Ordem alerta para falta de 700 enfermeiros para cumprir as 35 horas semanais

por Zózimo Zorrinho | 03.08.2018

Levantamento realizado pela OE
Um levantamento realizado pela Ordem dos Enfermeiros (OE) conclui que faltam contratar ainda 700 enfermeiros para que sejam cumpridas as 35 horas semanais.
Segundo a bastonária Ana Rita Cavaco, a contratação de 1000 enfermeiros anunciada pelo ministro da Saúde, é um «número insuficiente» para fazer face à redução do horário de trabalho.

«Do levantamento que nós fizemos, caso a caso, estimamos que cerca de mil [vagas] foram para enfermeiros. Para as 35 horas no país todo a Ordem tinha uma conta de 1700 enfermeiros que seria preciso contratar, portanto ainda falta», disse esta quinta-feira à Lusa Ana Rita Cavaco, à saída de uma reunião com o conselho de administração do Hospital de Cascais.
A bastonária afirmou ainda estar a aguardar uma «nova vaga de contratação» em setembro.

«Aquilo que o Ministério inicialmente disse é que em setembro haveria uma nova vaga de contratação. Estamos a aguardar para saber se isso vai acontecer porque, em setembro, também os hospitais retomam a sua produção original.
Em setembro é que se vai notar mais a questão das 35 horas», destacou.

Entretanto, Ana Rita Cavaco anunciou que a OE «convidou todos os sindicatos a sentarem-se à mesa» para avaliar os motivos para avançar com a greve agendada para 13 a 17 de agosto.

«Como foi apenas convocada [a greve] por dois dos sindicatos e existem mais, o que nós fizemos foi convidar todos os sindicatos do setor a sentarem-se à mesa, na Ordem [dos Enfermeiros], na próxima segunda-feira», informou a dirigente.

Um levantamento realizado pela Ordem dos Enfermeiros (OE) conclui que faltam contratar ainda 700 enfermeiros para que sejam cumpridas as 35 horas semanais. Segundo a bastonária Ana Rita Cavaco, a contratação de 1000 enfermeiros anunciada pelo ministro da Saúde, é um «número insuficiente» para fazer face à redução do horário de trabalho 

Recorde-se que a greve entre os dias 13 e 17 de agosto sob a forma de «paralisação total e com abandono do local de trabalho» foi convocada pelo Sindicato Independente Profissionais de Enfermagem (SIPE) e pelo Sindicato dos Enfermeiros (SE), na sexta-feira.

Segundo com o comunicado divulgado pelas duas estruturas sindicais, os sindicatos protestam pela não conclusão de um acordo coletivo de trabalho que contemple, entre outras matérias, a categoria de enfermeiro especialista, e reivindicam que «o Estado deve aos enfermeiros 13 anos, 7 meses e 25 dias nas progressões».  

18tm31T
03 de Agosto de 2018
1831Pub6f18tm31T

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 14.02.2020

Trabalho nas juntas médicas pode comprometer resposta ao coronavírus

Ordem dos Médicos, sindicatos e Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública estão preocupados c...

14.02.2020

Exportações em Saúde atingem um máximo histórico de 1,5 mil milhões de euro...

As exportações portuguesas em Saúde atingiram um novo recorde de cerca de 1,5 mil milhões de euros,...

por Teresa Mendes | 14.02.2020

 Governo aprova nova PPP no Hospital de Cascais

O Bloco de Esquerda (BE) considera que a decisão do Governo de avançar para uma nova parceria públic...

por Teresa Mendes | 14.02.2020

 Gabinete de segurança para profissionais de saúde coordenado por oficial d...

Foi publicado esta quinta-feira o despacho que cria o Gabinete de Segurança para a Prevenção e o Com...

por Teresa Mendes | 13.02.2020

 VIII Congresso Científico ANL debate preocupações da Medicina Laboratorial

Vai decorrer, nos dias 29 e 30 de maio, no Centro de Congresso de S. Rafael, no Algarve, o VIII Cong...

por Teresa Mendes | 13.02.2020

 Enfarte do miocárdio atinge 15 mil portugueses todos os anos

Nas vésperas do Dia Nacional do Doente Coronário, que se assinala a 14 de fevereiro, a Sociedade Por...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.