Estudo reforça importância do consumo moderado de hidratos de carbono

por Zózimo Zorrinho | 20.08.2018

Investigação seguiu 15 mil pessoas durante 25 anos
 
Sabemos que o equilíbrio é fundamental em qualquer regime alimentar, facto reforçado por um estudo que seguiu durante 25 anos 15 mil pessoas com idades entre os 45 e os 64 anos.

Os resultados indicam que uma alimentação pobre em hidratos de carbono pode ser tão má para a saúde como o seu abuso e ambas as opções podem reduzir a esperança média de vida.

Intitulado «Dietary carbohydrate intake and mortality: a prospective cohort study and meta-analysis», o trabalho foi publicado na The Lancet Public Health e baseou-se em questionários sobre hábitos alimentares feitos.

Sabemos que o equilíbrio é fundamental em qualquer regime alimentar, facto reforçado por um estudo que seguiu durante 25 anos 15 mil pessoas com idades entre os 45 e os 64 anos. Os resultados indicam que uma alimentação pobre em hidratos de carbono pode ser tão má para a saúde como o seu abuso

A investigação liderado por Sara Seidelmann, do Brigham and Women’s Hospital, em Boston, nos Estados Unidos da América, indica que quem declarou consumos de hidratos de carbono considerados moderados viveu, em média, até quatro anos mais do que quem consumiu glícidos em quantidades definidas pelos investigadores como reduzidas e até dois anos mais do que quem abusou.

Os investigadores realçaram ainda que, em caso de redução do consumo de hidratos, a substituição por proteínas de origem vegetal é a opção mais saudável, por oposição ao consumo elevado de proteína animal, habitual na Europa e nas américas.

18tm34D
20 de Agosto de 2018
1834Pub2f18tm34D

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

12.12.2018

 Infarmed disponibiliza relatório anual sobre estatísticas do medicamento

A Autoridade Nacional do Medicamento divulgou esta terça-feira o seu relatório anual «Estatística do...

por Teresa Mendes | 12.12.2018

Conselho das Finanças Públicas alerta para «restrições efetivas no acesso»...

«Considerando que Portugal possui um sistema nacional de saúde com cobertura automática e integral d...

12.12.2018

Ordem dos Médicos pede «exceção» para operar crianças 

A Ordem dos Médicos (OM) defendeu esta terça-feira, no final de uma reunião com os diretores clínico...

por Teresa Mendes | 11.12.2018

Equipa dedicadas nos serviços de Urgência avançam em 2019

O conceito de Centro de Responsabilidade Integrada (CRI) será estendido aos serviços de Urgência hos...

por Teresa Mendes | 11.12.2018

Ordem dos Enfermeiros abandona Convenção Nacional de Saúde

A Ordem dos Enfermeiros (OE) decidiu abandonar a Convenção Nacional de Saúde (CNS) por considerar qu...

11.12.2018

 Marta Temido defende reflexão profunda para «sair da fase da estagnação»

Passados dez anos sobre a reforma dos cuidados de saúde primários (CSP), a ministra da Saúde defende...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.