Consumo de anti-histamínicos «cresceu de forma significativa»

09.07.2018

Lisboa e Vale do Tejo é a região com consumo mais elevado
No Dia Mundial das Alergias, assinalado este domingo, o Infarmed revela que a venda deste tipo de medicamentos «cresceu de forma significativa, nos últimos anos», apesar de uma ligeira inversão da tendência em 2017.

Segundo dados avançados pela Autoridade Nacional do Medicamento, os portugueses compraram diariamente mais de 16 mil embalagens de anti-histamínicos no ano passado, em média, o que representa a dispensa de mais de seis milhões de embalagens dos fármacos usados para alívio das alergias.

Ainda de acordo com o Infarmed, em 2017, foram dispensadas 6.127.288 embalagens de anti-histamínicos, sendo os meses de janeiro a maio os que apresentam maior nível de consumo.

Apesar de no ano passado se ter registado um decréscimo ligeiro na utilização de anti-histamínicos, no período entre 2010 e 2017 o seu consumo foi quase sempre aumentando. 

Relativamente à despesa com estes fármacos, o organismo revela que esta diminuiu entre 2010 e 2013, tendo começado a crescer a partir de 2014, atingindo 31,5 milhões de euros no ano passado.

O crescimento da despesa entre 2014 e 2017 deve-se, segundo a Autoridade do Medicamento, à comparticipação de novos medicamentos, à maior utilização de substâncias ativas já comparticipadas e também ao recurso a anti-histamínicos não sujeitos a receita médica.

No Dia Mundial das Alergias, assinalado este domingo, o Infarmed revela que a venda deste tipo de medicamentos «cresceu de forma significativa, nos últimos anos», apesar de uma ligeira inversão da tendência em 2017 

Mais de 90% dos anti-histamínicos no mercado português são sujeitos a receita médica e 77% são comparticipados pelo Estado a 37%.

Em termos de análise regional, a tendência de consumo é comum a todas, mas Lisboa e Vale do Tejo destaca-se por apresentar consumos mais elevados por mil habitantes, enquanto o Centro é a que mostra menor consumo por mil habitantes.

18tm28C
09 de Julho de 2018
1828Pub2f18tm28C

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 19.07.2018

Secretária de Estado da Saúde «lança» projeto Exames Sem Papel

A partir de agosto será feita a massificação da desmaterialização do processo de requisição de meios...

19.07.2018

  Pacotes vão ter menos açúcar em 2020

A partir janeiro de 2020 vão deixar de ser produzidas doses individuais de açúcar que excedam os qua...

por Teresa Mendes | 19.07.2018

Doentes com acesso a canábis medicinal nas farmácias a partir de agosto

A Assembleia da República (AR) publicou esta quarta-feira, a Lei que regula a utilização de medicame...

por Teresa Mendes | 18.07.2018

Doentes paliativos passam a ter direitos consagrados na Lei

As pessoas em contexto de doença avançada e em fim de vida passam a ter direitos consagrados na legi...

por Teresa Mendes | 18.07.2018

«Mudar o Infarmed para o Porto é possível», diz António Araújo

O presidente do Conselho Regional do Norte da Ordem dos Médicos classificou esta terça-feira de «ego...

por Teresa Mendes | 17.07.2018

Poluição também provoca AVC, alertam especialistas

«Clean Air for Brain Health» é o tema escolhido pela World Federation of Neurology (WFN) para assina...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.