Governo nomeia responsável para criar unidades de hospitalização domiciliária

por Teresa Mendes | 17.09.2018

Escolha do MS recai em Delfim Rodrigues

 
O ex-presidente do conselho de administração (CA) do Hospital de Guimarães, Delfim Rodrigues, foi nomeado, pelo Ministério da Saúde (MS), responsável pela implementação e dinamização das Unidades de Hospitalização Domiciliária nos estabelecimentos hospitalares do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Um despacho publicado hoje no Diário da República nomeia o licenciado em Direito e pós-graduado em Administração Hospitalar, referindo ser «indispensável assegurar a harmonização, a nível nacional», dos planos propostos por cada dos hospitais para a implementação e dinamização das Unidades de Hospitalização Domiciliária.

O diploma, assinado pela secretária de Estado, Rosa Valente de Matos Zorrinho, salienta ainda que o Governo pretende estimular o «cuidar em casa», numa perspetiva multidisciplinar e de continuidade, incluindo não só os cuidados de saúde, como também o apoio aos cuidados pessoais e a articulação com as respostas da comunidade. 

«O cuidar em casa deslocaliza os cuidados das instituições para o domicílio, conduzindo assim a uma redefinição dos processos de cuidados e a uma estreita colaboração entre os vários intervenientes, desde os cuidados de saúde primários até à rede nacional de cuidados continuados integrados (RNCCI) e passando pelos hospitais, designadamente através das unidades de saúde familiar, das unidades de cuidados de saúde personalizados, das unidades de cuidados na comunidade, da hospitalização domiciliária, das equipas de cuidados continuados integrados da RNCCI, dos serviços sociais e de outros agentes da comunidade», lê-se no normativo
 
O ex-presidente do conselho de administração do Hospital de Guimarães, Delfim Rodrigues, foi nomeado, pelo Ministério da Saúde, responsável pela implementação e dinamização das Unidades de Hospitalização Domiciliária nos estabelecimentos hospitalares do SNS

Para o desenvolvimento destas unidades, Delfim Rodrigues, que também foi diretor-geral da saúde no período de 1993-1994, vai contar com o apoio das Administrações Regionais de Saúde, ao nível regional; da Secretaria-Geral do Ministério da Saúde, que assegura o apoio logístico e administrativo necessário; e das instituições e serviços do MS, quando tal se justificar.

18tm38C
17 de Setembro de 2018
1838Pub2f18tm38C

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 14.06.2019

Rui Ivo volta a ser presidente do Infarmed

Rui Ivo é nomeado, pela segunda vez, presidente da direção do Infarmed.<br /> A nomeação do Conselh...

por Teresa Mendes | 14.06.2019

 Médicos estão cada vez mais receosos quando têm que denunciar insuficiênci...

Os profissionais de saúde têm «cada vez mais receio» de denunciar situações de insuficiências ou mau...

por Teresa Mendes | 14.06.2019

 IPO Lisboa apela à dádiva de sangue

No âmbito do Dia Mundial do Dador de Sangue, que se celebra esta sexta-feira, dia 14 de junho, o Ser...

14.06.2019

Taxas moderadoras nos centros de saúde com fim à vista

A proposta do Bloco de Esquerda que dita o fim das taxas moderadoras nos centros de saúde vai ser vo...

por Teresa Mendes | 12.06.2019

Médicos com alojamento assegurado para reforço de cuidados de saúde no verã...

 A Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve vai assegurar residência aos médicos que queiram...

por Teresa Mendes | 12.06.2019

Argumentos que pretendem proibir PPP na saúde «não são razoáveis»

Numa altura em que foi adiada a votação do artigo sobre as PPP da Lei de Bases da Saúde para o próxi...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.