Salvar o Hospital do Litoral Alentejano é «uma obrigação do Governo de Portugal»

por Teresa Mendes | 20.08.2018

SIM denuncia «degradação na segurança dos cuidados prestados aos utentes»
O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) denuncia, num comunicado, a «degradação na segurança dos cuidados prestados aos utentes na Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano (ULSLA)» e pede ao ministro da Saúde que tenha em conta que a população residente no Litoral Alentejano «é constituída por seres humanos com os mesmos direitos que todos os outros».

Essa situação, que se tem verificado nos últimos anos, deve-se, segundo o sindicato, à «contínua diminuição de número de médicos, enfermeiros e assistentes operacionais» ao nível dos diversos serviços, facto que tem promovido o encerramento de camas nos serviços de Ortopedia, Medicina Interna, Unidade de Convalescença da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados, Unidade de Cuidados Pós-Cirúrgicos e Unidade de Cuidados Intensivos.

O Sindicato Independente dos Médicos denuncia a «degradação na segurança dos cuidados prestados aos utentes na Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano» e pede ao ministro da Saúde que tenha em conta que a população residente no Litoral Alentejano «é constituída por seres humanos com os mesmos direitos que todos os outros» 

Por outro lado, «a diminuta existência de profissionais de saúde não tem permitido a criação de uma equipa de emergência intra-hospitalar, obrigatória por lei, dificultando os cuidados de saúde aos doentes internados, sendo estes doentes tratados pela equipa médica da urgência que se encontra diminuída por si só», salienta o comunicado.

Também a redução diária das equipas de enfermagem na Urgência conjuntamente com a ausência de uma política de construção de equipas dedicadas ao transporte de doentes críticos inter-hospitalares e a redução do número de camas na unidade de cuidados intensivos, «tem afetado a capacidade da ULSLA em providenciar os devidos cuidados a população», alerta o SIM na nota à Imprensa

18tm34C
20 de Agosto de 2018
1834Pub2f18tm34C

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 14.06.2019

Rui Ivo volta a ser presidente do Infarmed

Rui Ivo é nomeado, pela segunda vez, presidente da direção do Infarmed.<br /> A nomeação do Conselh...

por Teresa Mendes | 14.06.2019

 Médicos estão cada vez mais receosos quando têm que denunciar insuficiênci...

Os profissionais de saúde têm «cada vez mais receio» de denunciar situações de insuficiências ou mau...

por Teresa Mendes | 14.06.2019

 IPO Lisboa apela à dádiva de sangue

No âmbito do Dia Mundial do Dador de Sangue, que se celebra esta sexta-feira, dia 14 de junho, o Ser...

14.06.2019

Taxas moderadoras nos centros de saúde com fim à vista

A proposta do Bloco de Esquerda que dita o fim das taxas moderadoras nos centros de saúde vai ser vo...

por Teresa Mendes | 12.06.2019

Médicos com alojamento assegurado para reforço de cuidados de saúde no verã...

 A Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve vai assegurar residência aos médicos que queiram...

por Teresa Mendes | 12.06.2019

Argumentos que pretendem proibir PPP na saúde «não são razoáveis»

Numa altura em que foi adiada a votação do artigo sobre as PPP da Lei de Bases da Saúde para o próxi...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.