Hospital de São José está «em vias de extinção»

10.07.2018

Alerta do Sindicato dos Médicos da Zona Sul
A direção do Sindicato dos Médicos da Zona Sul (SMZS) solidariza-se com a «atitude corajosa» dos chefes de equipa do Hospital de São José de Lisboa, que se demitiram em protesto contra a degradação da qualidade assistencial do Serviço de Urgência.

Para aquela estrutura sindical, este é mais um reflexo de uma unidade que está destruída e «em vias de extinção».

«Um hospital secular, com tradição na qualidade da Medicina praticada, com grande escola clínica onde se formaram centenas de médicos ilustres, está transformado num hospital em vias de extinção», considera o SMZS num comunicado, acrescentando que para que isto acontecesse, «foram precisos 15 anos de destruição lenta e continuada dos hospitais deste grupo, levada a cabo por vários governos maioritários».

O sindicato lembra o encerramento do Hospital do Desterro e da Maternidade Magalhães Coutinho, bem como a unificação num único conselho de administração dos hospitais de Curry Cabral, de São José, dos Capuchos, de Santa Marta, de D. Estefânia e da Maternidade Alfredo da Costa.

O SMZS recorda ainda a transferência de toda a Urgência destes hospitais para o Hospital de São José e que, por exemplo, a Urgência de Psiquiatria daquele hospital tem sofrido «enormes constrangimentos de espaço físico e falta de pessoal diferenciado».

Para esta estrutura sindical, a política seguida pelos últimos governos «tem como único objetivo reduzir custos através do desmantelamento dos serviços de saúde públicos e sua entrega aos privados, fechando serviços e camas, não contratando pessoal médico, não abrindo vagas para internos e jovens especialistas, obrigando os médicos a trabalho extenuante, extraordinário e mal remunerado».

Estas políticas, «além de conduzirem à desmotivação do pessoal médico, colocam em causa a segurança dos utentes, como é denunciado pelos chefes de equipa demissionários do Hospital de São José», lê-se no comunicado.

«Um hospital secular, com tradição na qualidade da Medicina praticada, com grande escola clínica onde se formaram centenas de médicos ilustres, está transformado num hospital em vias de extinção», considera o SMZS 

Por fim, o SMZS informa que fez um apelo ao primeiro-ministro para a realização de negociações imediatas com os sindicatos.

18tm28F
10 de Julho de 2018
1828Pub3f18tm28F

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 19.07.2018

Secretária de Estado da Saúde «lança» projeto Exames Sem Papel

A partir de agosto será feita a massificação da desmaterialização do processo de requisição de meios...

19.07.2018

  Pacotes vão ter menos açúcar em 2020

A partir janeiro de 2020 vão deixar de ser produzidas doses individuais de açúcar que excedam os qua...

por Teresa Mendes | 19.07.2018

Doentes com acesso a canábis medicinal nas farmácias a partir de agosto

A Assembleia da República (AR) publicou esta quarta-feira, a Lei que regula a utilização de medicame...

por Teresa Mendes | 18.07.2018

Doentes paliativos passam a ter direitos consagrados na Lei

As pessoas em contexto de doença avançada e em fim de vida passam a ter direitos consagrados na legi...

por Teresa Mendes | 18.07.2018

«Mudar o Infarmed para o Porto é possível», diz António Araújo

O presidente do Conselho Regional do Norte da Ordem dos Médicos classificou esta terça-feira de «ego...

por Teresa Mendes | 17.07.2018

Poluição também provoca AVC, alertam especialistas

«Clean Air for Brain Health» é o tema escolhido pela World Federation of Neurology (WFN) para assina...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.