Portugueses têm «importantes lacunas no conhecimento sobre a doença cardiovascular»

por Teresa Mendes | 20.09.2018

Estudo publicado na Revista Portuguesa de Cardiologia 
Um estudo publicado na mais recente edição da Revista Portuguesa de Cardiologia conclui que existem «importantes lacunas no conhecimento sobre a doença cardiovascular da população portuguesa».
A investigação avaliou 1624 residentes em Portugal continental, com idades entre 16 e 79 anos, através de entrevistas presenciais com questionário estruturado. 

O objetivo era caracterizar o conhecimento específico sobre a doença cardiovascular (DCV), nomeadamente o acidente vascular cerebral (AVC) e o enfarte agudo do miocárdio (EAM), da população portuguesa, de acordo com fatores sociodemográficos, literacia em saúde e história clínica.

Em termos gerais, os autores concluíram que cerca de 30% dos participantes não respondeu ou não soube responder a questões relacionadas com o risco de AVC ou de enfarte agudo do miocárdio (EAM), sendo que a proporção de respostas não dadas é, aproximadamente, duas vezes maior em participantes mais velhos.
Em média, os que responderam estimaram que 34,2% e 35,6% dos portugueses sofrerão um AVC ou um EAM durante a sua vida, respetivamente.

Menos de metade dos participantes respondeu que «telefonar para o 112» seria uma opção correta, perante a presença de sinais ou sintomas de eventos.

Dos inquiridos, 36,8% afirma ainda que não fumar e 32,8%, que fazer uma dieta saudável, é um dos principais comportamentos para a prevenção da doença cardiovascular.

No entanto, «atribuem menos importância ao controlo da pressão arterial, apesar da enorme prevalência da hipertensão em Portugal», salienta uma nota publicada esta quinta-feira no site da Sociedade Portuguesa de Cardiologia (SPC).

A SPC considera, no comunicado, que, em geral, «os participantes com literacia em saúde adequada revelaram um conhecimento em saúde cardiovascular mais apropriado». 

Um estudo publicado na Revista Portuguesa de Cardiologia conclui que existem «importantes lacunas no conhecimento sobre a doença cardiovascular da população portuguesa»

Nesse sentido, aquela Sociedade científica considera que o estudo «reforça a necessidade que existe em criar ferramentas de análise e de promoção da “literacia em saúde”, uma vez que, só assim é possível percecionar onde é possível intervir por forma a que o acesso à saúde seja maior e mais eficiente».

Precisamente com esse objetivo, a SPC tem em curso a campanha «Sabe que tipo de coração é o seu?», convidando a população a testar o seu risco cardiovascular através de um teste virtual, acessível aqui

O estudo, denominado «Conhecimento sobre a doença cardiovascular em Portugal», está disponível para consulta aqui

18tm38P
20 de Setembro de 2018
1838Pub5f18tm38P

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

22.05.2019

 Infarmed conclui processos de financiamento para 22 novos fármacos

 A conclusão de processos de financiamento relativos a novos medicamentos (novas substâncias ativas...

22.05.2019

Fundadores do Observatório de Saúde António Arnaut  defendem transparência

O coordenador do Observatório de Saúde António Arnaut (OSAA) defendeu esta terça-feira, em Coimbra,...

por Teresa Mendes | 22.05.2019

 Encargos com as PPP da saúde aumentaram quase 30%

Os encargos líquidos com parcerias público-privadas (PPP) subiram 5% nos primeiros seis meses de 201...

por Teresa Mendes | 21.05.2019

Taxas de cesariana e de mortalidade materna e perinatal são os temas mais p...

Diogo Ayres de Campos, diretor do Serviço de Obstetrícia do Hospital de Santa Maria (Centro Hospital...

21.05.2019

Porto quer ser «Cidade Sem Sida» até 2020

 A Câmara Municipal do Porto e 22 instituições assinaram esta segunda-feira, dia 20 de maio, o proto...

por Teresa Mendes | 21.05.2019

 Adesão à greve de anestesistas no Hospital Amadora-Sintra foi de 100%

No seu primeiro dia, a greve de anestesistas do hospital Amadora-Sintra registou «uma adesão de 100%...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.