Renovação do contrato de gestão do Hospital de Cascais é «injustificada»

foto de "DR" www.sns.gov.pt | 27.08.2018

Fnam defende que o hospital deve voltar para a esfera do SNS 


 
O Sindicato dos Médicos da Zona Sul (SMZS) considerou, este domingo, «injustificada a renovação», até ao máximo de mais três anos, do contrato de gestão do Hospital de Cascais Dr. José de Almeida, com o grupo Lusíadas.

Esta é a resposta da Federação Nacional dos Médicos à aprovação, na passada quinta-feira, de uma resolução do Conselho de Ministros que «autoriza a realização da despesa inerente à renovação, por dois anos, eventualmente prorrogável por mais um ano, do contrato de gestão do Hospital de Cascais».

A medida é destinada à unidade explorada em regime de parceria público-privada (PPP) com o grupo Lusíadas, desde 2009, uma vez «que caducaria, relativamente à entidade gestora do estabelecimento, em 31 de dezembro de 2018», refere o comunicado do Conselho de Ministros.

Num comunicado, o SMZS salienta que «não existe qualquer evidência de desempenho assistencial acrescido nos planos qualitativos e quantitativos ou de maior racionalidade gestionária que justifique um novo concurso PPP para o Hospital de Cascais».

Para João Proença, presidente da comissão executiva da Fnam, a gestão do Hospital de Cascais «está ao serviço da otimização do lucro» e «não tem melhorado a resposta dada à população» daquela zona. Em declarações à Lusa, o dirigente defendeu ainda que o hospital deve voltar para a esfera do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Para João Proença, presidente da comissão executiva da Fnam, a gestão do Hospital de Cascais «está ao serviço da otimização do lucro» e «não tem melhorado a resposta dada à população» daquela zona

A resolução aprovada inclui também, segundo o comunicado divulgado após a reunião do Conselho de Ministros, «a repartição dos encargos orçamentais correspondentes».

O Governo já anunciou que o contrato de gestão com o grupo privado que gere o Hospital Dr. José de Almeida foi prolongado por dois anos, para dar tempo ao lançamento de um novo concurso para outra parceria público-privada.

O ministro da Saúde admitiu ainda que se os futuros concorrentes não respeitarem o novo caderno de encargos, o Governo está preparado para avançar com o processo de reversão para o Serviço Nacional de Saúde.

De acordo com o ministro Adalberto Campos Fernandes, citado num comunicado do Portal do SNS, o novo concurso vai ser mais exigente nas áreas da saúde mental, oncológica e VIH/Sida, admitindo-se ainda a ampliação do atual edifício para reforçar a assistência hospitalar a freguesias do município de Sintra.

O comunicado do Conselho de Ministros pode ser consultado aqui

O comunicado do Portal do SNS está disponível aqui

E AINDA

por Teresa Mendes | 14.06.2019

Rui Ivo volta a ser presidente do Infarmed

Rui Ivo é nomeado, pela segunda vez, presidente da direção do Infarmed.<br /> A nomeação do Conselh...

por Teresa Mendes | 14.06.2019

 Médicos estão cada vez mais receosos quando têm que denunciar insuficiênci...

Os profissionais de saúde têm «cada vez mais receio» de denunciar situações de insuficiências ou mau...

por Teresa Mendes | 14.06.2019

 IPO Lisboa apela à dádiva de sangue

No âmbito do Dia Mundial do Dador de Sangue, que se celebra esta sexta-feira, dia 14 de junho, o Ser...

14.06.2019

Taxas moderadoras nos centros de saúde com fim à vista

A proposta do Bloco de Esquerda que dita o fim das taxas moderadoras nos centros de saúde vai ser vo...

por Teresa Mendes | 12.06.2019

Médicos com alojamento assegurado para reforço de cuidados de saúde no verã...

 A Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve vai assegurar residência aos médicos que queiram...

por Teresa Mendes | 12.06.2019

Argumentos que pretendem proibir PPP na saúde «não são razoáveis»

Numa altura em que foi adiada a votação do artigo sobre as PPP da Lei de Bases da Saúde para o próxi...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.