Cancro assombra um quarto da população portuguesa

por Teresa Mendes | 13.09.2018

IARC publica novos dados Global Cancer Observatory 2018
Um quarto da população portuguesa está em risco de desenvolver cancro até aos 75 anos e, destes, 10% corre mesmo o risco de morrer devido à doença oncológica, segundo as estimativas da Agência Internacional para a Investigação do Cancro (IAR, na sigla inglesa) da Organização Mundial de Saúde (OMS), divulgadas esta quarta-feira.

De acordo com os dados atualizados do Global Cancer Observatory 2018, o número de novos casos de cancro em Portugal ultrapassará em 2018 os 58 mil, com as mortes por doença oncológica a ascenderem a quase 29 mil.

O cancro colorretal será o tipo de patologia com mais novos casos em Portugal este ano, estimando-se a deteção de mais de 10 mil doentes. Segue-se o cancro da mama, que deverá afetar quase sete mil portuguesas, e o da próstata, que será diagnosticado em mais de 6600 pessoas.

Já o cancro do pulmão, que é a patologia que mais incidência tem em termos mundiais, surge em Portugal em quarto lugar, com a estimativa de mais de 5200 casos este ano.

Um quarto da população portuguesa está em risco de desenvolver cancro até aos 75 anos e, destes, 10% corre mesmo o risco de morrer devido à doença oncológica, segundo as estimativas da Agência Internacional para a Investigação do Cancro 

Numa análise por sexos, o cancro com maior incidência nos homens é o da próstata, seguido pelo colorretal. Nas mulheres, o cancro da mama aparece em primeiro lugar, sendo também o colorretal o que tem a segunda maior incidência.

Em termos de mortalidade, o cancro do pulmão é o mais mortal em Portugal, tal como acontece a nível mundial, seguido do cancro do cólon, do estômago e da próstata.
O cancro da mama surge em quinto lugar, numa análise a 36 tipos de doença oncológica.

Ainda de acordo com a IARC, são mais de 155 mil as pessoas em Portugal que vivem com cancro diagnosticado há mais de cinco anos.

Em todo o mundo, mais de 18 milhões de novos diagnósticos de cancro e 9,6 milhões de mortes são estimados em 2018, salienta a IARC num comunicado, concluindo o organismo que um em cada cinco homens e uma em cada seis mulheres em todo o mundo desenvolve cancro em alguma fase da sua vida.

Os números divulgados estimam ainda que um em cada oito homens e uma em cada 11 mulheres acabem por morrer devido a doença oncológica.

Os dados do observatório estão disponíveis para consulta aqui (http://gco.iarc.fr/).
Os dados relativos ao nosso país estão aqui
 

E AINDA

por Teresa Mendes | 16.09.2019

 Profissionais estão a «deixar de acreditar nesta forma única de organizaçã...

Prestes a iniciar o quarto trimestre de 2019, altura em que deveria estar a ser realizada a transiçã...

16.09.2019

 «Queremos que o hospital saia de portas»

O Governo quer alargar a hospitalização domiciliária a todos os hospitais do Serviço Nacional de Saú...

16.09.2019

Bastonária da OE chama Miguel Guimarães para ser ouvido no caso da sindicân...

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros (OE), Ana Rita Cavaco, quer incluir, como testemunhas, o ex-mi...

por Teresa Mendes | 16.09.2019

 1.ª Edição Hot Topics em Hepatologia

Vai decorrer, no dia 11 de outubro, na Ordem dos Médicos, em Vila Real, a 1.ª edição dos Hot Topics...

por Teresa Mendes | 13.09.2019

Pela primeira vez em seis meses, a dívida à Indústria Farmacêutica diminuiu

Pela primeira vez em seis meses, o valor da dívida dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS)...

por Teresa Mendes | 13.09.2019

Ordem celebra 80 anos com coleção de fac-similadas de autores médicos

 A Ordem dos Médicos (OM) convida todos os profissionais a vir conhecer, na próxima segunda-feira, d...

por Teresa Mendes | 13.09.2019

 Literacia em Saúde: DGS lança Manual para capacitação dos profissionais

No âmbito do Plano de Ação para a Literacia em Saúde 2019/2012, a Direção-Geral da Saúde (DGS) lanço...

por Teresa Mendes | 13.09.2019

 Demitem-se dez chefes de equipa de urgência do Hospital Garcia de Orta

Demitiram-se dez chefes de equipa de urgência do Hospital Garcia de Orta, em Almada, segundo a Socie...

por Teresa Mendes | 12.09.2019

 SPP recomenda aos médicos que reportem os casos suspeitos em Portugal

A Sociedade Portuguesa de Pneumologia (SPP) recomenda aos médicos que passem a comunicar os casos de...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.