Águas do Tejo com resíduos de 32 fármacos

por Teresa Mendes | 13.09.2018

Estudo publicado online na Science Direct 
Um grupo de cientistas identificou a presença de 32 fármacos nas águas do estuário do Tejo, no âmbito de uma investigação que ainda decorre, anunciou esta quarta-feira a Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

O próximo passo será determinar a presença destes resíduos em plantas, crustáceos, bivalves e peixes, a par da avaliação do potencial de acumulação ao longo das cadeias alimentares.

Entre as substâncias descobertas pela equipa estão resíduos de antibióticos, de anti-hipertensivos e anti-inflamatórios, que foram encontrados em mais de 90% das amostras de água recolhidas «em toda a extensão do estuário», alertando o comunicado da Faculdade que «a presença destes compostos resulta do uso e consequente libertação contínua destes produtos nas águas residuais».

Estas conclusões são apresentadas no estudo «Screening of human and veterinary pharmaceuticals in estuarine waters: A baseline assessment for the Tejo estuary», coordenado por Vanessa F. Fonseca, do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE – Universidade de Lisboa). 

Um grupo de cientistas identificou a presença de 32 fármacos nas águas do estuário do Tejo, no âmbito de uma investigação que ainda decorre, anunciou a Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa 

O artigo está já disponível online na Science Direct e será publicado na edição de outubro do Marine Pollution Bulletin.
Os autores identificaram também antidepressivos, reguladores lipídicos e antiepiléticos.

As maiores concentrações de fármacos, usados na medicina humana e veterinária, foram observadas em áreas próximas da saída dos efluentes de tratamento de águas residuais na margem norte da Área Metropolitana de Lisboa e na zona sul do estuário, próximo de Almada e da desembocadura do Tejo.

A investigação iniciada em 2016 decorre no âmbito do projeto Biopharma, financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia e deverá terminar em 2019.
A equipa integra ainda investigadores da Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra e do Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária.

18tm37O
12 de Setembro de 2018
1837Pub4f18tm37O

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

19.06.2019

Texto da nova Lei de Bases da Saúde fica sem referências às PPP

O grupo de trabalho que discute a nova Lei de Bases da Saúde no Parlamento chumbou esta terça-feira...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 «Na saúde não chega fazer muito... tem que se fazer bem»

«O sistema de saúde é complexo e não pode ser objeto de intervenções pouco pensadas, sujeitas a imed...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pinto conta com mais de 100 candi...

São mais de 100 as candidaturas recebidas pelo comité da 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pi...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 «Beyond Cervical Cancer» é o mote do «HPV Clinical Cases»

A MSD Portugal está a promover o «HPV Clinical Cases», uma iniciativa que tem como objetivo «reunir,...

por Teresa Mendes | 18.06.2019

Aumento da mortalidade materna e infantil são reflexo da falta de especiali...

A Ordem dos Médicos (OM) defende a necessidade de alterar urgentemente a forma e os prazos dos concu...

por Teresa Mendes | 18.06.2019

 Candidaturas ao Prémio Nacional de Saúde 2019 abertas até 30 de junho

Decorrem, até 30 de junho, as candidaturas Prémio Nacional de Saúde 2019.<br /> Este galardão atrib...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.