Unidade é «a materialização de um sonho que era fundamental»

por Teresa Mendes | foto de www.sns.gov.pt | 31.07.2018

CHSJ inaugura Unidade de Cuidados Paliativos
Foi inaugurada esta segunda-feira a Unidade de Cuidados Paliativos do Hospital São João (CHSJ), no Porto.

O secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Fernando Araújo, presidiu à cerimónia de inauguração desta nova unidade que conta com 12 camas e um aumento de profissionais, nomeadamente enfermeiros e assistentes operacionais, que eleva para 40 o número de recursos humanos disponíveis no serviço.

Na ocasião, a diretora do Serviço de Cuidados Paliativos do CHSJ, Edna Gonçalves, salientou que a Unidade agora inaugurada «é a materialização de um sonho que era fundamental».

«O rácio definido pelo plano estratégico foi cumprido nesta unidade: além dos seis enfermeiros que já tínhamos, chegaram mais 15, temos nove assistentes operacionais quando não havia nenhum, passamos a ter também um assistente técnico e vamos aumentar o apoio de Psicologia e de assistência social.

Virá também mais uma médica que nos permitirá ter médico sete dias por semana, 12 horas por dia», salientou a responsável.

Ao todo serão cerca de 40 profissionais em todo o serviço, afirmou Edna Gonçalves, acrescentando que vão ser assistidos «doentes oncológicos e não oncológicos, com doenças neuromusculares, com demência em situação complexa, com insuficiência respiratória, cardíaca, hepática, hematológica e doentes transplantados, todo o tipo de doentes com doenças incuráveis».

O secretário de Estado Adjunto e da Saúde destacou o «momento histórico» da inauguração de «uma unidade para doentes altamente complexos, que vai servir de formação, de escola, a outros profissionais de saúde, que vai ser local de investigação» e que, acima de tudo, «vai dar uma resposta aos utentes e suas famílias numa área que é carenciada e na qual o Governo quer investir».

A diretora do Serviço de Cuidados Paliativos do CHSJ, Edna Gonçalves, salientou que a Unidade agora inaugurada «é a materialização de um sonho que era fundamental» 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que, anualmente, mais de 40 milhões de pessoas necessitem de cuidados paliativos em todo o mundo e reconhece a eficiência e custo-efetividade de diversas formas de organização de cuidados paliativos no alívio do sofrimento.

18tm31H
31 de Julho de 2018
1831Pub2f18tm31H

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 22.01.2019

Mortalidade infantil subiu 26% em 2018

A mortalidade infantil sofreu uma inversão de tendência e aumentou 26% em 2018, segundo dados provis...

por Teresa Mendes | 22.01.2019

Serviços de Urgência já estão a recusar doentes

Nas últimas semanas, alguns Serviços de Urgência (SU) tiveram que recusar doentes devido à sobrelota...

por Teresa Mendes | 22.01.2019

Alergia da expressão cutânea em debate

Vai decorrer, no próximo dia 23 de fevereiro, no Palácio da Lousã Boutique Hotel, a 6.ª Reunião Temá...

por Teresa Mendes | 22.01.2019

Internamentos por bronquiolites em crianças está a aumentar

A bronquiolite é responsável por dois em cada dez internamentos de crianças com menos de dois anos,...

21.01.2019

Resistência à vacinação entre as 10 maiores ameaças à saúde em 2019

A Organização Mundial da Saúde (OMS) elaborou um Top 10 dos assuntos mais preocupantes em 2019 e que...

por Teresa Mendes | 21.01.2019

 Candidaturas abertas ao Prémio Nacional de Diabetologia

Estão abertas as candidaturas, até ao próximo dia 1 de fevereiro, ao Prémio Nacional de Diabetologia...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.