nacional de Saúde.

18tm25i
20 de Junho de 2018
1825Pub4f18tm25i

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 24.09.2018

Abertas as candidaturas ao Prémio Artur Santos Silva da LPCC

Estão abertas, até ao próximo dia 19 de outubro, as candidaturas ao Prémio Nacional de Oncologia da...

24.09.2018

 Governo quer aumentar taxa sobre o açúcar nos refrigerantes

A taxa máxima do imposto sobre o açúcar nos refrigerantes pode aumentar de 16 para 20 euros por cada...

por Teresa Mendes | 21.09.2018

7.ª Reunião da Vigilância Epidemiológica da Gripe em Portugal

O Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (Insa), em colaboração com a Direção-Geral da Saú...

por Teresa Mendes | 21.09.2018

 «Acesso à saúde é caro e tem de ser pago», alerta Teodora Cardoso

A presidente do Conselho das Finanças Públicas (CFP) alertou esta quinta-feira para a necessidade do...

por Teresa Mendes | 20.09.2018

 Portugueses têm «importantes lacunas no conhecimento sobre a doença cardio...

Um estudo publicado na mais recente edição da Revista Portuguesa de Cardiologia conclui que existem...

20.09.2018

 CE aprova Keytruda® em combinação com pemetrexedo e quimioterapia como 1.ª...

A MSD anunciou que a Comissão Europeia (CE) aprovou pembrolizumab (Keytruda®) em combinação com peme...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.