Ordem alerta para falta de 700 enfermeiros para cumprir as 35 horas semanais

por Zózimo Zorrinho | 03.08.2018

Levantamento realizado pela OE
Um levantamento realizado pela Ordem dos Enfermeiros (OE) conclui que faltam contratar ainda 700 enfermeiros para que sejam cumpridas as 35 horas semanais.
Segundo a bastonária Ana Rita Cavaco, a contratação de 1000 enfermeiros anunciada pelo ministro da Saúde, é um «número insuficiente» para fazer face à redução do horário de trabalho.

«Do levantamento que nós fizemos, caso a caso, estimamos que cerca de mil [vagas] foram para enfermeiros. Para as 35 horas no país todo a Ordem tinha uma conta de 1700 enfermeiros que seria preciso contratar, portanto ainda falta», disse esta quinta-feira à Lusa Ana Rita Cavaco, à saída de uma reunião com o conselho de administração do Hospital de Cascais.
A bastonária afirmou ainda estar a aguardar uma «nova vaga de contratação» em setembro.

«Aquilo que o Ministério inicialmente disse é que em setembro haveria uma nova vaga de contratação. Estamos a aguardar para saber se isso vai acontecer porque, em setembro, também os hospitais retomam a sua produção original.
Em setembro é que se vai notar mais a questão das 35 horas», destacou.

Entretanto, Ana Rita Cavaco anunciou que a OE «convidou todos os sindicatos a sentarem-se à mesa» para avaliar os motivos para avançar com a greve agendada para 13 a 17 de agosto.

«Como foi apenas convocada [a greve] por dois dos sindicatos e existem mais, o que nós fizemos foi convidar todos os sindicatos do setor a sentarem-se à mesa, na Ordem [dos Enfermeiros], na próxima segunda-feira», informou a dirigente.

Um levantamento realizado pela Ordem dos Enfermeiros (OE) conclui que faltam contratar ainda 700 enfermeiros para que sejam cumpridas as 35 horas semanais. Segundo a bastonária Ana Rita Cavaco, a contratação de 1000 enfermeiros anunciada pelo ministro da Saúde, é um «número insuficiente» para fazer face à redução do horário de trabalho 

Recorde-se que a greve entre os dias 13 e 17 de agosto sob a forma de «paralisação total e com abandono do local de trabalho» foi convocada pelo Sindicato Independente Profissionais de Enfermagem (SIPE) e pelo Sindicato dos Enfermeiros (SE), na sexta-feira.

Segundo com o comunicado divulgado pelas duas estruturas sindicais, os sindicatos protestam pela não conclusão de um acordo coletivo de trabalho que contemple, entre outras matérias, a categoria de enfermeiro especialista, e reivindicam que «o Estado deve aos enfermeiros 13 anos, 7 meses e 25 dias nas progressões».  

18tm31T
03 de Agosto de 2018
1831Pub6f18tm31T

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 27.03.2020

 Ordens da saúde pedem ao primeiro-ministro reforço da proteção dos profiss...

As ordens dos Médicos, dos Farmacêuticos e dos Enfermeiros enviaram esta quarta-feira uma carta aber...

por Teresa Mendes | 27.03.2020

Conselho de Escolas Médicas Portuguesas defende realização maciça de testes

O Conselho de Escolas Médicas Portuguesas (CEMP) defende o uso generalizado de máscaras pela comunid...

por Teresa Mendes | 27.03.2020

ARSLVT abre 35 áreas dedicadas à Covid-19 nos cuidados saúde primários

Atendendo ao alargamento progressivo da expressão geográfica da pandemia Covid-19 em Portugal, e ten...

por Teresa Mendes | 27.03.2020

Apifarma cria linha de apoio financeiro para profissionais de saúde

A Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica (Apifarma), em articulação com a Ordem dos Médicos...

por Teresa Mendes | 26.03.2020

 Internos de MGF pedem «suspensão de todos os estágios e formações hospital...

Os internos de Medicina Geral e Familiar (MGF) pedem, em comunicado conjunto das associações e comis...

por Teresa Mendes | 26.03.2020

 «Há outras vidas a salvar», alerta Carlos Cortes

Devido ao foco na pandemia por Covid-19, os doentes oncológicos «estão a ficar para trás» e a ativid...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.