Falta de autonomia é responsável por «um terço da dívida acumulada» do CHLN

11.07.2018

Administrador responde às críticas apontadas pelo Tribunal de Contas
Na sequência de um relatório do Tribunal de Contas, que arrasa a política de gestão e as finanças do Centro Hospitalar de Lisboa Norte (CHLN), o presidente do conselho de administração (CA) responde que as críticas são «injustas» e que a falta de autonomia é responsável por «um terço da dívida acumulada».

«Nós não temos capacidade de decidir no momento. Não temos capacidade de negociação com os fornecedores e pagamos esse custo. Se nos dessem autonomia, por exemplo para contratos plurianuais na área da alimentação, conseguiríamos negociar melhor», disse Carlos Martins em entrevista à agência Lusa.

O responsável considera que a autonomia da gestão dos hospitais «permitiria tomar decisões em tempo útil», mas entende que a esse passo deve ser agregada a responsabilização dos gestores. Para o dirigente, «os contratos de gestão deviam ser anuais e feita depois a avaliação no trimestre seguinte e quem não cumprisse os objetivos devia ser afastado».

Mesmo para a contratação de pessoal, a falta de autonomia tem sido apontada como um entrave aos hospitais, uma vez que até os contratos de substituição de funcionários estão dependentes dos ministérios da Saúde e Finanças.

«As instituições têm de ter objetivos e contratos negociados e os gestores devem ser avaliados e, depois, removidos ou premiados em função da avaliação», disse ainda o responsável.

Recorde-se que segundo o relatório do Tribunal de Contas, o Centro Hospitalar de São João, no Porto, consegue produzir mais cuidados de saúde, com menos tempos de espera e com custos operacionais inferiores do que o CHLN.

O Tribunal identificou ainda que a dívida do CHLN cresceu quase sete milhões por mês em 2017, considerando que se encontrava em falência técnica em 2015 e 2016.

Na sequência de um relatório do Tribunal de Contas, que arrasa a política de gestão e as finanças do Centro Hospitalar de Lisboa Norte (CHLN), o presidente do conselho de administração (CA) responde que as críticas são «injustas» e que a falta de autonomia é responsável por «um terço da dívida acumulada» 

Carlos Martins considera, porém, que as conclusões do tribunal são «injustas» e estão «fora de contexto».
«O Centro Hospitalar de São João é uma unidade de referência para o país.

Teve uma liderança de 10 anos, estável, com rumo e continuidade ano após anos e que começou quando havia autonomia e capacidade financeira nas instituições.
Nós, em contraponto, tivemos três lideranças nos últimos 10 anos.
Foi aberta uma parceria público privada na nossa área de influência e perdemos 41,3% da nossa população. Continuámos com 100% dos custos e perdemos 41,3% dos 'clientes'», justificou o presidente do CA do CHLN à agência Lusa.

18tm28L
11 de Julho de 2018
1828Pub4f18tm28L

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 24.09.2018

Abertas as candidaturas ao Prémio Artur Santos Silva da LPCC

Estão abertas, até ao próximo dia 19 de outubro, as candidaturas ao Prémio Nacional de Oncologia da...

24.09.2018

 Governo quer aumentar taxa sobre o açúcar nos refrigerantes

A taxa máxima do imposto sobre o açúcar nos refrigerantes pode aumentar de 16 para 20 euros por cada...

por Teresa Mendes | 21.09.2018

7.ª Reunião da Vigilância Epidemiológica da Gripe em Portugal

O Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (Insa), em colaboração com a Direção-Geral da Saú...

por Teresa Mendes | 21.09.2018

 «Acesso à saúde é caro e tem de ser pago», alerta Teodora Cardoso

A presidente do Conselho das Finanças Públicas (CFP) alertou esta quinta-feira para a necessidade do...

por Teresa Mendes | 20.09.2018

 Portugueses têm «importantes lacunas no conhecimento sobre a doença cardio...

Um estudo publicado na mais recente edição da Revista Portuguesa de Cardiologia conclui que existem...

20.09.2018

 CE aprova Keytruda® em combinação com pemetrexedo e quimioterapia como 1.ª...

A MSD anunciou que a Comissão Europeia (CE) aprovou pembrolizumab (Keytruda®) em combinação com peme...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.