CE admite restrição da livre circulação para evitar escassez de medicamentos

por Teresa Mendes | 10.09.2018

Prioridade a garantir fornecimento contínuo de fármacos
A Comissão Europeia (CE) admite, pela primeira vez, a restrição da livre circulação de mercadorias como forma de prevenir roturas no stock de medicamentos.

A possibilidade é assumida num paper que clarifica as responsabilidades quanto à obrigação de fornecimento contínuo do mercado do medicamento e as responsabilidades dos titulares e distribuidores neste processo.

«Os Estados-Membros podem tomar medidas para prevenir ou resolver a escassez de medicamentos, restringindo a livre circulação de mercadorias, desde que tais restrições sejam justificáveis, necessárias e tenham como objetivo proteger a vida e a saúde dos seres humanos, prevenindo a ocorrência de escassez de medicamentos», lê-se no documento que contém as posições dos vários Estados membros, entre eles Portugal.

A Comissão Europeia (CE) admite, pela primeira vez, a restrição da livre circulação de mercadorias como forma de prevenir roturas no stock de medicamentos 

A tomada de posição conjunta determina que os titulares dos medicamentos e os distribuidores têm de garantir o fornecimento do mercado, em nome da proteção da saúde pública, e que, em caso de rotura ou falha temporária, «as autoridades competentes dos Estados membros devem ser notificadas com a devida antecedência e receber informação adequada».

O documento está disponível na íntegra aqui 

18tm37A
10 de Setembro de 2018
1837Pub2f18tm37A

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 22.05.2019

Apenas um quarto dos médicos consegue conciliar carreira com vida familiar

A grande maioria dos médicos que trabalha no Serviço Nacional de Saúde (73%) não consegue conciliar...

22.05.2019

 Infarmed conclui processos de financiamento para 22 novos fármacos

 A conclusão de processos de financiamento relativos a novos medicamentos (novas substâncias ativas...

22.05.2019

Fundadores do Observatório de Saúde António Arnaut  defendem transparência

O coordenador do Observatório de Saúde António Arnaut (OSAA) defendeu esta terça-feira, em Coimbra,...

por Teresa Mendes | 22.05.2019

 Encargos com as PPP da saúde aumentaram quase 30%

Os encargos líquidos com parcerias público-privadas (PPP) subiram 5% nos primeiros seis meses de 201...

por Teresa Mendes | 21.05.2019

Taxas de cesariana e de mortalidade materna e perinatal são os temas mais p...

Diogo Ayres de Campos, diretor do Serviço de Obstetrícia do Hospital de Santa Maria (Centro Hospital...

21.05.2019

Porto quer ser «Cidade Sem Sida» até 2020

 A Câmara Municipal do Porto e 22 instituições assinaram esta segunda-feira, dia 20 de maio, o proto...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.