Imunoalergologia é a especialidade que mais notifica reações adversas a medicamentos

por Teresa Mendes | 18.08.2018

Infarmed compara RAM em Portugal: 1997 vs 2017 
Em 2017, a Imunoalergologia foi a especialidade médica que mais notificou reações adversas a medicamentos (RAM) (35%), seguida da Dermato-Venereologia (12%) e da Reumatologia (11%).

Os antineoplásicos são o grupo farmacêutico que mais provocou reações, sendo as mulheres mais afetadas, segundo um artigo publicado na 100.º edição do Boletim de Farmacovigilância do Infarmed.

Intitulado «Reações Adversas a medicamentos em Portugal 1997 vs 2017: Quem Notifica(va) o Quê?», o artigo compara o número de notificações adversas em 1997 vs 2017, concluindo que a Medicina Geral e Familiar, que liderava no estudo efetuado em 1997 com 72% das notificações, surge agora em 5.º lugar, com 7% das notificações comunicadas por médicos.

Em 1997, foram analisadas 243 notificações correspondentes a quase quatro anos e meio, enquanto só em 2017 foram submetidas diretamente por profissionais de saúde e utentes um total de 2650 notificações, salienta a publicação, lembrando que em 1997 apenas os médicos podiam notificar. 

Os número de 2017 revelam que os médicos são o grupo profissional que mais notifica (1201 notificações, 45% do total), seguidos pelos farmacêuticos com (894, 34%) e enfermeiros (235, 9%).
Os utentes fizeram 277 notificações (10%).

Os doentes que experienciaram RAM foram maioritariamente do sexo feminino (54%) e com idades compreendidas entre os 18 e 64 anos (40%).
Em 1993-97 o sexo feminino também era predominante (64%), mas o grupo etário envolvido num maior número de casos de RAM (33%) era o dos indivíduos com idade acima dos 65 anos.

As RAM mais frequentes, agrupadas por órgãos e sistemas envolvidos, foram as perturbações gerais ou relacionadas com o local de administração (31%), seguidas das cutâneas (28%) e das gastrointestinais e neurológicas (18% e 16%, respetivamente).
Não muito diferentemente, em 1993-97 a lista era encabeçada pelas reações cutâneas (39%), seguidas das gastrointestinais e neurológicas (ambas 13%).

Os três grupos farmacológicos suspeitos mais frequentes nas RAM de 2017 foram os antineoplásicos (13%), seguidos dos imunossupressores e dos antibióticos para uso sistémico, ambos com 11%, bem diferente do final do século passado, em que se destacavam os antibióticos (31%), os AINE (15%) e os anti-hipertensores (13%).

O artigo pode ser acedido na íntegra aqui  

18tm33N
17 de Agosto de 2018
1833Pub6f18tm33N

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 24.04.2019

Pneumonia: Mais de 50% dos doentes de risco não são aconselhados a vacinar-...

A pneumonia mata, em média, 23 pessoas por dia nos hospitais portugueses, mais do dobro da média eur...

por Teresa Mendes | 24.04.2019

Ministério da Saúde pede sindicância à Ordem dos Enfermeiros

A ministra da Saúde, Marta Temido, pediu à Inspeção-Geral das Atividades em Saúde (IGAS) para realiz...

por Teresa Mendes | 24.04.2019

 «Suspeição intolerável» 

 A ministra da Saúde, Marta Temido, considera uma «suspeição intolerável» do bastonário da Ordem dos...

por Teresa Mendes | 24.04.2019

 SESARAM continua a não registar assiduidade dos seus trabalhadores

Uma auditoria do Tribunal de Contas (TC) revelou, esta terça-feira, que o Serviço de Saúde da Região...

por Teresa Mendes | 23.04.2019

Encontro internacional debate futuro do envelhecimento<br />  

A Academia Nacional de Medicina de Portugal (ANMP), o Science Advice for Policy by European Academie...

por Teresa Mendes | 23.04.2019

Manifesto da EFPIA reforça os benefícios das vacinas

«Construir uma Europa mais Saudável» é o título do manifesto criado pela Vaccines Europe, o grupo es...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.