Executivo estuda incentivos para diminuir faltas ao trabalho na Saúde

05.07.2018

Causa de absentismo que registou um maior aumento foi a ausência por greve
O Governo está a ponderar introduzir, ainda no próximo Orçamento do Estado, mecanismos para «incentivar a diminuição do absentismo e incentivar a presença no trabalho», em particular no setor da Saúde, avançou o ministro Adalberto Campos Fernandes, esta quarta-feira, na Comissão Parlamentar de Saúde (CSP).

O dirigente reconhece que as faltas ao trabalho no sector da saúde são mais significativas do que noutras áreas, chegando a atingir os 15% em alguns grupos profissionais do Serviço Nacional de Saúde (SNS).
«Num hospital que tenha 2000 enfermeiros, 15% são 300.

Faz toda a diferença», exemplifica o ministro da Saúde para justificar o trabalho conjunto «com o ministério das Finanças» para «encontrar mecanismos que façam com que este absentismo possa ser reduzido».

Adalberto Campos Fernandes explicou aos deputados que não se trata de faltas «relacionadas com doença ou maternidade» e disse esperar ter uma solução ainda antes da discussão do Orçamento de Estado para 2019.

Em 2017, as faltas ao trabalho dadas pelos profissionais de saúde totalizaram quase 3,8 milhões de dias, mais 2,4% do que no ano anterior.

De acordo com o mais recente Relatório Social do Ministério da Saúde, a maioria dos casos de absentismo ocorreu por doença (46,3%) e proteção na parentalidade (32,9%). Seguem-se os acidentes em serviço e doenças profissionais.

Mas, a causa de absentismo que registou um maior aumento em relação a 2016 foi a ausência por greve. Cresceram também as faltas injustificadas, com 21.048 dias perdidos.
Os enfermeiros foram o grupo profissional com maior número de ausências ao serviço, mas são também o grupo mais numeroso no SNS.

«Num hospital que tenha 2000 enfermeiros, 15% são 300. Faz toda a diferença», exemplifica o ministro da Saúde para justificar o trabalho conjunto «com o ministério das Finanças» para «encontrar mecanismos que façam com que este absentismo possa ser reduzido» 

Sobre a aplicação das 35 horas de trabalho semanal à área da Saúde, o ministro garantiu que quem for contratado, numa primeira fase, já em curso, terá contrato sem termo porque «corresponde a necessidades permanentes» dos serviços.
Contudo o ministro avisa que não será possível, este ano, contratar o número desejável de profissionais.

«Provavelmente não haverá condições orçamentais para recrutarmos este ano todo o universo de profissionais desejável», afirmou Adalberto Campos Fernandes, remetendo para o outono, depois de uma avaliação, a eventual contratação adicional de trabalhadores.

18tm27M
05 de Julho de 2018
1827Pub5f18tm27M

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

19.06.2019

Texto da nova Lei de Bases da Saúde fica sem referências às PPP

O grupo de trabalho que discute a nova Lei de Bases da Saúde no Parlamento chumbou esta terça-feira...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 «Na saúde não chega fazer muito... tem que se fazer bem»

«O sistema de saúde é complexo e não pode ser objeto de intervenções pouco pensadas, sujeitas a imed...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pinto conta com mais de 100 candi...

São mais de 100 as candidaturas recebidas pelo comité da 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pi...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 «Beyond Cervical Cancer» é o mote do «HPV Clinical Cases»

A MSD Portugal está a promover o «HPV Clinical Cases», uma iniciativa que tem como objetivo «reunir,...

por Teresa Mendes | 18.06.2019

Aumento da mortalidade materna e infantil são reflexo da falta de especiali...

A Ordem dos Médicos (OM) defende a necessidade de alterar urgentemente a forma e os prazos dos concu...

por Teresa Mendes | 18.06.2019

 Candidaturas ao Prémio Nacional de Saúde 2019 abertas até 30 de junho

Decorrem, até 30 de junho, as candidaturas Prémio Nacional de Saúde 2019.<br /> Este galardão atrib...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.