Ordem alerta para falta de 700 enfermeiros para cumprir as 35 horas semanais

por Zózimo Zorrinho | 03.08.2018

Levantamento realizado pela OE
Um levantamento realizado pela Ordem dos Enfermeiros (OE) conclui que faltam contratar ainda 700 enfermeiros para que sejam cumpridas as 35 horas semanais.
Segundo a bastonária Ana Rita Cavaco, a contratação de 1000 enfermeiros anunciada pelo ministro da Saúde, é um «número insuficiente» para fazer face à redução do horário de trabalho.

«Do levantamento que nós fizemos, caso a caso, estimamos que cerca de mil [vagas] foram para enfermeiros. Para as 35 horas no país todo a Ordem tinha uma conta de 1700 enfermeiros que seria preciso contratar, portanto ainda falta», disse esta quinta-feira à Lusa Ana Rita Cavaco, à saída de uma reunião com o conselho de administração do Hospital de Cascais.
A bastonária afirmou ainda estar a aguardar uma «nova vaga de contratação» em setembro.

«Aquilo que o Ministério inicialmente disse é que em setembro haveria uma nova vaga de contratação. Estamos a aguardar para saber se isso vai acontecer porque, em setembro, também os hospitais retomam a sua produção original.
Em setembro é que se vai notar mais a questão das 35 horas», destacou.

Entretanto, Ana Rita Cavaco anunciou que a OE «convidou todos os sindicatos a sentarem-se à mesa» para avaliar os motivos para avançar com a greve agendada para 13 a 17 de agosto.

«Como foi apenas convocada [a greve] por dois dos sindicatos e existem mais, o que nós fizemos foi convidar todos os sindicatos do setor a sentarem-se à mesa, na Ordem [dos Enfermeiros], na próxima segunda-feira», informou a dirigente.

Um levantamento realizado pela Ordem dos Enfermeiros (OE) conclui que faltam contratar ainda 700 enfermeiros para que sejam cumpridas as 35 horas semanais. Segundo a bastonária Ana Rita Cavaco, a contratação de 1000 enfermeiros anunciada pelo ministro da Saúde, é um «número insuficiente» para fazer face à redução do horário de trabalho 

Recorde-se que a greve entre os dias 13 e 17 de agosto sob a forma de «paralisação total e com abandono do local de trabalho» foi convocada pelo Sindicato Independente Profissionais de Enfermagem (SIPE) e pelo Sindicato dos Enfermeiros (SE), na sexta-feira.

Segundo com o comunicado divulgado pelas duas estruturas sindicais, os sindicatos protestam pela não conclusão de um acordo coletivo de trabalho que contemple, entre outras matérias, a categoria de enfermeiro especialista, e reivindicam que «o Estado deve aos enfermeiros 13 anos, 7 meses e 25 dias nas progressões».  

18tm31T
03 de Agosto de 2018
1831Pub6f18tm31T

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

19.06.2019

Texto da nova Lei de Bases da Saúde fica sem referências às PPP

O grupo de trabalho que discute a nova Lei de Bases da Saúde no Parlamento chumbou esta terça-feira...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 «Na saúde não chega fazer muito... tem que se fazer bem»

«O sistema de saúde é complexo e não pode ser objeto de intervenções pouco pensadas, sujeitas a imed...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pinto conta com mais de 100 candi...

São mais de 100 as candidaturas recebidas pelo comité da 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pi...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 «Beyond Cervical Cancer» é o mote do «HPV Clinical Cases»

A MSD Portugal está a promover o «HPV Clinical Cases», uma iniciativa que tem como objetivo «reunir,...

por Teresa Mendes | 18.06.2019

Aumento da mortalidade materna e infantil são reflexo da falta de especiali...

A Ordem dos Médicos (OM) defende a necessidade de alterar urgentemente a forma e os prazos dos concu...

por Teresa Mendes | 18.06.2019

 Candidaturas ao Prémio Nacional de Saúde 2019 abertas até 30 de junho

Decorrem, até 30 de junho, as candidaturas Prémio Nacional de Saúde 2019.<br /> Este galardão atrib...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.