Portugueses fumam menos, mas «é preciso fazer mais»

12.09.2018

Em Portugal há uma morte a cada 50 minutos atribuível ao tabaco
Um em cada cinco portugueses maiores de 15 anos fuma, menos do que a média europeia (28%), o que demonstra que Portugal deu passos certos nesse sentido, afirmou esta terça-feira Kristina Mauer-Stender, responsável da Organização Mundial de Saúde (OMS) Europa, defendendo, no entanto, que «é preciso fazer mais».

«Atualmente, a taxa de fumadores entre adultos (acima dos 15 anos) é de cerca de 28% na Europa, [mas] em Portugal é de 20%», disse aos jornalistas a diretora do Programa de Controlo do Tabagismo da Organização Mundial de Saúde (OMS) Europa à margem da reunião preparatória dos países da Região Europeia para a Conferência das Partes (COP) da Convenção-Quadro para o Controlo do Tabaco, que termina esta quarta-feira, em Lisboa.

Na opinião da responsável, estes dados demonstram que «Portugal fez algumas coisas certas, mas, claro, todos concordamos que 28% na Europa é demasiado alto, assim como 20% em Portugal é demasiado alto, portanto é preciso fazer mais».

Dados oficiais revelam que em Portugal o consumo de tabaco é responsável por 10,6% das mortes, tendo, só em 2016, morrido mais de 11.800 pessoas por doenças atribuíveis ao tabaco, o que significa uma morte a cada 50 minutos.

«São vidas perdidas para as famílias, para as crianças, mas também para a economia dos países», considerou ainda Kristina Mauer-Stender, defendendo a necessidade de realizar mais ações informativas sobre os malefícios do tabaco. 

Também presente na reunião, o secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Fernando Araújo, sublinhou os «avanços significativos» feitos por Portugal nesta área, nomeadamente o melhor acesso às consultas de cessação tabágica.

«Portugal fez algumas coisas certas, mas, claro, todos concordamos que 28% na Europa é demasiado alto, assim como 20% em Portugal é demasiado alto, portanto é preciso fazer mais», defendeu Kristina Mauer-Stender 

«Nos últimos anos aumentámos em mais de 40% os locais [de consultas de cessação tabágica], o que proporcionou que o número de consultas crescesse de forma exponencial», evidenciou.

O governante lembrou igualmente que em 2017 também foi reintroduzida a compartição dos medicamentos antitabágicos, medida que representou um investimento do Estado de cerca de um milhão de euros, mas que fez duplicar de 2016 para 2017 o consumo destes fármacos.

18tm37i
12 de Setembro de 2018
1837Pub4f18tm37i

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 15.02.2019

Fnam pede intervenção do CNS para reformular organização dos hospitais 

A Federação Nacional dos Médicos (Fnam) apela ao presidente do Conselho Nacional de Saúde (CNS) para...

15.02.2019

 Ministério da Saúde vai abrir novas convenções na área da hemodiálise

O Ministério da Saúde vai abrir novas convenções com prestadores para a área da hemodiálise, esperan...

por Teresa Mendes | 15.02.2019

 Ciência Viva abre candidaturas ao concurso «Comunicar Saúde»

Estão abertas as candidaturas ao concurso «Comunicar Saúde», uma iniciativa da Ciência Viva - Agênci...

por Teresa Mendes | 15.02.2019

Publicado o primeiro manual de apoio à pessoa com doença rara

As pessoas com doença rara têm, pela primeira vez, acesso a um manual de apoio, que compila informaç...

por Teresa Mendes | 14.02.2019

Desde 2013 que o SNS não fazia tão poucas cirurgias

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) registou um aumento da atividade assistencial em 2018, quer no núm...

por Teresa Mendes | 14.02.2019

O BREXIT explicado às empresas do setor da Saúde

Para esclarecer a questão do BREXIT às empresas portuguesas do setor da Saúde, a AICEP organiza, em...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.