Hospital de São José está «em vias de extinção»

10.07.2018

Alerta do Sindicato dos Médicos da Zona Sul
A direção do Sindicato dos Médicos da Zona Sul (SMZS) solidariza-se com a «atitude corajosa» dos chefes de equipa do Hospital de São José de Lisboa, que se demitiram em protesto contra a degradação da qualidade assistencial do Serviço de Urgência.

Para aquela estrutura sindical, este é mais um reflexo de uma unidade que está destruída e «em vias de extinção».

«Um hospital secular, com tradição na qualidade da Medicina praticada, com grande escola clínica onde se formaram centenas de médicos ilustres, está transformado num hospital em vias de extinção», considera o SMZS num comunicado, acrescentando que para que isto acontecesse, «foram precisos 15 anos de destruição lenta e continuada dos hospitais deste grupo, levada a cabo por vários governos maioritários».

O sindicato lembra o encerramento do Hospital do Desterro e da Maternidade Magalhães Coutinho, bem como a unificação num único conselho de administração dos hospitais de Curry Cabral, de São José, dos Capuchos, de Santa Marta, de D. Estefânia e da Maternidade Alfredo da Costa.

O SMZS recorda ainda a transferência de toda a Urgência destes hospitais para o Hospital de São José e que, por exemplo, a Urgência de Psiquiatria daquele hospital tem sofrido «enormes constrangimentos de espaço físico e falta de pessoal diferenciado».

Para esta estrutura sindical, a política seguida pelos últimos governos «tem como único objetivo reduzir custos através do desmantelamento dos serviços de saúde públicos e sua entrega aos privados, fechando serviços e camas, não contratando pessoal médico, não abrindo vagas para internos e jovens especialistas, obrigando os médicos a trabalho extenuante, extraordinário e mal remunerado».

Estas políticas, «além de conduzirem à desmotivação do pessoal médico, colocam em causa a segurança dos utentes, como é denunciado pelos chefes de equipa demissionários do Hospital de São José», lê-se no comunicado.

«Um hospital secular, com tradição na qualidade da Medicina praticada, com grande escola clínica onde se formaram centenas de médicos ilustres, está transformado num hospital em vias de extinção», considera o SMZS 

Por fim, o SMZS informa que fez um apelo ao primeiro-ministro para a realização de negociações imediatas com os sindicatos.

18tm28F
10 de Julho de 2018
1828Pub3f18tm28F

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 23.04.2019

Manifesto da EFPIA reforça os benefícios das vacinas

«Construir uma Europa mais Saudável» é o título do manifesto criado pela Vaccines Europe, o grupo es...

por Teresa Mendes | 23.04.2019

SIM pondera convocar greve dos médicos do Instituto Nacional de Medicina Le...

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) pondera o «endurecimento das formas de luta», nomeadament...

por Teresa Mendes | 23.04.2019

APDIP reclama estatuto de doença crónica para as imunodeficiências primária...

Na semana mundial dedicada às imunodeficiências Primárias, que se assinala de 22 a 29 de abril, a As...

por Teresa Mendes | 22.04.2019

Instituto de Medicina Legal passa a realizar autópsias aos fins-de-semana e...

O Conselho de Ministros (CM) aprovou nesta quinta-feira a proposta de lei que permite ao Instituto N...

por Teresa Mendes | 22.04.2019

Fisioterapeutas contra regulamento do Acto Médico

A Associação Portuguesa de Fisioterapeutas (Apfisio) está contra o projeto de regulamento do Acto Mé...

por Teresa Mendes | 23.04.2019

Encontro internacional debate futuro do envelhecimento<br />  

A Academia Nacional de Medicina de Portugal (ANMP), o Science Advice for Policy by European Academie...

por Teresa Mendes | 22.04.2019

 Luís Martins Amaro nomeado novo presidente do Hospital Garcia de Orta

O actual diretor executivo do agrupamento de centros de saúde Almada-Seixal, Luís Manuel Martins Ama...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.