Infarmed aprova o segundo medicamento 100% português

06.09.2018

Novo fármaco promete atrasar os sintomas da doença de Parkinson
Foi aprovado pelo Infarmed o segundo medicamento 100% português.
Trata-se de um fármaco para o tratamento da doença de Parkinson que promete atrasar os sintomas daquela patologia, nomeadamente o controlo da rigidez, a dificuldade de movimentos e os tremores, anunciou a Bial, esta quarta-feira.

Embora tenha sido aprovado há dois anos pelo Comissão Europeia, o medicamento começou a chegar às farmácias portuguesas apenas esta semana, sendo comparticipado a 95% pelo Estado.

Em declarações à Lusa, o presidente da Bial, António Portela, explicou que este novo medicamento, cujo princípio ativo é a opicapona, «reduz o estado "off", que se caracteriza pela lentidão/limitação dos movimentos».

«Os chamados tempos "off" são períodos em que o corpo fica rígido e os doentes não se conseguem mexer.
O medicamento tem um efeito importante porque reduz em duas horas o tempo off», sustentou, salientando «a vantagem de ser de toma única diária, o que aumenta a qualidade de vida dos doentes durante o dia, mas também durante o sono».

O presidente da Bial, António Portela, explicou que este novo medicamento, cujo princípio ativo é a opicapona, «reduz o estado "off", que se caracteriza pela lentidão/limitação dos movimentos» 

O novo medicamento, comercializado com o nome de Ongentys, já está disponível desde 2016 na Alemanha, Inglaterra e Espanha.
Ainda este mês será comercializado em Itália, existindo já acordos com empresas do setor para a sua comercialização nos Estados Unidos da América, Japão, China e Coreia do sul.

Segundo a Bial, o Ongentys, que resultou de um investimento de cerca de 300 milhões de euros, culmina 11 anos de investigação, «apoiado num vasto e exaustivo programa de desenvolvimento clínico que suportou a aprovação da Comissão Europeia, incluindo 28 estudos de farmacologia humana em mais de 900 pacientes de 30 países».

Em Portugal existem entre 18 a 20 mil doentes de Parkinson e são identificados todos os anos cerca de dois mil novos casos.

Portugal é um dos países (a par com Espanha) com maior prevalência de uma mutação genética, considerada a causa mais frequente de doença de Parkinson. 

18tm36N
06 de Setembro de 2018
1836Pub5f18tm36N

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 11.12.2019

3.º Fórum do Conselho Nacional de Saúde decorre a 16 de dezembro

O Conselho Nacional de Saúde (CNS) organiza, no próximo dia 16 de dezembro, no Auditório António de...

por Teresa Mendes | 10.12.2019

 Ordem lamenta que ministra esconda realidade do Algarve

Em resposta às declarações da ministra da Saúde, que na passada sexta-feira disse, na sequência dos...

por Teresa Mendes | 10.12.2019

 Risco de queda passa a ser avaliado em todos os doentes internados

Por proposta conjunta do Departamento da Qualidade na Saúde, da Ordem dos Médicos e da Ordem dos Enf...

por Teresa Mendes | 10.12.2019

Suplemento devido desde 2009 às autoridades de saúde do país nunca foi pago

Há 10 anos que os médicos que exercem o poder de autoridade de saúde deveriam estar a receber um sup...

por Teresa Mendes | 10.12.2019

 Instituto Ricardo Jorge celebra 120 anos

No próximo dia 17 de dezembro, assinala-se o Dia do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge...

por Teresa Mendes | 09.12.2019

Afinal, a cesariana não aumenta o risco de obesidade na criança

As crianças nascidas através de cesariana não têm, afinal, uma probabilidade aumentada de virem a de...

por Teresa Mendes | 09.12.2019

Idoneidade e capacidades formativas: Grupo de trabalho vai criar manual com...

O Ministério da Saúde decidiu criar um grupo de trabalho para a elaboração de um manual de regras e...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.