CE aprova Keytruda® em combinação com pemetrexedo e quimioterapia como 1.ª linha

20.09.2018

Doentes com CPCNP, metastático, sem mutações tumorais EGFR ou ALK

 
A MSD anunciou que a Comissão Europeia (CE) aprovou pembrolizumab (Keytruda®) em combinação com pemetrexedo (Alimta®) e quimioterapia contendo platina (cisplatina ou carboplatina) para o tratamento de primeira linha do cancro do pulmão de células não-pequenas (CPCNP), não-escamoso, metastático em adultos cujos tumores não expressem mutações EGFR ou ALK. 


Esta aprovação, a primeira na Europa para um agente Anti-PD1 em combinação com quimioterapia, teve por base os resultados do estudo de fase 3 KEYNOTE-189 em doentes com CPCNP não-escamoso, metastático, independentemente da expressão de PD-L1, o qual demonstrou «um benefício significativo na sobrevivência para a combinação de pembrolizumab com quimioterapia em comparação com a quimioterapia padrão isolada – reduzindo para metade o risco de morte destes doentes (HR=0.49 [95% CI, 0.38-0.64]; p<0.00001)», salienta a MSD num comunicado.

A aprovação permite a promoção da combinação de pembrolizumab em todos os 28 estados membros da União Europeia, mais a Islândia, o Liechtenstein e a Noruega, na dose aprovada de 200 mg a cada três semanas até a progressão da doença ou toxicidade inaceitável.

Pembrolizumab está também aprovado na Europa como monoterapia para o tratamento em primeira linha de CPCNP escamoso ou não-escamoso metastático em doentes cujos tumores apresentem alta expressão de PD-L1 (score de proporção tumoral [TPS] de 50% ou mais) sem mutações tumorais EGFR ou ALK (KEYNOTE-024) e para doentes previamente tratados com CPCNP localmente avançado ou metastático cujos tumores expressam PD-L1 (TPS≥1%) e que receberam pelo menos um tratamento prévio com quimioterapia (KEYNOTE-010).

Os resultados do estudo de fase 3 KEYNOTE-189 demonstrou «um benefício significativo na sobrevivência para a combinação de pembrolizumab com quimioterapia em comparação com a quimioterapia padrão isolada – reduzindo para metade o risco de morte destes doentes»

«O cancro do pulmão é a principal causa de morte por cancro na Europa, e estamos comprometidos em fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para ajudar a resolvê-lo», disse Frank Clyburn, presidente da MSD Oncology, citado na nota à Imprensa.

«Hoje, o pembrolizumab está aprovado em toda a Europa para o tratamento de doentes com cancro do pulmão de células não-pequenas não-escamoso metastático, tanto em monoterapia quanto em combinação com quimioterapia», destacou o responsável.

18tm38O
20 de Setembro de 2018
1838Pub5f18tm38O

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

19.06.2019

Texto da nova Lei de Bases da Saúde fica sem referências às PPP

O grupo de trabalho que discute a nova Lei de Bases da Saúde no Parlamento chumbou esta terça-feira...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 «Na saúde não chega fazer muito... tem que se fazer bem»

«O sistema de saúde é complexo e não pode ser objeto de intervenções pouco pensadas, sujeitas a imed...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pinto conta com mais de 100 candi...

São mais de 100 as candidaturas recebidas pelo comité da 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pi...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 «Beyond Cervical Cancer» é o mote do «HPV Clinical Cases»

A MSD Portugal está a promover o «HPV Clinical Cases», uma iniciativa que tem como objetivo «reunir,...

por Teresa Mendes | 18.06.2019

Aumento da mortalidade materna e infantil são reflexo da falta de especiali...

A Ordem dos Médicos (OM) defende a necessidade de alterar urgentemente a forma e os prazos dos concu...

por Teresa Mendes | 18.06.2019

 Candidaturas ao Prémio Nacional de Saúde 2019 abertas até 30 de junho

Decorrem, até 30 de junho, as candidaturas Prémio Nacional de Saúde 2019.<br /> Este galardão atrib...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.