Falta de autonomia é responsável por «um terço da dívida acumulada» do CHLN

11.07.2018

Administrador responde às críticas apontadas pelo Tribunal de Contas
Na sequência de um relatório do Tribunal de Contas, que arrasa a política de gestão e as finanças do Centro Hospitalar de Lisboa Norte (CHLN), o presidente do conselho de administração (CA) responde que as críticas são «injustas» e que a falta de autonomia é responsável por «um terço da dívida acumulada».

«Nós não temos capacidade de decidir no momento. Não temos capacidade de negociação com os fornecedores e pagamos esse custo. Se nos dessem autonomia, por exemplo para contratos plurianuais na área da alimentação, conseguiríamos negociar melhor», disse Carlos Martins em entrevista à agência Lusa.

O responsável considera que a autonomia da gestão dos hospitais «permitiria tomar decisões em tempo útil», mas entende que a esse passo deve ser agregada a responsabilização dos gestores. Para o dirigente, «os contratos de gestão deviam ser anuais e feita depois a avaliação no trimestre seguinte e quem não cumprisse os objetivos devia ser afastado».

Mesmo para a contratação de pessoal, a falta de autonomia tem sido apontada como um entrave aos hospitais, uma vez que até os contratos de substituição de funcionários estão dependentes dos ministérios da Saúde e Finanças.

«As instituições têm de ter objetivos e contratos negociados e os gestores devem ser avaliados e, depois, removidos ou premiados em função da avaliação», disse ainda o responsável.

Recorde-se que segundo o relatório do Tribunal de Contas, o Centro Hospitalar de São João, no Porto, consegue produzir mais cuidados de saúde, com menos tempos de espera e com custos operacionais inferiores do que o CHLN.

O Tribunal identificou ainda que a dívida do CHLN cresceu quase sete milhões por mês em 2017, considerando que se encontrava em falência técnica em 2015 e 2016.

Na sequência de um relatório do Tribunal de Contas, que arrasa a política de gestão e as finanças do Centro Hospitalar de Lisboa Norte (CHLN), o presidente do conselho de administração (CA) responde que as críticas são «injustas» e que a falta de autonomia é responsável por «um terço da dívida acumulada» 

Carlos Martins considera, porém, que as conclusões do tribunal são «injustas» e estão «fora de contexto».
«O Centro Hospitalar de São João é uma unidade de referência para o país.

Teve uma liderança de 10 anos, estável, com rumo e continuidade ano após anos e que começou quando havia autonomia e capacidade financeira nas instituições.
Nós, em contraponto, tivemos três lideranças nos últimos 10 anos.
Foi aberta uma parceria público privada na nossa área de influência e perdemos 41,3% da nossa população. Continuámos com 100% dos custos e perdemos 41,3% dos 'clientes'», justificou o presidente do CA do CHLN à agência Lusa.

18tm28L
11 de Julho de 2018
1828Pub4f18tm28L

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 22.03.2019

 O polémico uso de exames com radiação nas doenças coronárias 

Numa altura em que a prevenção e tratamento das doenças cardiovasculares se reveste de maior importâ...

por Teresa Mendes | 22.03.2019

 Trofa Saúde Hospital abre dia 8 de abril em Loures

A primeira unidade no Sul do país do Grupo Trofa Saúde Hospital vai situar-se no LoureShopping, com...

por Teresa Mendes | 22.03.2019

 Três gerações vão organizar 40.º aniversário do SNS

O ex-diretor-geral da Saúde Francisco George, a subdiretora-geral da Saúde e administradora hospital...

por Teresa Mendes | 22.03.2019

 Após descida histórica, dívida dos hospitais volta a crescer

 Após uma descida histórica de quase 30% em dezembro passado, a dívida dos hospitais à indústria far...

21.03.2019

 Médicos alertam para rutura na Neonatologia da Maternidade Bissaya Barreto

O Sindicato dos Médicos da Zona Centro (SMZC) alertou esta quarta-feira para a rutura iminente no se...

21.03.2019

 Tutela estuda alargamento do cheque dentista a crianças menores de seis an...

O Ministério da Saúde está a estudar o alargamento dos cheques dentista a crianças menores de seis a...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.