OM apela ao Governo para que reforce o orçamento da RNCCI

por Teresa Mendes | foto de "DR" www.sns.gov.pt | 12.09.2018

«É essencial que os doentes possam contar com total apoio do Estado»
Numa altura em que se começa a discutir o Orçamento do Estado, a Ordem dos Médicos (OM) apela ao Governo para a necessidade de reforço orçamental da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) e de uma gestão mais eficaz da articulação entre cuidados paliativos e cuidados continuados. 

«Nestas fases de fim de vida, de doenças crónicas incuráveis e de vulnerabilidade clínica e social, é essencial que os doentes possam contar com total apoio do Estado», salienta o bastonário, Miguel Guimarães, num comunicado.

A tomada de posição da OM surge após a Comissão Nacional de Coordenação da RNCCI vir esclarecer que a nova portaria – (Nº 249/2018) sobre as condições de instalação e funcionamento da RNCCI – «não veio impedir nem alterar a admissão de doentes seguidos pelas equipas específicas de Cuidados Paliativos na RNCCI, desde que o problema predominante na admissão seja a dependência».
Ou seja, o que constitui «critério de não admissão é a necessidade de c
uidados paliativos complexos, não se encontrando assim prejudicada a prestação de ações paliativas a pessoas com limitação funcional, em processo de doença crónica ou na sequência de doença aguda, em fase avançada ou terminal». 

«Nestas fases de fim de vida, de doenças crónicas incuráveis e de vulnerabilidade clínica e social, é essencial que os doentes possam contar com total apoio do Estado», salienta Miguel Guimarães

Esta portaria, lê-se no esclarecimento, «reforça os procedimentos seguidos pelas unidades e equipas da RNCCI na sua articulação com a Rede Nacional de Cuidados Paliativos», articulação esta que Miguel Guimarães considera que deve ser clara, eficaz e justa para todos os cidadãos.

«O percurso do doente tem de ser muito claro e a articulação dos cuidados de saúde tem de garantir resposta a todos, de forma equitativa e justa», destaca ainda o bastonário na nota à Imprensa.

18tm37J
12 de Setembro de 2018
1837Pub4f18tm37J

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 15.02.2019

Fnam pede intervenção do CNS para reformular organização dos hospitais 

A Federação Nacional dos Médicos (Fnam) apela ao presidente do Conselho Nacional de Saúde (CNS) para...

15.02.2019

 Ministério da Saúde vai abrir novas convenções na área da hemodiálise

O Ministério da Saúde vai abrir novas convenções com prestadores para a área da hemodiálise, esperan...

por Teresa Mendes | 15.02.2019

 Ciência Viva abre candidaturas ao concurso «Comunicar Saúde»

Estão abertas as candidaturas ao concurso «Comunicar Saúde», uma iniciativa da Ciência Viva - Agênci...

por Teresa Mendes | 15.02.2019

Publicado o primeiro manual de apoio à pessoa com doença rara

As pessoas com doença rara têm, pela primeira vez, acesso a um manual de apoio, que compila informaç...

por Teresa Mendes | 14.02.2019

Desde 2013 que o SNS não fazia tão poucas cirurgias

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) registou um aumento da atividade assistencial em 2018, quer no núm...

por Teresa Mendes | 14.02.2019

O BREXIT explicado às empresas do setor da Saúde

Para esclarecer a questão do BREXIT às empresas portuguesas do setor da Saúde, a AICEP organiza, em...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.