Formação em DAE pode vir a ser obrigatória para todos os novos condutores

22.08.2018

Recomendação do grupo de trabalho criado pelo Ministério da Saúde
Um grupo de trabalho criado pelo Ministério da Saúde recomenda que a formação em suporte básico de vida e desfibrilhação automática externa (DAE) seja alargada de forma obrigatória a mais grupos profissionais e ainda a todos os que estejam a tirar a carta de condução.

O objetivo é que sejam cada vez mais as pessoas que saibam como atuar perante uma paragem cardiorrespiratória com recurso aos dispositivos instalados em locais públicos.

As recomendações do grupo de trabalho passam por formar forças de segurança, como a PSP, Polícia Municipal, GNR e Polícia Marítima, muitas vezes, os primeiros a chegar após um pedido de socorro, mas também nadadores salvadores, tripulação de aviões, tripulantes de ambulâncias (mesmo de transporte não urgente) e vigilantes de empresas de segurança.

Segundo a edição de hoje do Jornal de Notícias, este grupo defende ainda que a formação seja obrigatória para quem esteja a tirar a cartas de condução, seja qual for a categoria de veículos, e para os alunos do Ensino Secundário e dos cursos superiores de Ciências da Saúde e de Desporto.

Quanto à localização dos desfibrilhadores automáticos externos, pretende-se que estes dispositivos passem a estar disponíveis nos locais onde passem em média pelo menos mil pessoas por dia.

As recomendações do grupo de trabalho passam por formar forças de segurança, como a PSP, Polícia Municipal, GNR e Polícia Marítima, mas também nadadores salvadores, tripulação de aviões, tripulantes de ambulâncias (mesmo de transporte não urgente) e vigilantes de empresas de segurança

Assim, centros comerciais, hotéis, monumentos, áreas de diversão, embarcações turísticas, comboios de longo curso, aeronaves comerciais ou ginásios também podem passar a estar equipados.

O relatório final do grupo de trabalho criado para estudar a Requalificação do Programa Nacional de Desfibrilhação Automática Externa está em discussão pública e pode ser consultado aqui
 
18tm34K
22 de Agosto de 2018
1834Pub4f18tm34K

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 22.05.2019

Apenas um quarto dos médicos consegue conciliar carreira com vida familiar

A grande maioria dos médicos que trabalha no Serviço Nacional de Saúde (73%) não consegue conciliar...

22.05.2019

 Infarmed conclui processos de financiamento para 22 novos fármacos

 A conclusão de processos de financiamento relativos a novos medicamentos (novas substâncias ativas...

por Teresa Mendes | 22.05.2019

 Encargos com as PPP da saúde aumentaram quase 30%

Os encargos líquidos com parcerias público-privadas (PPP) subiram 5% nos primeiros seis meses de 201...

por Teresa Mendes | 21.05.2019

Taxas de cesariana e de mortalidade materna e perinatal são os temas mais p...

Diogo Ayres de Campos, diretor do Serviço de Obstetrícia do Hospital de Santa Maria (Centro Hospital...

21.05.2019

Porto quer ser «Cidade Sem Sida» até 2020

 A Câmara Municipal do Porto e 22 instituições assinaram esta segunda-feira, dia 20 de maio, o proto...

por Teresa Mendes | 21.05.2019

 Adesão à greve de anestesistas no Hospital Amadora-Sintra foi de 100%

No seu primeiro dia, a greve de anestesistas do hospital Amadora-Sintra registou «uma adesão de 100%...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.