Hipertensão é o principal problema de saúde dos utentes da ARSLVT

por Teresa Mendes | 14.08.2018

Alterações lipídicas, depressão e diabetes também ocupam lugares cimeiros
A hipertensão é o principal problema de saúde dos utentes dos cuidados de saúde primários da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT), seguido de perto pelas alterações do metabolismo lipídico, como é o caso do colesterol.

Esta é uma das principais conclusões do «Perfil Regional de Saúde 2017», divulgado esta segunda-feira pela ARSLVT.

Tendo por base os registos de morbilidade efetuados pelos médicos de família da ARSLVT em dezembro de 2016, o documento conclui que «21,1% da população da Região tem hipertensão e 17,8% possui alterações do metabolismo lipídico.

Em ambos os casos os valores são inferiores à média nacional, que se situa em 22,2% e em 21,3%, respetivamente».
Também quer num caso, quer no outro, as mulheres lideram o número de registos, com 22,6% versus 19,5% na hipertensão e 18,7% vs 16,8 no caso das alterações lipídicas.

«Estes dados revelam que o desempenho dos profissionais de saúde ao nível da prevenção, diagnóstico e tratamento das patologias crónicas se traduz num impacto positivo no “peso” que a morbilidade tem na população da Região, o que é de louvar e motivar», considerou Luís Pisco, presidente da ARSLVT, citado num comunicado à Imprensa.

Neste ranking regional, as restantes patologias que ocupam posições cimeiras são as perturbações depressivas, a diabetes e a obesidade, sempre numa proporção menor do que a nível nacional.

A hipertensão é o principal problema de saúde dos utentes dos cuidados de saúde primários da ARSLVT, seguido de perto pelas alterações do metabolismo lipídico, como é o caso do colesterol

Ou seja, as doenças do foro mental estão identificadas em 9,1% da população da ARSLVT, enquanto no país os registos ascendem a 10,4%.
Por sua vez, 7,1% dos utentes da ARSLVT têm diabetes e obesidade, contra os 7,8% e 8% nacionais.

Também aqui as mulheres apresentam números mais elevados, especialmente nas perturbações depressivas (13,7% vs 3,9%).
A exceção é feita na diabetes, onde há mais homens afetados pela doença (7,6% vs 6,6%).

No que diz respeito às doenças transmissíveis monitorizadas pelos médicos de Saúde Pública da ARSLVT, é salientada a tendência decrescente das taxas de incidência da sida, infeção por VIH e tuberculose, facto positivo para a saúde da Região. 

De 2004 a 2016, o número de novos casos de sida desceu de 15,1/100 mil habitantes para 4,2/100 mil habitantes, acompanhando a tendência nacional.

O mesmo aconteceu com a taxa de incidência da infeção por VIH, que no mesmo período desceu de 35,5/100 mil habitantes para 16,1/100 mil habitantes.

No caso da tuberculose, os valores passaram de 39,6/100 mil habitantes para 20,6/100 mil habitantes.

Apesar da tendência decrescente, o impacto destas patologias continua a ser importante na Região, tanto mais que são superiores à média nacional: 4,2 vs 2,6 no caso da sida,16 vs 10,1 no que toca à infeção por VIH e 20,6 vs 17,7 no que toca à tuberculose.

Recorde-se que o «Perfil Regional de Saúde» é um documento formulado pelo Departamento de Saúde Pública da ARSLVT, que se assume como Observatório Regional de Saúde Pública.

É também um instrumento de apoio à tomada de decisão técnica, político/estratégica e organizacional.
 
18tm33F
14 de Agosto de 2018
1833Pub3f18tm33F


Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 22.05.2019

Apenas um quarto dos médicos consegue conciliar carreira com vida familiar

A grande maioria dos médicos que trabalha no Serviço Nacional de Saúde (73%) não consegue conciliar...

22.05.2019

 Infarmed conclui processos de financiamento para 22 novos fármacos

 A conclusão de processos de financiamento relativos a novos medicamentos (novas substâncias ativas...

22.05.2019

Fundadores do Observatório de Saúde António Arnaut  defendem transparência

O coordenador do Observatório de Saúde António Arnaut (OSAA) defendeu esta terça-feira, em Coimbra,...

por Teresa Mendes | 22.05.2019

 Encargos com as PPP da saúde aumentaram quase 30%

Os encargos líquidos com parcerias público-privadas (PPP) subiram 5% nos primeiros seis meses de 201...

por Teresa Mendes | 21.05.2019

Taxas de cesariana e de mortalidade materna e perinatal são os temas mais p...

Diogo Ayres de Campos, diretor do Serviço de Obstetrícia do Hospital de Santa Maria (Centro Hospital...

21.05.2019

Porto quer ser «Cidade Sem Sida» até 2020

 A Câmara Municipal do Porto e 22 instituições assinaram esta segunda-feira, dia 20 de maio, o proto...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.