Salvar o Hospital do Litoral Alentejano é «uma obrigação do Governo de Portugal»

por Teresa Mendes | 20.08.2018

SIM denuncia «degradação na segurança dos cuidados prestados aos utentes»
O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) denuncia, num comunicado, a «degradação na segurança dos cuidados prestados aos utentes na Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano (ULSLA)» e pede ao ministro da Saúde que tenha em conta que a população residente no Litoral Alentejano «é constituída por seres humanos com os mesmos direitos que todos os outros».

Essa situação, que se tem verificado nos últimos anos, deve-se, segundo o sindicato, à «contínua diminuição de número de médicos, enfermeiros e assistentes operacionais» ao nível dos diversos serviços, facto que tem promovido o encerramento de camas nos serviços de Ortopedia, Medicina Interna, Unidade de Convalescença da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados, Unidade de Cuidados Pós-Cirúrgicos e Unidade de Cuidados Intensivos.

O Sindicato Independente dos Médicos denuncia a «degradação na segurança dos cuidados prestados aos utentes na Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano» e pede ao ministro da Saúde que tenha em conta que a população residente no Litoral Alentejano «é constituída por seres humanos com os mesmos direitos que todos os outros» 

Por outro lado, «a diminuta existência de profissionais de saúde não tem permitido a criação de uma equipa de emergência intra-hospitalar, obrigatória por lei, dificultando os cuidados de saúde aos doentes internados, sendo estes doentes tratados pela equipa médica da urgência que se encontra diminuída por si só», salienta o comunicado.

Também a redução diária das equipas de enfermagem na Urgência conjuntamente com a ausência de uma política de construção de equipas dedicadas ao transporte de doentes críticos inter-hospitalares e a redução do número de camas na unidade de cuidados intensivos, «tem afetado a capacidade da ULSLA em providenciar os devidos cuidados a população», alerta o SIM na nota à Imprensa

18tm34C
20 de Agosto de 2018
1834Pub2f18tm34C

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 21.03.2019

Infarmed aprova utilização de canábis para sete indicações terapêuticas

São sete as indicações terapêuticas para a utilização de medicamentos à base de canábis medicinal au...

por Teresa Mendes | 21.03.2019

Contratação simplificada: Técnicos de diagnóstico e terapêutica também fica...

Não são só os médicos que se sentem discriminados por não serem contemplados no processo de contrata...

21.03.2019

 Médicos alertam para rutura na Neonatologia da Maternidade Bissaya Barreto

O Sindicato dos Médicos da Zona Centro (SMZC) alertou esta quarta-feira para a rutura iminente no se...

21.03.2019

 Tutela estuda alargamento do cheque dentista a crianças menores de seis an...

O Ministério da Saúde está a estudar o alargamento dos cheques dentista a crianças menores de seis a...

20.03.2019

 APMGF teme que consultas por telemóvel aumentem as desigualdades

O presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF) critica a nova ferramenta...

20.03.2019

OM quer reunião urgente com ministra após «nível de desprezo» inédito

A Ordem dos Médicos (OM) pediu esta terça-feira uma reunião com caráter de urgência à ministra da Sa...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.