«Espera-se vontade política», diz APMGF

por Teresa Mendes | 23.07.2018

Concursos para recém-especialistas estão novamente atrasados
 A pressão para que o Governo abra os concursos para recém-especialista é cada vez maior.
Na passada quarta-feira um grupo de 33 jovens médicos de Medicina Geral e Familiar da Região Centro tomou uma posição conjunta contra a demora e a Ordem dos Médicos (OM) e a Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF) juntam-se agora ao protesto.

«O ingresso de novos médicos de família no Serviço Nacional de Saúde deveria merecer a atenção do Ministério da Saúde e esperar-se-ia que fossem desenvolvidas medidas com competência e cumprimento da lei.
É necessário que os recém-especialistas integrem USF e assumam listas de utentes dimensionadas com racionalidade, de acordo com o contexto sociodemográfico e de exercício clínico. Espera-se vontade política», lamenta a APMGF num comunicado oficial sobre o assunto.

A APMGF reitera ainda a importância de ser feita uma planificação plurianual dos concursos de admissão de novos especialistas, com prazos claramente definidos por lei para a conclusão do processo, céleres e imediatamente a seguir à homologação das notas de cada uma das duas épocas anuais de exame final de internato.

Por outro lado, salienta o comunicado, «é fundamental que os colegas passem de imediato a ser remunerados como especialistas, uma vez que estão a trabalhar como tal e assumindo listas de utentes».

O bastonário da OM já disse, entretanto que «a Ordem vai dar conhecimento da situação ao Ministério da Saúde» e «exigir a abertura imediata dos concursos, dando cumprimento efetivo ao diploma que obriga a procedimento concursal para recrutamento de recém-especialistas em 30 dias após conclusão da especialidade, tal como aprovado esta quarta-feira no Parlamento».

«O ingresso de novos médicos de família no Serviço Nacional de Saúde deveria merecer a atenção do Ministério da Saúde e esperar-se-ia que fossem desenvolvidas medidas com competência e cumprimento da lei», lamenta a APMGF 

Carlos Cortes, presidente do Conselho Regional do Centro, reforça o apelo: «É urgente a abertura de concursos para garantir a capacidade de resposta dos cuidados de saúde. O papel destes médicos tem de ser devidamente valorizado e não pode continuar a existir este aproveitamento de funções.»

Recorde-se que o grupo de 35 recém-especialistas de Medicina Geral e Familiar (MGF) da região Centro alertava para a demora na abertura de concurso para recém-especialistas e para o facto de terem passado a «assumir as competências e responsabilidades de médicos especialistas», sem que «tenha sido atualizada a tabela remuneratória».

18tm30B
23 de Julho de 2018
1830Pub2f18tm30B

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 24.05.2019

 Número de pessoas que morre sem cuidados paliativos pode duplicar em 2060

 O número de pessoas que morre sem acesso a cuidados paliativos pode duplicar em 2060.<br /> Segund...

por Teresa Mendes | 24.05.2019

Unidades de saúde mental forense não prisionais vão ter equipa clínica mult...

As unidades de saúde mental forense não prisionais vão passar a ter formalmente uma equipa clínica m...

por Teresa Mendes | 24.05.2019

Ordem cria Gabinete Nacional de Apoio ao Médico

Os médicos em burnout podem recorrer, a partir de hoje, dia 24 de maio, a um gabinete de apoio criad...

por Teresa Mendes | 24.05.2019

Palco será dado a quem vive a realidade da dor crónica de perto

O próximo dia 31 de maio será um dia de reflexão, onde o palco será dado a quem vive a realidade da...

por Teresa Mendes | 24.05.2019

O  ciclo de vida do medicamento explicado aos jovens

O Infarmed produziu um vídeo dirigido aos jovens, onde explica as etapas do ciclo de vida do medicam...

22.05.2019

Fundadores do Observatório de Saúde António Arnaut  defendem transparência

O coordenador do Observatório de Saúde António Arnaut (OSAA) defendeu esta terça-feira, em Coimbra,...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.