IPO de Lisboa regista aumento de quase 30% da produção científica

13.08.2018

Anuário da Atividade Científica 2017 já está disponível na internet
 O Anuário da Atividade Científica 2017 do Instituto Português de Oncologia (IPO) de Lisboa já pode ser consultado na intranet e na internet.

A sétima edição desta publicação confirma um crescimento entre os 25 e os 29% na produção científica desenvolvida por médicos, investigadores e outros profissionais de saúde.

O «crescimento traduz-se por um aumento do número de publicações – mais 134 – e de estudos – mais 59 – comparativamente ao ano de 2016, o que corresponde a um crescimento de 25% e 29%», conclui o documento que pode ser consultado em formato digital.

Carla Pereira, do Centro de Investigação, escreve o texto de enquadramento da atividade científica desenvolvida no IPO Lisboa, e Manuel Sobrinho Simões, professor emérito da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, é o autor da introdução.

«A publicação regular da produção científica desenvolvida no IPO Lisboa a partir da ligação do seu Centro de Investigação com os departamentos clínicos é, talvez, o meio mais poderoso de divulgação entre os profissionais e os aprendizes de profissional tanto do próprio Instituto, como de muitas outras instituições que se dedicam à investigação em Oncologia e ao tratamento de doentes oncológicos», salienta Sobrinho Simões no texto introdutório.

Em 2017 o IPO de Lisboa registou um aumento da produção científica desenvolvida por médicos, investigadores e outros profissionais de saúde na ordem dos 25-29%

Na opinião do diretor do Instituto de Patologia e Imunologia Molecular da Universidade do Porto, os anuários são também «um meio poderosíssimo de auxílio à formação desses profissionais, numa altura em que a chamada “medicina oncológica”, depois de bater no fundo da “precisão e dos big data”, está a regressar a modelos cada vez mais interessantes (e desafiantes) de “personalização” a nível diagnóstico e terapêutico».

O Anuário pode ser acedido na íntegra aqui

18tm33B
13 de Agosto de 2018
1833Pub2f18tm33B


Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 18.01.2019

Economista Márcia Roque é a nova presidente da ACSS

O Conselho de Ministros (CM) desta quinta-feira nomeou a economista Márcia Roque para presidente do...

por Teresa Mendes | 18.01.2019

 Portugal tem o maior rácio de médicos de MGF por habitante da UE

Portugal é o país da União Europeia (UE) com a maior taxa de especialistas de Medicina Geral e Famil...

18.01.2019

CHUC lança projeto «H2 – Humanizar o Hospital»

O Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) lança, no próximo dia 24, o projeto «H2 - Huma...

por Teresa Mendes | 18.01.2019

Daniel Ferro substitui Carlos Martins à frente do CHULN

Daniel Ferro, atual presidente do conselho de administração do Hospital Garcia de Orta, vai substitu...

por Teresa Mendes | 17.01.2019

Centro Hospitalar do Oeste está «refém de prestadores de serviço»

O Centro Hospitalar do Oeste (CHO) é a terceira unidade de saúde do país com maior volume de horas c...

por Teresa Mendes | 17.01.2019

Cancro digestivo mata uma pessoa a cada hora em Portugal

O cancro digestivo mata uma pessoa por hora em Portugal, uma doença que tem vindo a aumentar nos últ...

por Teresa Mendes | 16.01.2019

Governo quer melhorar os Serviços de Urgência

O Governo criou um grupo de trabalho para estudar os diferentes modelos organizativos no funcionamen...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.