AR recomenda ao Governo que implemente um plano de emergência para o SNS

por Teresa Mendes | 11.07.2018

Resoluções alertam para subfinanciamento das unidades de saúde
 Após o Tribunal de Contas ter alertado, esta terça-feira, os ministros da Saúde e das Finanças para o subfinanciamento dos hospitais, também a Assembleia da República (AR) recomenda ao Governo que «dote as unidades de saúde dos recursos orçamentais adequados às necessidades da população» e que implemente um plano de emergência para o Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Em três Resoluções publicadas hoje no Diário da República, a AR defende que o Executivo reforce o financiamento das unidades de saúde, considerando a modernização dos equipamentos e o alargamento da capacidade da resposta pública, bem como a melhoria da organização dos serviços.

Este plano de emergência inclui também o «reforço do investimento público», em particular quanto à requalificação e construção de centros de saúde e de hospitais, «especialmente em Évora, Seixal e Sintra, avançando rapidamente com os procedimentos necessários para a sua concretização», lê-se nas Resoluções.

A AR quer igualmente que o Governo identifique a carência de médicos, enfermeiros, técnicos de saúde e assistentes técnicos e operacionais e que «proceda à contratação dos necessários, substituindo as subcontratações e vínculos precários por contratações com vínculo público efetivo, como prevê o Orçamento do Estado para 2018».

A valorização dos profissionais de saúde no plano social, profissional e remuneratório, «melhorando as respetivas condições de trabalho, repondo direitos e dignificando as carreiras», é outro dos itens recomendados.

A «atribuição de médico de família a todos os utentes» e a implementação do enfermeiro de família até ao final da legislatura são medidas igualmente defendidas e consideradas emergentes.

AR recomenda reabertura de unidades de CSP de proximidade encerradas

A AR pede ainda ao Governo que «alargue as valências dos cuidados de saúde primários», incluindo dos meios complementares de diagnóstico e terapêutica mais comummente utilizados e que «reabra as unidades de proximidade encerradas, considerando as necessidades de saúde e as especificidades da população e do território».

Após o Tribunal de Contas ter alertado, esta terça-feira, os ministros da Saúde e das Finanças para o subfinanciamento dos hospitais, também a Assembleia da República recomenda ao Governo que «dote as unidades de saúde dos recursos orçamentais adequados às necessidades da população» e que implemente um plano de emergência para o Serviço Nacional de Saúde 

Por fim, a AR recomenda ao Executivo que «avance com a reorganização da rede hospitalar, na perspetiva do reforço de serviços, de valências e do número de camas, em articulação com os cuidados de saúde primários e continuados» e que «reduza os tempos de espera para consultas, cirurgias, tratamentos e exames de diagnóstico e terapêutica, assegurando a qualidade dos cuidados de saúde prestados em tempo útil e com segurança para os utentes».

As Resoluções podem ser consultadas aqui, aqui e aqui 

18tm28i
11 de Julho de 2018
1828Pub4f18tm28i

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 14.12.2018

USF Ilumina dá médico de família a 7200 utentes de S. Domingos de Rana

Foi hoje inaugurada a USF Ilumina, em São Domingos de Rana, numa cerimónia em que participaram o pre...

por Teresa Mendes | 14.12.2018

 Nova Lei de Bases da Saúde abre a porta à exclusividade no SNS

A proposta da Lei de Bases da Saúde, aprovada esta quinta-feira no Conselho de Ministros, abre a por...

por Teresa Mendes | 14.12.2018

 Enfermeiros pagos para continuar a fazer greve

O movimento de enfermeiros que recolhe fundos para a greve prolongada em blocos operatórios angariou...

por Teresa Mendes | 14.12.2018

Doenças respiratórias: Madeira tem maior taxa de mortalidade da Europa

O 13.º relatório do Observatório Nacional de Doenças Respiratórias (ONDR) mostra que as doenças resp...

13.12.2018

Marta Temido diz que «não abundam pediatras no país»

 O bastonário da Ordem dos médicos (OM) apelou esta quarta-feira à ministra da Saúde para que resolv...

13.12.2018

 “Grupo dos 44” quer voltar a ser ouvido sobre Lei de Bases da Saúde

Os 44 subscritores dos «Princípios Orientadores da Saúde para uma Lei de Bases da Saúde» querem ser...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.