Portugueses fumam menos, mas «é preciso fazer mais»

12.09.2018

Em Portugal há uma morte a cada 50 minutos atribuível ao tabaco
Um em cada cinco portugueses maiores de 15 anos fuma, menos do que a média europeia (28%), o que demonstra que Portugal deu passos certos nesse sentido, afirmou esta terça-feira Kristina Mauer-Stender, responsável da Organização Mundial de Saúde (OMS) Europa, defendendo, no entanto, que «é preciso fazer mais».

«Atualmente, a taxa de fumadores entre adultos (acima dos 15 anos) é de cerca de 28% na Europa, [mas] em Portugal é de 20%», disse aos jornalistas a diretora do Programa de Controlo do Tabagismo da Organização Mundial de Saúde (OMS) Europa à margem da reunião preparatória dos países da Região Europeia para a Conferência das Partes (COP) da Convenção-Quadro para o Controlo do Tabaco, que termina esta quarta-feira, em Lisboa.

Na opinião da responsável, estes dados demonstram que «Portugal fez algumas coisas certas, mas, claro, todos concordamos que 28% na Europa é demasiado alto, assim como 20% em Portugal é demasiado alto, portanto é preciso fazer mais».

Dados oficiais revelam que em Portugal o consumo de tabaco é responsável por 10,6% das mortes, tendo, só em 2016, morrido mais de 11.800 pessoas por doenças atribuíveis ao tabaco, o que significa uma morte a cada 50 minutos.

«São vidas perdidas para as famílias, para as crianças, mas também para a economia dos países», considerou ainda Kristina Mauer-Stender, defendendo a necessidade de realizar mais ações informativas sobre os malefícios do tabaco. 

Também presente na reunião, o secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Fernando Araújo, sublinhou os «avanços significativos» feitos por Portugal nesta área, nomeadamente o melhor acesso às consultas de cessação tabágica.

«Portugal fez algumas coisas certas, mas, claro, todos concordamos que 28% na Europa é demasiado alto, assim como 20% em Portugal é demasiado alto, portanto é preciso fazer mais», defendeu Kristina Mauer-Stender 

«Nos últimos anos aumentámos em mais de 40% os locais [de consultas de cessação tabágica], o que proporcionou que o número de consultas crescesse de forma exponencial», evidenciou.

O governante lembrou igualmente que em 2017 também foi reintroduzida a compartição dos medicamentos antitabágicos, medida que representou um investimento do Estado de cerca de um milhão de euros, mas que fez duplicar de 2016 para 2017 o consumo destes fármacos.

18tm37i
12 de Setembro de 2018
1837Pub4f18tm37i

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 16.09.2019

 Profissionais estão a «deixar de acreditar nesta forma única de organizaçã...

Prestes a iniciar o quarto trimestre de 2019, altura em que deveria estar a ser realizada a transiçã...

16.09.2019

 «Queremos que o hospital saia de portas»

O Governo quer alargar a hospitalização domiciliária a todos os hospitais do Serviço Nacional de Saú...

16.09.2019

Bastonária da OE chama Miguel Guimarães para ser ouvido no caso da sindicân...

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros (OE), Ana Rita Cavaco, quer incluir, como testemunhas, o ex-mi...

por Teresa Mendes | 16.09.2019

 1.ª Edição Hot Topics em Hepatologia

Vai decorrer, no dia 11 de outubro, na Ordem dos Médicos, em Vila Real, a 1.ª edição dos Hot Topics...

por Teresa Mendes | 13.09.2019

Pela primeira vez em seis meses, a dívida à Indústria Farmacêutica diminuiu

Pela primeira vez em seis meses, o valor da dívida dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS)...

por Teresa Mendes | 13.09.2019

Ordem celebra 80 anos com coleção de fac-similadas de autores médicos

 A Ordem dos Médicos (OM) convida todos os profissionais a vir conhecer, na próxima segunda-feira, d...

por Teresa Mendes | 13.09.2019

 Literacia em Saúde: DGS lança Manual para capacitação dos profissionais

No âmbito do Plano de Ação para a Literacia em Saúde 2019/2012, a Direção-Geral da Saúde (DGS) lanço...

por Teresa Mendes | 13.09.2019

 Demitem-se dez chefes de equipa de urgência do Hospital Garcia de Orta

Demitiram-se dez chefes de equipa de urgência do Hospital Garcia de Orta, em Almada, segundo a Socie...

por Teresa Mendes | 12.09.2019

 SPP recomenda aos médicos que reportem os casos suspeitos em Portugal

A Sociedade Portuguesa de Pneumologia (SPP) recomenda aos médicos que passem a comunicar os casos de...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.