A arte pode ter um efeito analgésico

por Zózimo Zorrinho | 04.09.2018

Estudo publicado na revista Pain Medicine
Visitar um museu e apreciar obras de arte pode ter um efeito analgésico e aliviar sentimentos de isolamento em doentes com dor crónica, revela um estudo publicado na revista Pain Medicine.

O trabalho, liderado por investigadores da Universidade da Califórnia, mostrou que 57% dos participantes referiram uma redução da dor nas visitas do programa Art Rx ao Museu Crocker Art, em Sacramento, na Califórnia.
Além disso, a dor diminuiu por um período até três semanas após a visita e a generalidade dos participantes também indicou redução do isolamento social, uma situação comum provocada pela dor crónica.

O estudo pioneiro nesta área abrange apenas uma intervenção num único museu, mas suscita a reflexão sobre as dimensões sociais da dor, que geralmente são reconhecidas, mas pouco estudadas, segundo os investigadores.

«Face ao aumento da dor crónica e uso excessivo de analgésicos opiáceos, é essencial que a componente social da dor seja reconhecida e abordada», defendem.

Durante a visita, os participantes indicaram que a experiência proporcionou distração da sua dor, e que a discussão sobre as obras de arte os fez sentir mais ligados aos outros visitantes.

Visitar um museu e apreciar obras de arte pode ter um efeito analgésico e aliviar sentimentos de isolamento em doentes com dor crónica, revela um estudo publicado na revista Pain Medicine

Um dos participantes comentou: «Estou a olhar para a arte e já não sou apenas o meu corpo.
Estou num espaço de conexão», referindo-se ao facto de a dor crónica tornar-se habitualmente num foco constante da mente das emoções dos doentes.

O trabalho, intitulado «The Art of Analgesia: A Pilot Study of Art Museum Tours to Decrease Pain and Social Disconnection Among Individuals with Chronic Pain» alerta ainda que a dor crónica está a tornar-se um dos mais graves problemas de saúde pública.

Os participantes tinham uma idade média de 59 anos, 65% eram mulheres, e no seu historial clínico relacionado com a dor, queixavam-se de isolamento social, autoimagem crítica e instabilidade emocional.

Os autores reconhecem que o número limitado da amostra – 54 participantes, 14 dos quais entrevistados –e o seu desenho geral (sem grupo comparativo ou randomização) o tornam passível de «um viés de seleção», admitindo a possibilidade de explicações alternativas.

Porém, sendo o primeiro estudo neste sentido, realçam que se impõem mais investigações para «explorar os mecanismos, duração e fatores da analgesia social».

O artigo pode ser consultado na íntegra aqui

18tm36H
04 de Setembro de 2018
1836Pub3f18tm36H

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

21.05.2019

Há mais 60 mil portugueses sem médico de família desde o início de 2019

Desde o início deste ano que aumentou o número de portugueses sem médico de família. No final de 201...

21.05.2019

APMGF defende criação de mais 30 USF por ano

Criar mais 30 unidades de saúde familiar (USF) por ano em Portugal é uma das medidas do Projeto-Beta...

por Teresa Mendes | 21.05.2019

«NBM in Ambulatory Surgery»  em destaque  no 13.º Congresso Internacional d...

O Centro de Congressos da Alfândega do Porto vai receber, entre os dias 27 e 29 de maio, o 13.º Cong...

por Teresa Mendes | 21.05.2019

1.º Barómetro da Adoção da Telessaúde e de Inteligência Artificial

Os resultados da primeira edição do Barómetro da Adoção da Telessaúde e de Inteligência Artificial,...

por Teresa Mendes | 17.05.2019

 Executivo abre 1129 vagas para as áreas de MGF, hospitalar e de Saúde Públ...

O Governo cumpriu o prazo de 30 dias para a abertura de concursos após a fixação da lista de classif...

por Teresa Mendes | 17.05.2019

Semana Europeia do Teste da Primavera decorre até 24 de maio

Começa hoje e decorre até 24 de maio, a Semana Europeia do Teste Primavera 2019, organizada pela HIV...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.