António Costa não pode «desprezar o que se está a passar», alerta bastonário

11.09.2018

Diretores do Hospital de Gaia abandonam funções em outubro 
Se o Governo não der nenhum «sinal positivo», o diretor clínico e os 51 chefes de equipa do Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho, que se demitiram, vão abandonar as suas funções a 6 de outubro, avançou esta segunda-feira o bastonário da Ordem dos Médicos.

«A partir do dia 6 de outubro, se o Governo não mostrar nenhum sinal positivo, os clínicos deixam de exercer as suas funções de chefia, o que trará consequências muito graves ao centro hospitalar», disse Miguel Guimarães à Lusa, na sequência de informações obtidas junto de alguns dos demissionários.

É «fundamental» que quem detém o poder político na área da Saúde dê um «sinal positivo» de que vai haver mudanças e, caso esse seja dado, os profissionais demissionários suspendem a sua decisão, garantiu o responsável.

Para Miguel Guimarães, um desses «sinais positivos» seria substituir o presidente do conselho de administração que na sua opinião «nada fez» para alterar a atual situação de degradação do centro hospitalar.

«Ele nem sequer está solidário com os médicos, o que me deixa muito desagradado», acrescentou.
Outros dos indícios de que «a mudança vem caminho» seria consagrar no Orçamento de Estado para 2019 algumas das obras necessárias a realizar no centro hospitalar. 

É «fundamental» que quem detém o poder político na área da Saúde dê um «sinal positivo» de que vai haver mudanças e, caso esse seja dado, os profissionais demissionários suspendem a sua decisão, garantiu Miguel Guimarães

O bastonário lembrou igualmente que é necessário renovar equipamentos, alguns deles já ultrapassados, bem como possibilitar contratações diretas, à semelhança do que aconteceu noutros centros hospitalares do país.

O dirigente alertou ainda para futuras demissões, avisando que se o primeiro-ministro não fizer nada, estas vão repetir-se em mais hospitais do país porque os médicos não estão satisfeitos e estão a fazer um «esforço enorme» para manter os serviços a funcionar.

António Costa «não pode desprezar o que se está a passar», frisou.

18tm37H
11 de Setembro de 2018
1837Pub3f18tm37H

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 15.02.2019

Fnam pede intervenção do CNS para reformular organização dos hospitais 

A Federação Nacional dos Médicos (Fnam) apela ao presidente do Conselho Nacional de Saúde (CNS) para...

15.02.2019

 Ministério da Saúde vai abrir novas convenções na área da hemodiálise

O Ministério da Saúde vai abrir novas convenções com prestadores para a área da hemodiálise, esperan...

por Teresa Mendes | 15.02.2019

 Ciência Viva abre candidaturas ao concurso «Comunicar Saúde»

Estão abertas as candidaturas ao concurso «Comunicar Saúde», uma iniciativa da Ciência Viva - Agênci...

por Teresa Mendes | 15.02.2019

Publicado o primeiro manual de apoio à pessoa com doença rara

As pessoas com doença rara têm, pela primeira vez, acesso a um manual de apoio, que compila informaç...

por Teresa Mendes | 14.02.2019

Desde 2013 que o SNS não fazia tão poucas cirurgias

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) registou um aumento da atividade assistencial em 2018, quer no núm...

por Teresa Mendes | 14.02.2019

O BREXIT explicado às empresas do setor da Saúde

Para esclarecer a questão do BREXIT às empresas portuguesas do setor da Saúde, a AICEP organiza, em...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.