Cancro assombra um quarto da população portuguesa

por Teresa Mendes | 13.09.2018

IARC publica novos dados Global Cancer Observatory 2018
Um quarto da população portuguesa está em risco de desenvolver cancro até aos 75 anos e, destes, 10% corre mesmo o risco de morrer devido à doença oncológica, segundo as estimativas da Agência Internacional para a Investigação do Cancro (IAR, na sigla inglesa) da Organização Mundial de Saúde (OMS), divulgadas esta quarta-feira.

De acordo com os dados atualizados do Global Cancer Observatory 2018, o número de novos casos de cancro em Portugal ultrapassará em 2018 os 58 mil, com as mortes por doença oncológica a ascenderem a quase 29 mil.

O cancro colorretal será o tipo de patologia com mais novos casos em Portugal este ano, estimando-se a deteção de mais de 10 mil doentes. Segue-se o cancro da mama, que deverá afetar quase sete mil portuguesas, e o da próstata, que será diagnosticado em mais de 6600 pessoas.

Já o cancro do pulmão, que é a patologia que mais incidência tem em termos mundiais, surge em Portugal em quarto lugar, com a estimativa de mais de 5200 casos este ano.

Um quarto da população portuguesa está em risco de desenvolver cancro até aos 75 anos e, destes, 10% corre mesmo o risco de morrer devido à doença oncológica, segundo as estimativas da Agência Internacional para a Investigação do Cancro 

Numa análise por sexos, o cancro com maior incidência nos homens é o da próstata, seguido pelo colorretal. Nas mulheres, o cancro da mama aparece em primeiro lugar, sendo também o colorretal o que tem a segunda maior incidência.

Em termos de mortalidade, o cancro do pulmão é o mais mortal em Portugal, tal como acontece a nível mundial, seguido do cancro do cólon, do estômago e da próstata.
O cancro da mama surge em quinto lugar, numa análise a 36 tipos de doença oncológica.

Ainda de acordo com a IARC, são mais de 155 mil as pessoas em Portugal que vivem com cancro diagnosticado há mais de cinco anos.

Em todo o mundo, mais de 18 milhões de novos diagnósticos de cancro e 9,6 milhões de mortes são estimados em 2018, salienta a IARC num comunicado, concluindo o organismo que um em cada cinco homens e uma em cada seis mulheres em todo o mundo desenvolve cancro em alguma fase da sua vida.

Os números divulgados estimam ainda que um em cada oito homens e uma em cada 11 mulheres acabem por morrer devido a doença oncológica.

Os dados do observatório estão disponíveis para consulta aqui (http://gco.iarc.fr/).
Os dados relativos ao nosso país estão aqui
 

E AINDA

por Teresa Mendes | 15.02.2019

Fnam pede intervenção do CNS para reformular organização dos hospitais 

A Federação Nacional dos Médicos (Fnam) apela ao presidente do Conselho Nacional de Saúde (CNS) para...

15.02.2019

 Ministério da Saúde vai abrir novas convenções na área da hemodiálise

O Ministério da Saúde vai abrir novas convenções com prestadores para a área da hemodiálise, esperan...

por Teresa Mendes | 15.02.2019

 Ciência Viva abre candidaturas ao concurso «Comunicar Saúde»

Estão abertas as candidaturas ao concurso «Comunicar Saúde», uma iniciativa da Ciência Viva - Agênci...

por Teresa Mendes | 15.02.2019

Publicado o primeiro manual de apoio à pessoa com doença rara

As pessoas com doença rara têm, pela primeira vez, acesso a um manual de apoio, que compila informaç...

por Teresa Mendes | 14.02.2019

Desde 2013 que o SNS não fazia tão poucas cirurgias

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) registou um aumento da atividade assistencial em 2018, quer no núm...

por Teresa Mendes | 14.02.2019

O BREXIT explicado às empresas do setor da Saúde

Para esclarecer a questão do BREXIT às empresas portuguesas do setor da Saúde, a AICEP organiza, em...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.