IPO de Lisboa regista aumento de quase 30% da produção científica

13.08.2018

Anuário da Atividade Científica 2017 já está disponível na internet
 O Anuário da Atividade Científica 2017 do Instituto Português de Oncologia (IPO) de Lisboa já pode ser consultado na intranet e na internet.

A sétima edição desta publicação confirma um crescimento entre os 25 e os 29% na produção científica desenvolvida por médicos, investigadores e outros profissionais de saúde.

O «crescimento traduz-se por um aumento do número de publicações – mais 134 – e de estudos – mais 59 – comparativamente ao ano de 2016, o que corresponde a um crescimento de 25% e 29%», conclui o documento que pode ser consultado em formato digital.

Carla Pereira, do Centro de Investigação, escreve o texto de enquadramento da atividade científica desenvolvida no IPO Lisboa, e Manuel Sobrinho Simões, professor emérito da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, é o autor da introdução.

«A publicação regular da produção científica desenvolvida no IPO Lisboa a partir da ligação do seu Centro de Investigação com os departamentos clínicos é, talvez, o meio mais poderoso de divulgação entre os profissionais e os aprendizes de profissional tanto do próprio Instituto, como de muitas outras instituições que se dedicam à investigação em Oncologia e ao tratamento de doentes oncológicos», salienta Sobrinho Simões no texto introdutório.

Em 2017 o IPO de Lisboa registou um aumento da produção científica desenvolvida por médicos, investigadores e outros profissionais de saúde na ordem dos 25-29%

Na opinião do diretor do Instituto de Patologia e Imunologia Molecular da Universidade do Porto, os anuários são também «um meio poderosíssimo de auxílio à formação desses profissionais, numa altura em que a chamada “medicina oncológica”, depois de bater no fundo da “precisão e dos big data”, está a regressar a modelos cada vez mais interessantes (e desafiantes) de “personalização” a nível diagnóstico e terapêutico».

O Anuário pode ser acedido na íntegra aqui

18tm33B
13 de Agosto de 2018
1833Pub2f18tm33B


Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 22.05.2019

Apenas um quarto dos médicos consegue conciliar carreira com vida familiar

A grande maioria dos médicos que trabalha no Serviço Nacional de Saúde (73%) não consegue conciliar...

22.05.2019

 Infarmed conclui processos de financiamento para 22 novos fármacos

 A conclusão de processos de financiamento relativos a novos medicamentos (novas substâncias ativas...

22.05.2019

Fundadores do Observatório de Saúde António Arnaut  defendem transparência

O coordenador do Observatório de Saúde António Arnaut (OSAA) defendeu esta terça-feira, em Coimbra,...

por Teresa Mendes | 22.05.2019

 Encargos com as PPP da saúde aumentaram quase 30%

Os encargos líquidos com parcerias público-privadas (PPP) subiram 5% nos primeiros seis meses de 201...

por Teresa Mendes | 21.05.2019

Taxas de cesariana e de mortalidade materna e perinatal são os temas mais p...

Diogo Ayres de Campos, diretor do Serviço de Obstetrícia do Hospital de Santa Maria (Centro Hospital...

21.05.2019

Porto quer ser «Cidade Sem Sida» até 2020

 A Câmara Municipal do Porto e 22 instituições assinaram esta segunda-feira, dia 20 de maio, o proto...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.