Prolongamento da PPP de Cascais pode afetar negativamente a população

por Teresa Mendes | 29.08.2018

Pedro Pita Barros contra prazos tão longos de decisão
 
O economista Pedro Pita Barros mostra-se contra o prolongamento do contrato de gestão do Hospital de Cascais.
«Esperemos que o Estado, enquanto entidade pública contratante das parcerias público-privadas, “aprenda” rapidamente, e evite prazos tão longos numa decisão de lançamento e seleção de nova parceria para substituir a que está em vigor», salienta o especialista.

Num comentário publicado no seu blogue, o também membro do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida e do Conselho Nacional de Saúde alerta que o prolongar da incerteza sobre a data final do contrato «é um custo, criado pelo Estado, para esta relação, impedindo que um contrato mais adequado às necessidades da população coberta possa ser estabelecido». 

Pedro Pita Barros alerta que o prolongar da incerteza sobre a data final do contrato «é um custo, criado pelo Estado, para esta relação, impedindo que um contrato mais adequado às necessidades da população coberta possa ser estabelecido» 

Segundo Pita Barros, embora este custo seja suportado pela parte privada, a verdade é que impede que possa ser estabelecida uma carteira de serviços distinta, ou com características diferentes, a serem prestados, algo que «também afeta a população servida».

Recorde-se que a Resolução do Conselho de Ministros, de 23 de agosto de 2018, autoriza a realização da despesa inerente à renovação, por 2 anos, eventualmente prorrogável por mais um ano, do contrato de gestão do Hospital de Cascais, que caducaria, relativamente à entidade gestora do estabelecimento, em 31 de dezembro de 2018, bem como a repartição dos encargos orçamentais correspondentes.

18tm35L
29 de Agosto de 2018
1835Pub4f18tm35L

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

12.12.2018

 Infarmed disponibiliza relatório anual sobre estatísticas do medicamento

A Autoridade Nacional do Medicamento divulgou esta terça-feira o seu relatório anual «Estatística do...

por Teresa Mendes | 12.12.2018

Conselho das Finanças Públicas alerta para «restrições efetivas no acesso»...

«Considerando que Portugal possui um sistema nacional de saúde com cobertura automática e integral d...

12.12.2018

Ordem dos Médicos pede «exceção» para operar crianças 

A Ordem dos Médicos (OM) defendeu esta terça-feira, no final de uma reunião com os diretores clínico...

por Teresa Mendes | 11.12.2018

Equipa dedicadas nos serviços de Urgência avançam em 2019

O conceito de Centro de Responsabilidade Integrada (CRI) será estendido aos serviços de Urgência hos...

por Teresa Mendes | 11.12.2018

Ordem dos Enfermeiros abandona Convenção Nacional de Saúde

A Ordem dos Enfermeiros (OE) decidiu abandonar a Convenção Nacional de Saúde (CNS) por considerar qu...

11.12.2018

 Marta Temido defende reflexão profunda para «sair da fase da estagnação»

Passados dez anos sobre a reforma dos cuidados de saúde primários (CSP), a ministra da Saúde defende...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.