Doentes com acesso a canábis medicinal nas farmácias a partir de agosto

por Teresa Mendes | 19.07.2018

Publicada Lei que regula a utilização da planta
A Assembleia da República (AR) publicou esta quarta-feira, a Lei que regula a utilização de medicamentos, preparações e substâncias à base da planta da canábis, para fins medicinais, nomeadamente a sua prescrição e dispensa em farmácia. A nova Lei entra em vigor no dia 1 de agosto.

Segundo o diploma  publicado no Diário da República, os medicamentos, preparações e substâncias à base da planta da canábis, «estão sempre sujeitos a autorização emitida pelo Infarmed», ficando definida a contribuição do Laboratório Militar de Produtos Químicos e Farmacêuticos para a sua produção.

A prescrição destes fármacos ou preparações será feita mediante receita médica especial, ficando ainda por aprovar o respetivo modelo e a sua adaptação à forma eletrónica.
Sabe-se já que a receita deve mencionar a identificação do utente e do médico, a identificação do medicamento, preparação e substância à base da planta da canábis a ser dispensado, a quantidade e posologia, assim como a via e modo de administração.

Contudo, o diploma salienta que a prescrição «apenas pode ser efetuada se os tratamentos convencionais não estiverem a produzir os efeitos esperados ou se estiverem a provocar efeitos adversos relevantes».

Estes fármacos passam a ser dispensados em farmácia, mediante apresentação da receita e depois de verificada a identidade do adquirente.

De acordo com a nova Lei, será competência do Infarmed «regular e supervisionar as atividades de cultivo, produção, extração e fabrico, comércio por grosso, distribuição às farmácias, importação e exportação, trânsito, aquisição, venda e entrega destes medicamentos ou preparações».

A Assembleia da República (AR) publicou esta quarta-feira, a Lei que regula a utilização de medicamentos, preparações e substâncias à base da planta da canábis, para fins medicinais, nomeadamente a sua prescrição e dispensa em farmácia. A nova Lei entra em vigor no dia 1 de agosto

Compete ainda à Autoridade Nacional do Medicamento aprovar as indicações terapêuticas consideradas apropriadas para os medicamentos, preparações e substâncias à base da planta da canábis destinadas a uso humano para fins medicinais.

Para a prossecução de todas estas funções de regulação e supervisão, o Governo concebe que pode ser criado dentro do Infarmed um gabinete específico sobre canábis medicinal.

18tm29N
19 de Julho de 2018
1829Pub5f18tm29N

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 15.10.2018

Ordens dos Médicos e dos enfermeiros apreensivas com mudança de ministro

Numa reação à substituição de Adalberto Campos Fernandes por Marta Temido na pasta da Saúde, o basto...

por Teresa Mendes | 15.10.2018

 Abertas as candidatura aos «Prémios Maratona da Saúde em Investigação Biom...

Estão abertas as candidaturas aos «Prémios Maratona da Saúde em Investigação Biomédica», uma iniciat...

por Teresa Mendes | 15.10.2018

Programa ajuda médicos e população a tomar decisões criteriosas em saúde

 Os profissionais de saúde e a população portuguesa já podem contar com o programa «Choosing Wisely...

por Teresa Mendes | 15.10.2018

Doentes críticos em risco no Hospital Fernando Fonseca 

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) alerta para a «situação de carência extrema de médicos no...

13.10.2018

Mais de metade dos portugueses sem acesso à Reumatologia nos hospitais públ...

Mais de metade dos portugueses (51,8%) não tem acesso a reumatologista nos hospitais públicos, exist...

por Teresa Mendes | 13.10.2018

Dívida dos hospitais às farmacêuticas atinge o valor mais alto de 2018

A dívida total dos hospitais públicos aos laboratórios farmacêuticos atingiu em agosto o valor mais...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.