TC recomenda financiamento dos hospitais «ajustado às necessidades efetivas da população»

por Teresa Mendes | foto de "dR" | 10.07.2018

Financiamento extraordinário para reduzir dívidas não está a produzir resultados esperados
O Tribunal de Contas (TC) recomenda os ministros da Saúde e das Finanças para que o financiamento atribuído às unidades hospitalares «seja adequado às necessidades efetivas da população» e que zelem para reduzir a acumulação de dívidas a fornecedores das unidades de saúde.
Até porque, alerta o TC, o financiamento extraordinário não está a produzir os resultados esperados.

Exemplo disso é a dívida do Centro Hospitalar de Lisboa Norte (CHLN) que, entre dezembro de 2016 e novembro de 2017, «cresceu ao ritmo de quase 7 milhões de euros por mês, superior ao verificado em qualquer outro período similar, desde 2014, denotando que os esforços para a recuperação económico-financeira do centro hospitalar, através de financiamento extraordinário, não estão a obter os resultados esperados», adverte o TC numa auditoria que desenvolveu às práticas de gestão naquele centro hospitalar e também no Centro Hospitalar de São João (CHSJ).

Estes reforços, entende o TC, têm sido feitos através de dotações de capital ou reforço de verbas destinados a pagamentos de dívidas aos fornecedores e «não têm contribuído para a redução da tendência de endividamento do Serviço Nacional de Saúde».

«Desempenho do CHSJ é mais favorável na generalidade dos indicadores»

A auditoria orientada às praticas de gestão, que analisou comparativamente as estruturas de gestão e os resultados obtidos pelos dois centros hospitalares, revela que «o desempenho do CHSJ é mais favorável na generalidade dos indicadores analisados».

O documento salienta que o CHSJ apresenta custos operacionais inferiores (menos 211 milhões de euros, ajustados por doente padrão, entre 2014 e 2016), e consegue produzir mais cuidados de saúde com as instalações e equipamentos de que dispõe (por exemplo, +65% (13) Ressonâncias Magnéticas e +74% (35) Tomografias Axiais Computorizadas, por equipamento, por dia). Os utentes do CHSJ esperaram, em média, menos tempo pela realização de consultas (-8 dias) e cirurgias (-28 dias).

O TC salienta o modelo de organização do CHS, assente há vários anos em estruturas intermédias de gestão.

«A maior autonomia destas estruturas permite uma atuação mais proactiva e relevante na gestão operacional face à que resulta da organização existente no CHLN», lê-se no relatório.

O Tribunal de Contas (TC) recomenda os ministros da Saúde e das Finanças para que o financiamento atribuído às unidades hospitalares «seja adequado às necessidades efetivas da população» e que zelem para reduzir a acumulação de dívidas a fornecedores das unidades de saúde

Também os sistemas de informação de gestão existentes no CHSJ «permitem um conhecimento mais rigoroso e “ao momento” dos custos operacionais e de estrutura, um conhecimento mais preciso das necessidades de financiamento e uma tomada de decisão mais oportuna e fundamentada».

Quanto ao financiamento, o TC revela que o CHLN recebeu do Estado, no triénio de 2014-2016, mais 213 milhões de euros do que o CHSJ (+23%) e que «parte substancial (19%, 221 milhões de euros) não teve contrapartida em cuidados de saúde prestados, servindo para financiar as ineficiências relativas do centro hospitalar na produção de cuidados de saúde, face à média, e a fazer face ao contínuo crescimento das dívidas a fornecedores».

O relatório completo pode ser acedido aqui

18tm28H
10 de Julho de 2018
1828Pub3f18tm28H

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 24.09.2018

Abertas as candidaturas ao Prémio Artur Santos Silva da LPCC

Estão abertas, até ao próximo dia 19 de outubro, as candidaturas ao Prémio Nacional de Oncologia da...

24.09.2018

 Governo quer aumentar taxa sobre o açúcar nos refrigerantes

A taxa máxima do imposto sobre o açúcar nos refrigerantes pode aumentar de 16 para 20 euros por cada...

por Teresa Mendes | 21.09.2018

7.ª Reunião da Vigilância Epidemiológica da Gripe em Portugal

O Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (Insa), em colaboração com a Direção-Geral da Saú...

por Teresa Mendes | 21.09.2018

 «Acesso à saúde é caro e tem de ser pago», alerta Teodora Cardoso

A presidente do Conselho das Finanças Públicas (CFP) alertou esta quinta-feira para a necessidade do...

por Teresa Mendes | 20.09.2018

 Portugueses têm «importantes lacunas no conhecimento sobre a doença cardio...

Um estudo publicado na mais recente edição da Revista Portuguesa de Cardiologia conclui que existem...

20.09.2018

 CE aprova Keytruda® em combinação com pemetrexedo e quimioterapia como 1.ª...

A MSD anunciou que a Comissão Europeia (CE) aprovou pembrolizumab (Keytruda®) em combinação com peme...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.