Falta de recuperação de dívidas prejudica investimentos do IPST

por Teresa Mendes | 01.08.2018

Ministério da Saúde é o principal devedor
Uma auditoria do Tribunal de Contas (TC) revela que 93,3% das dívidas por cobrar do Instituto Português do Sangue e da Transplantação (IPST) são do próprio Estado, ascendendo a 77, 7 milhões de euros.
O Centro Hospitalar Lisboa Norte (CHLN) acumulou quase metade das dívidas totais.
No documento, o TC acusa o Ministério da Saúde de «tolerar» a situação, instando o IPST a recuperar os valores.

A falta de recuperação de dívida por parte IPST «prejudica os recursos financeiros» do instituto para realizar investimentos necessários na área do sangue e da transplantação e prejudica o erário público, destaca o relatório da auditoria realizada pelo TC que revela que as dívidas de terceiros ao IPST ascendiam a 83,3 milhões de euros, sendo que 93% (mais de 77 milhões) eram de instituições do Ministério da Saúde.

Uma auditoria do Tribunal de Contas (TC) revela que 93,3% das dívidas por cobrar do Instituto Português do Sangue e da Transplantação são do próprio Estado, ascendendo a 77, 7 milhões de euros 

No final de 2016 só o CHLN tinha uma dívida de 37,8 milhões de euros, representando quase metade da dívida total das instituições do Estado ao IPST, «com o conhecimento e tolerância do Ministério da Saúde».

Pelos factos, o TC recomenda ao ministro da Saúde e ao conselho diretivo da Administração Central do Sistema de Saúde que «assegure o cumprimento das obrigações de regularização de dívidas entre instituições do SNS, sem situações de exceção ou de tratamento diferenciado face ao cumprimento das regras de financiamento de cada instituição» e ao conselho diretivo do IPST que «proceda ao cálculo, débito e cobrança de juros de mora sobre dívidas vencidas» e que «implemente procedimentos sistemáticos que assegurem a cobrança tempestiva da receita e a recuperação da dívida vencida».

O relatório está disponível na íntegra aqui

18tm31K
01 de Agosto de 2018
1831Pub4f18tm31K

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 18.01.2019

Economista Márcia Roque é a nova presidente da ACSS

O Conselho de Ministros (CM) desta quinta-feira nomeou a economista Márcia Roque para presidente do...

por Teresa Mendes | 18.01.2019

 Portugal tem o maior rácio de médicos de MGF por habitante da UE

Portugal é o país da União Europeia (UE) com a maior taxa de especialistas de Medicina Geral e Famil...

18.01.2019

CHUC lança projeto «H2 – Humanizar o Hospital»

O Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) lança, no próximo dia 24, o projeto «H2 - Huma...

por Teresa Mendes | 18.01.2019

Daniel Ferro substitui Carlos Martins à frente do CHULN

Daniel Ferro, atual presidente do conselho de administração do Hospital Garcia de Orta, vai substitu...

por Teresa Mendes | 17.01.2019

Centro Hospitalar do Oeste está «refém de prestadores de serviço»

O Centro Hospitalar do Oeste (CHO) é a terceira unidade de saúde do país com maior volume de horas c...

por Teresa Mendes | 17.01.2019

Cancro digestivo mata uma pessoa a cada hora em Portugal

O cancro digestivo mata uma pessoa por hora em Portugal, uma doença que tem vindo a aumentar nos últ...

por Teresa Mendes | 16.01.2019

Governo quer melhorar os Serviços de Urgência

O Governo criou um grupo de trabalho para estudar os diferentes modelos organizativos no funcionamen...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.