Águas do Tejo com resíduos de 32 fármacos

por Teresa Mendes | 13.09.2018

Estudo publicado online na Science Direct 
Um grupo de cientistas identificou a presença de 32 fármacos nas águas do estuário do Tejo, no âmbito de uma investigação que ainda decorre, anunciou esta quarta-feira a Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

O próximo passo será determinar a presença destes resíduos em plantas, crustáceos, bivalves e peixes, a par da avaliação do potencial de acumulação ao longo das cadeias alimentares.

Entre as substâncias descobertas pela equipa estão resíduos de antibióticos, de anti-hipertensivos e anti-inflamatórios, que foram encontrados em mais de 90% das amostras de água recolhidas «em toda a extensão do estuário», alertando o comunicado da Faculdade que «a presença destes compostos resulta do uso e consequente libertação contínua destes produtos nas águas residuais».

Estas conclusões são apresentadas no estudo «Screening of human and veterinary pharmaceuticals in estuarine waters: A baseline assessment for the Tejo estuary», coordenado por Vanessa F. Fonseca, do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE – Universidade de Lisboa). 

Um grupo de cientistas identificou a presença de 32 fármacos nas águas do estuário do Tejo, no âmbito de uma investigação que ainda decorre, anunciou a Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa 

O artigo está já disponível online na Science Direct e será publicado na edição de outubro do Marine Pollution Bulletin.
Os autores identificaram também antidepressivos, reguladores lipídicos e antiepiléticos.

As maiores concentrações de fármacos, usados na medicina humana e veterinária, foram observadas em áreas próximas da saída dos efluentes de tratamento de águas residuais na margem norte da Área Metropolitana de Lisboa e na zona sul do estuário, próximo de Almada e da desembocadura do Tejo.

A investigação iniciada em 2016 decorre no âmbito do projeto Biopharma, financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia e deverá terminar em 2019.
A equipa integra ainda investigadores da Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra e do Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária.

18tm37O
12 de Setembro de 2018
1837Pub4f18tm37O

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 06.12.2019

 EPE estavam em falência técnica no ano passado

Em 2018, metade dos hospitais EPE do país encontrava-se em falência técnica, segundo uma análise do...

06.12.2019

Chefes de cirurgia de Faro recusam fazer urgências a partir de 1 de janeiro

A partir de 1 de janeiro de 2020, os chefes de equipa de Cirurgia do Hospital de Faro vão deixar de...

por Teresa Mendes | 06.12.2019

 Sarampo matou mais de 140 mil pessoas no mundo em 2018

Em 2018, o sarampo foi responsável pela morte de mais de 140.000 pessoas, segundo novas estimativas...

por Teresa Mendes | 06.12.2019

«Não existem cigarros eletrónicos nem produtos de tabaco seguros»

«Não existem cigarros eletrónicos nem produtos de tabaco seguros, nomeadamente tabaco aquecido. Apre...

por Teresa Mendes | 05.12.2019

ADSE passa a ser tutelada pelo Ministério da Administração Pública

A ADSE já não é da tutela do Ministério da Saúde. Segundo o regime da organização e funcionamento do...

por Teresa Mendes | 04.12.2019

Esperança de vida em Portugal é maior do que na média dos países da EU

A esperança de vida em Portugal «aumentou substancialmente na última década», nomeadamente com a red...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.