CDS-PP defende criação de um Registo Nacional de Esclerose Múltipla

por Teresa Mendes | 06.09.2018

Projeto de Resolução pretende obter dados mais fidedignos da doença
O CDS-PP apresentou, esta quarta-feira, um Projeto de Resolução no qual recomenda ao Governo a criação de um Registo Nacional de Esclerose Múltipla (EM). Para os centristas, «seria da maior importância existirem dados oficiais, recolhidos pelo Ministério da Saúde, para que a informação relativa à EM e aos seus dados epidemiológicos em Portugal sejam o mais fidedignos e rigorosos possível».

No documento, o CDS-PP lembra que, atualmente, a recolha dos dados sobre a doença é complexa, uma vez que, apesar dos doentes terem, através do Serviço Nacional de Saúde (SNS), acesso a cuidados integrados e diferenciados, «os dados não são agregados e articuláveis entre as várias bases de dados dos vários hospitais».

O Projeto de Resolução observa que embora o modelo de Gestão Integrada da Doença, constituído pelos Centros de Tratamento da EM, seja essencial para estes doentes, a verdade é que «os registos são restritos a cada Centro de Tratamento, o que impede o acesso a uma informação nacional uniforme, para que seja possível realizar estudos nacionais rigorosos epidemiológicos, da prevalência e impacto da EM no nosso País».

Para o CDS-PP, este modelo fechado de dados é também «uma barreira ao desenvolvimento de investigação clínica e terapêutica rigorosas que possam fazer a avaliação custo-risco-benefício dos diversos tratamentos disponíveis para a EM».

O CDS-PP apresentou um Projeto de Resolução no qual recomenda ao Governo a criação de um Registo Nacional de Esclerose Múltipla (EM). Para os centristas, «seria da maior importância existirem dados oficiais epidemiológicos fidedignos e rigorosos»

Aliás, a este propósito, alega o documento, a Agência Europeia do Medicamento aconselha que os diversos países adotem registos nacionais uniformes e comparáveis em todos os hospitais, por forma a que a informação relativamente à doença seja escrutinável a diversos níveis e se possa ter um “mapa” nacional da prevalência da doença, das variáveis clínicas, dos vários tratamentos utilizados e das suas taxas de sucesso, dos impactos económico, social e laboral da EM, tanto para o doente como para o Estado.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 2.500.000 pessoas no mundo terão EM e, de acordo com a Sociedade Portuguesa de Esclerose Múltipla (SPEM), estima-se que, em Portugal, estes doentes serão cerca de 8.000.

O Projeto de Resolução pode ser consultado aqui

18tm36O
06 de Setembro de 2018
1836Pub5f18tm36O

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 21.03.2019

Infarmed aprova utilização de canábis para sete indicações terapêuticas

São sete as indicações terapêuticas para a utilização de medicamentos à base de canábis medicinal au...

por Teresa Mendes | 21.03.2019

Contratação simplificada: Técnicos de diagnóstico e terapêutica também fica...

Não são só os médicos que se sentem discriminados por não serem contemplados no processo de contrata...

21.03.2019

 Médicos alertam para rutura na Neonatologia da Maternidade Bissaya Barreto

O Sindicato dos Médicos da Zona Centro (SMZC) alertou esta quarta-feira para a rutura iminente no se...

21.03.2019

 Tutela estuda alargamento do cheque dentista a crianças menores de seis an...

O Ministério da Saúde está a estudar o alargamento dos cheques dentista a crianças menores de seis a...

20.03.2019

 APMGF teme que consultas por telemóvel aumentem as desigualdades

O presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF) critica a nova ferramenta...

20.03.2019

OM quer reunião urgente com ministra após «nível de desprezo» inédito

A Ordem dos Médicos (OM) pediu esta terça-feira uma reunião com caráter de urgência à ministra da Sa...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.