Portugueses fumam menos, mas «é preciso fazer mais»

12.09.2018

Em Portugal há uma morte a cada 50 minutos atribuível ao tabaco
Um em cada cinco portugueses maiores de 15 anos fuma, menos do que a média europeia (28%), o que demonstra que Portugal deu passos certos nesse sentido, afirmou esta terça-feira Kristina Mauer-Stender, responsável da Organização Mundial de Saúde (OMS) Europa, defendendo, no entanto, que «é preciso fazer mais».

«Atualmente, a taxa de fumadores entre adultos (acima dos 15 anos) é de cerca de 28% na Europa, [mas] em Portugal é de 20%», disse aos jornalistas a diretora do Programa de Controlo do Tabagismo da Organização Mundial de Saúde (OMS) Europa à margem da reunião preparatória dos países da Região Europeia para a Conferência das Partes (COP) da Convenção-Quadro para o Controlo do Tabaco, que termina esta quarta-feira, em Lisboa.

Na opinião da responsável, estes dados demonstram que «Portugal fez algumas coisas certas, mas, claro, todos concordamos que 28% na Europa é demasiado alto, assim como 20% em Portugal é demasiado alto, portanto é preciso fazer mais».

Dados oficiais revelam que em Portugal o consumo de tabaco é responsável por 10,6% das mortes, tendo, só em 2016, morrido mais de 11.800 pessoas por doenças atribuíveis ao tabaco, o que significa uma morte a cada 50 minutos.

«São vidas perdidas para as famílias, para as crianças, mas também para a economia dos países», considerou ainda Kristina Mauer-Stender, defendendo a necessidade de realizar mais ações informativas sobre os malefícios do tabaco. 

Também presente na reunião, o secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Fernando Araújo, sublinhou os «avanços significativos» feitos por Portugal nesta área, nomeadamente o melhor acesso às consultas de cessação tabágica.

«Portugal fez algumas coisas certas, mas, claro, todos concordamos que 28% na Europa é demasiado alto, assim como 20% em Portugal é demasiado alto, portanto é preciso fazer mais», defendeu Kristina Mauer-Stender 

«Nos últimos anos aumentámos em mais de 40% os locais [de consultas de cessação tabágica], o que proporcionou que o número de consultas crescesse de forma exponencial», evidenciou.

O governante lembrou igualmente que em 2017 também foi reintroduzida a compartição dos medicamentos antitabágicos, medida que representou um investimento do Estado de cerca de um milhão de euros, mas que fez duplicar de 2016 para 2017 o consumo destes fármacos.

18tm37i
12 de Setembro de 2018
1837Pub4f18tm37i

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

21.09.2018

Fátima Carneiro é a patologista mais influente do mundo

Fátima Carneiro foi eleita a patologista mais influente do mundo.<br /> A professora da Faculdade d...

por Teresa Mendes | 21.09.2018

7.ª Reunião da Vigilância Epidemiológica da Gripe em Portugal

O Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (Insa), em colaboração com a Direção-Geral da Saú...

por Teresa Mendes | 21.09.2018

 «Acesso à saúde é caro e tem de ser pago», alerta Teodora Cardoso

A presidente do Conselho das Finanças Públicas (CFP) alertou esta quinta-feira para a necessidade do...

por Teresa Mendes | 21.09.2018

Governo vai dar autonomia a um quarto dos hospitais em 2019

Em 2019, o Governo vai dar autonomia a um quarto dos hospitais portugueses, que passarão a poder rec...

por Teresa Mendes | 20.09.2018

 Portugueses têm «importantes lacunas no conhecimento sobre a doença cardio...

Um estudo publicado na mais recente edição da Revista Portuguesa de Cardiologia conclui que existem...

20.09.2018

 CE aprova Keytruda® em combinação com pemetrexedo e quimioterapia como 1.ª...

A MSD anunciou que a Comissão Europeia (CE) aprovou pembrolizumab (Keytruda®) em combinação com peme...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.