Hospital de São José está «em vias de extinção»

10.07.2018

Alerta do Sindicato dos Médicos da Zona Sul
A direção do Sindicato dos Médicos da Zona Sul (SMZS) solidariza-se com a «atitude corajosa» dos chefes de equipa do Hospital de São José de Lisboa, que se demitiram em protesto contra a degradação da qualidade assistencial do Serviço de Urgência.

Para aquela estrutura sindical, este é mais um reflexo de uma unidade que está destruída e «em vias de extinção».

«Um hospital secular, com tradição na qualidade da Medicina praticada, com grande escola clínica onde se formaram centenas de médicos ilustres, está transformado num hospital em vias de extinção», considera o SMZS num comunicado, acrescentando que para que isto acontecesse, «foram precisos 15 anos de destruição lenta e continuada dos hospitais deste grupo, levada a cabo por vários governos maioritários».

O sindicato lembra o encerramento do Hospital do Desterro e da Maternidade Magalhães Coutinho, bem como a unificação num único conselho de administração dos hospitais de Curry Cabral, de São José, dos Capuchos, de Santa Marta, de D. Estefânia e da Maternidade Alfredo da Costa.

O SMZS recorda ainda a transferência de toda a Urgência destes hospitais para o Hospital de São José e que, por exemplo, a Urgência de Psiquiatria daquele hospital tem sofrido «enormes constrangimentos de espaço físico e falta de pessoal diferenciado».

Para esta estrutura sindical, a política seguida pelos últimos governos «tem como único objetivo reduzir custos através do desmantelamento dos serviços de saúde públicos e sua entrega aos privados, fechando serviços e camas, não contratando pessoal médico, não abrindo vagas para internos e jovens especialistas, obrigando os médicos a trabalho extenuante, extraordinário e mal remunerado».

Estas políticas, «além de conduzirem à desmotivação do pessoal médico, colocam em causa a segurança dos utentes, como é denunciado pelos chefes de equipa demissionários do Hospital de São José», lê-se no comunicado.

«Um hospital secular, com tradição na qualidade da Medicina praticada, com grande escola clínica onde se formaram centenas de médicos ilustres, está transformado num hospital em vias de extinção», considera o SMZS 

Por fim, o SMZS informa que fez um apelo ao primeiro-ministro para a realização de negociações imediatas com os sindicatos.

18tm28F
10 de Julho de 2018
1828Pub3f18tm28F

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

19.06.2019

Texto da nova Lei de Bases da Saúde fica sem referências às PPP

O grupo de trabalho que discute a nova Lei de Bases da Saúde no Parlamento chumbou esta terça-feira...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 «Na saúde não chega fazer muito... tem que se fazer bem»

«O sistema de saúde é complexo e não pode ser objeto de intervenções pouco pensadas, sujeitas a imed...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pinto conta com mais de 100 candi...

São mais de 100 as candidaturas recebidas pelo comité da 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pi...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 «Beyond Cervical Cancer» é o mote do «HPV Clinical Cases»

A MSD Portugal está a promover o «HPV Clinical Cases», uma iniciativa que tem como objetivo «reunir,...

por Teresa Mendes | 18.06.2019

Aumento da mortalidade materna e infantil são reflexo da falta de especiali...

A Ordem dos Médicos (OM) defende a necessidade de alterar urgentemente a forma e os prazos dos concu...

por Teresa Mendes | 18.06.2019

 Candidaturas ao Prémio Nacional de Saúde 2019 abertas até 30 de junho

Decorrem, até 30 de junho, as candidaturas Prémio Nacional de Saúde 2019.<br /> Este galardão atrib...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.